Quantos e quem foram os atores e atrizes negros que ganharam o Oscar?

Pelo segundo ano consecutivo, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, responsável pelos indicados ao Oscar – considerado o prêmio máximo do cinema -, não nomeou qualquer ator negro nas categorias de atuação. Mais uma vez, a cerimônia será um evento para pessoas brancas.

Isso trouxe de volta a hashtag #OscarsSoWhite e a criação da #OscarsStillSoWhite (“O Oscar ainda é muito branco”), como forma de protesto à falta de diversidade na escolha dos melhores da Academia. Indignados, o diretor Spike Lee e a atriz Jada Pinkett Smith anunciaram, através das redes sociais, que boicotariam a premiação neste ano, o que  levou a presidente da Academia, Cheryl Boone Isaacs a emitir um comunicado. Nele, ela diz que também está frustrada com a situação e afirmou que já está tomando providências. “A mudança não está sendo tão rápida quanto gostaríamos. Precisamos fazer mais, melhor e mais rápido.”

Não é como se atores negros não tivessem feito grandes atuações durante 2015. Idris Elba (“Beasts of No Nation”), Michael B. Jordan e Tessa Thompson (ambos em “Creed: Nascido Para Lutar”), por exemplo, foram muito elogiados por seus papéis em suas respectivas produções, mas foram esnobados pela organização da Academia.

A falta de indicados negros é um reflexo da própria exclusão dessa população dentro da própria instituição do Oscar. Um estudo de 2012 do jornal Los Angeles Times mostra que negros possuem pouca representação na Academia, respondendo por apenas 2% dos membros. O mesmo documento afirma que eles são 94% brancos e 77% homens. Isso ajuda a entender, também, a falta de mulheres nas categorias de direção, por exemplo.

E essa exclusão acontece na indústria cinematográfica como um todo. De acordo com um relatório da Universidade do Sul da Califórnia (USC), os negros representam apenas 12,5% dos personagens em filmes (e aqui cabe o discurso de Viola Davis no Emmy Awards: “Você não consegue ganhar um Emmy por papéis que simplesmente não existem.”).

Atrás das câmeras, eles são apenas 4,7% dos diretores. Entre os executivos de Hollywood, eles também são minoria, o que levou à reclamação de Spike Lee no ano passado. “Quando vou aos escritórios, eu não vejo negros, exceto aquele irmão que fica na segurança e checa meu nome na lista quando vou a um estúdio.”

Em 87 anos de premiação, foram 2.900 indicados ao Oscar. Desse número, apenas 32 negros ganharam a famosa estatueta dourada. Entre eles, somente 14 atores e atrizes ganharam o reconhecimento por seus trabalhos na atuação. Porém, muitos venceram interpretando papéis estereotipados como escravos, pessoas abusivas ou submissas. É assim que a Academia vê os negros?

De qualquer forma, em tempos de #OscarsSoWhite, relembrar os atores que já ganharam o Oscar é mostrar que há muito o que ser feito no que diz respeito ao reconhecimento do talento artístico das pessoas negras, assim como é preciso avançar para deixar o passado racista do Oscar para trás:

Hattie McDaniel – “… E o Vento Levou” (1940):

Em 1940, 11 anos após a primeira edição do Oscar acontecer, Hattie McDaniel foi a primeira mulher – e primeira pessoa – negra a ser indicada e ganhar o prêmio. Ela o recebeu por sua atuação como a empregada Mammy em “… E o Vento Levou”. A ‘Melhor Atriz Coadjuvante’ daquele ano foi ao palco e disse que aquele era um dos momentos mais felizes de sua vida e agradeceu à Academia pela “gentileza.”

“Eu vou segurá-lo [o Oscar] como um farol para tudo o que eu fizer no futuro. E eu espero, sinceramente, que eu seja sempre um crédito para a minha raça e à indústria cinematográfica. Meu coração está muito cheio para dizer a vocês o que eu sinto. Obrigada e que Deus os abençoe.”

Sidney Poitier – “Uma Voz nas Sombras” (1964):

Sidney Poitier fez história no Oscar de 1964, ao ser o primeiro negro a levar o prêmio de ‘Melhor Ator’, graças ao seu papel no filme “Uma Voz nas Sombras”. Muito aplaudido na cerimônia, o astro começou seu discurso afirmando que foi “uma longa jornada até esse momento”. “Estou, naturalmente, em dívida com inúmeras pessoas, entre elas Ralph Nelson, James Poe, William Barrett, Martin Baum e, claro, os membros da Academia. A todos eles, tudo o que eu posso dizer é um obrigado especial.”

Poitier voltou a subir ao palco do Oscar, em 2002, para receber um prêmio honorário por sua carreira, entregue por Denzel Washington.

“Eu recebo esse prêmio em memória de todos os atores e atrizes afro-americanos, que vieram antes de mim nesses anos difíceis, cujos ombros eu tive o privilégio de me apoiar e ver para onde eu poderia ir.”

Louis Gossett Jr – “A Força do Destino” (1983):

Em 1983, quase 20 anos após o Oscar ser entregue a Sidney Poitier, a estatueta voltou para as mãos de um homem negro. Dessa vez, para Louis Gossett Jr., que recebeu o prêmio de ‘Melhor Ator Coadjuvante’ por “A Força do Destino”, filme em que interpreta um sargento linha-dura.

O ator fez os agradecimentos de costume em seu discurso, e o encerrou dedicando-o aos outros artistas que concorriam com ele na categoria.

Denzel Washington – “Tempo de Glória” (1990):

Denzel Washington foi escolhido o ‘Melhor Ator Coadjuvante’ na edição de 1990 do Oscar, por seu personagem, o soldado Trip, em “Tempo de Glória”.

Em seu discurso, ele agradeceu à família e aos colegas de profissão, mas fez questão de homenagear os soldados negros que lutaram na Guerra Civil Americana, cuja história é retratada no filme em que atuou.

“Eu gostaria de homenagear os soldados negros que ajudaram esse país ser livre. Eu agradeço a Deus. Eu agradeço a vocês.”

Whoopi Goldberg – “Ghost: Do Outro Lado da Vida” (1991):

Whoopi Goldberg levou o Oscar de ‘Melhor Atriz Coadjuvante’ em 1991, pela interpretação da falsa médium Oda Mae Brown, em “Ghost: Do Outro Lado da Vida”. Em seu discurso, Whoopi disse que sonhava em atuar desde pequena, e agradeceu ao ator Patrick Swayze, que disse que a queria no filme.

“Estou muito orgulhosa de estar aqui. Estou orgulhosa de ser atriz e continuarei atuando. E muito obrigada.”

Cuba Gooding Jr. – “Jerry Maguire: A Grande Virada”:

Cuba Gooding Jr. levou ‘Melhor Ator Coadjuvante’ em 1997, pelo filme “Jerry Maguire: A Grande Virada”. Visivelmente emocionado e animado, o artista ultrapassou o tempo de agradecimentos e deu pulos de alegria em cima do palco. Ao final de seu discurso, ele foi aplaudido de pé pelos presentes na cerimônia.

Denzel Washington – “Dia de Treinamento” (2002):

Denzel Washington voltou a ganhar um Oscar, dessa vez em 2002, e como ‘Melhor Ator’. Ao receber o prêmio, ele brincou com Sidney Poitier, que recebeu um Oscar honorário naquele ano, e que também foi o primeiro homem negro a levar a estatueta de ‘Melhor Ator’.

“Por quarenta anos eu estive perseguindo Sidney, e eles finalmente me deram [o Oscar]. Mas o que eles fazem? Eles dão a ele na mesma noite. Eu estarei sempre te perseguindo, Sidney. Sempre estarei seguindo seus passos. Não há nada que eu gostaria de fazer mais do que isso, senhor.”

Além de fazer os agradecimentos, Denzel lembrou dos seus tempos de faculdade, quando começou sua carreira de ator.

“Quando eu estava na faculdade, eles perguntaram a todos o que nós queríamos fazer. Eu disse que queria ser o melhor ator do mundo. Todos os estudantes da minha turma olharam para mim como se eu fosse louco. A vida me ensinou a tentar e ser o melhor que eu pudesse ser. Eu agradeço à Academia por dizer nesta noite que eu fui o melhor ator que poderia ser.”

Halle Berry – “A Última Ceia” (2002):

Halle Berry fez história em 2002 ao ganhar o Oscar de ‘Melhor Atriz’. Ela foi – e é até hoje – a primeira mulher negra a levar o prêmio na categoria principal de atuação. Naquela noite, Halle e Denzel Washington fizeram história, também, por serem os primeiros – e únicos – negros a levarem os prêmios principais de atuação numa mesma cerimônia do Oscar.

Muito emocionada, a atriz chorou ao receber a estatueta, e disse que aquele momento era muito maior do que ela. Ela ainda aproveitou para dividir o prêmio com outras atrizes negras.

“E isso é por todas as mulheres negras sem nome e sem rosto, que agora têm uma chance, porque essa porta foi aberta nesta noite.”

Perto do fim de seus agradecimentos, Halle Berry tomou consciência do tempo, e pediu algo que foi muito justo. “Espere um minuto. Eu tenho que ter… Foram 74 anos aqui! Eu preciso ter esse tempo”, gritou a atriz, lembrando que uma mulher negra nunca havia ganhado ‘Melhor Atriz’ na história do Oscar.

Jamie Foxx – Ray (2004):

Em 2004, Jamie Foxx concorria com Don Cheadle, de “Hotel Ruanda”, na categoria de ‘Melhor Ator’. Porém, sua atuação como o famoso cantor Ray Charles lhe rendeu o prêmio naquele ano. “Vamos viver esse sonho afro-americano”, disse o artista, que ainda agradeceu à sua falecida avó, sua primeira professora de atuação.

“Ela ainda fala comigo hoje, mas apenas nos meus sonhos. E eu mal posso esperar para dormir esta noite, porque nós temos muito o que conversar. Eu te amo.”

Morgan Freeman – “Menina de Ouro” (2005):

Morgan Freeman foi escolhido o ‘Melhor Ator Coadjuvante’ em 2005, por seu papel em “Menina de Ouro”. Num discurso rápido, ele agradeceu ao diretor do filme, Clint Eastwood, e à Academia. “Esse foi um trabalho de amor.”

Forest Whitaker – “O Último Rei da Escócia” (2007):

Forest Whitaker levou ‘Melhor Ator’ por “O Último Rei da Escócia”, em 2007. Muito emocionado, ele escreveu seu discurso em um papel, “porque eu pensei que, caso isso acontecesse, eu estaria um pouco estupefato. E eu estou.”

Ele lembrou de sua infância difícil, dizendo que assistia aos filmes no banco de trás do carro de sua família.

“E não era a minha realidade pensar em atuar. Então, receber essa honraria me diz que é possível, é possível para uma criança do Texas, criada em Los Angeles, que acredita nos seus sonhos, que se compromete com eles com todo seu coração, que os toca e os faz acontecer.”

Jennifer Hudson – “Dreamgirls – Em Busca de Um Sonho” (2007):

Jennifer Hudson ganhou o Oscar de ‘Melhor Atriz Coadjuvante’ em 2007 por “Dreamgirls – Em Busca de Um sonho”. Também muito emocionada, ela dedicou seu prêmio à sua avó, “porque ela era cantora e tinha uma paixão por isso.” “Mas ela nunca teve uma chance e isso foi o que me fez seguir em frente.”

Mo’Nique – “Preciosa: Uma História de Esperança” (2010):

Mo’Nique levou ‘Melhor Atriz Coadjuvante’ em 2010, após sua aclamada interpretação de uma mãe abusiva em “Preciosa: Uma História de Esperança”. À época, ela se recusou a fazer campanha para ganhar o prêmio. Foi por isso que, ao ganhar o Oscar, ela começou seu discurso dizendo: “Eu gostaria de agradecer à Academia por mostrar que o que importa é a performance, e não a política.”

Ela também citou Hattie McDaniel, primeira mulher negra a ganhar um Oscar. “Queria agradecer à senhora Hattie McDaniel, por aguentar tudo o que teve que aguentar, para que eu não precisasse.”

Contudo, após a premiação, ela contou que as portas foram fechadas a ela no cinema. Em 2015, Mo’Nique revelou ao The Hollywood Reporter que o diretor Lee Daniels (“Preciosa”) ligou a ela e disse que ela havia sido banida, “porque não quis jogar o jogo.”

Octavia Spencer – “Histórias Cruzadas” (2012):

https://www.youtube.com/watch?v=pzYZ_sMW6Eo

Em 2012, Octavia Spencer levou o Oscar de ‘Melhor Atriz Coadjuvante’ por “Histórias Cruzadas”, filme em que viveu a empregada doméstica Minny Jackson. Aplaudida de pé e muito emocionada, a estrela fez seus agradecimentos, e pediu para “cortarem seu discurso.” “Eu vou cortar. Desculpem, estou surtando. Obrigada, mundo.”

Lupita Nyong’o – “12 Anos de Escravidão” (2014):

Lupita Nyong’o foi a última atriz negra a ganhar um Oscar. Em 2014, ela levou o prêmio por seu trabalho em “12 Anos de Escravidão”. Em seu discurso, ela agradeceu à sua família e à equipe do filme, e disse que aquela era a maior alegria de sua vida.

“Quando olho para esta estatueta dourada, que ela possa lembrar a mim e a cada criança que, não importa de onde você vem, seus sonhos são válidos.”

Comments

  1. Pingback:O novo filme de Taraji P. Henson e Octavia Spencer é o que queremos ver mais no cinema - Prosa Livre

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.