Oscar 2015: Conheça os Indicados a Melhor Filme do Ano

O Oscar está chegando! Apesar de já ter expressado o quanto não devemos encará-lo como uma premiação coerente e legitimadora, essa semana o Prosa Livre está preparando dois posts sobre a edição desse ano. Para começar, vamos conhecer e comentar os oito indicados ao prêmio de Melhor Filme, categoria mais importante da cerimônia.

BIRDMAN ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)

A começar pelo título, “Birdman” é todo pretensioso. Em uma atuação honesta, mas sem novidades, Michael Keaton interpreta um ator que no passado fez muito sucesso, e agora tenta voltar à ativa produzindo e estrelando uma peça na Broadway, tendo alucinações por conta dessa crise. O filme transita bem entre realismo e um toque de fantasia, e o diretor, Alejandro Gonzalez Iñarritu, brinca com a ideia de que o filme todo foi rodado de uma vez só, num plano sequência. Típico filme que foi feito para o Oscar. É de torcer o nariz, não é? Mas funcionou: recebeu 9 indicações. Será que leva melhor filme?

BOYHOOD

Talvez por não ter uma narrativa forte, “Boyhood” às vezes se perca ao longo de suas 3 horas de duração, nas quais acompanhamos a infância e adolescência do protagonista em “tempo real”. Rodado ao longo de mais de uma década, o filme também pode ser tomado como pretensioso. Mas, se pensarmos que o objetivo do diretor Richard Linklater era, mais do que acompanhar as mudanças dos personagens/atores, também fazer um relato sutil e quase documental dos Estados Unidos ao longo desse tempo, o filme ganha outro peso. Nenhuma inovação de linguagem, exceto pelo tempo de produção. Ainda assim, um filme no qual vale a pena apostar (e, se quiser, até torcer) para levar a estatueta.

O GRANDE HOTEL BUDAPESTE

O filme indie do ano entre os indicados, “O Grande Hotel Budapeste” é praticamente uma overdose do estilo único de seu criador, o diretor Wes Anderson. Cenários fantásticos, personagens excêntricos, narrativa lúdica, humor bem colocado. Tudo sempre nos lembrando de que filmes não precisam (e na verdade, nem deveriam) ser coerentes e isentos do absurdo. É uma torcida que vale a pena. Talvez não chegue lá, porque conhecemos o conservadorismo da Academia, mas foi bom ter sido lembrado (com 9 indicações, veja só!). Ainda há espaço para um cinema lúdico e despretensioso.

O JOGO DA IMITAÇÃO

Apesar de ambientado durante a Segunda Guerra Mundial (temática que a Academia adora, aliás), “O Jogo da Imitação” é um filme sobre personagem. No caso, o matemático considerado pai da computação, interpretado aqui por Benedict Cumberbatch. A biografia acompanha a personagem em diferentes momentos de sua vida, sempre evidenciando sua personalidade forte e calcada no fato de ele ser homossexual numa época em que isso era um grande tabu social. Bem realizado, porém preguiçoso, o filme não impressiona e nem traz novidades. Mas também não ofende ninguém ao figurar a lista de indicados.

SELMA

Nos últimos anos, o Oscar criou a tendência de sempre indicar um filme que aborde a cultura e a sociedade negra nos Estados Unidos. “Histórias Cruzadas” e “12 Anos de Escravidão”, vencedor do ano passado, são alguns exemplos recentes, cada um com sua diferente perspectiva. Seria uma tentativa da Academia de fazer justiça a sua história, que por muitos anos excluiu os negros? O representante da vez é “Selma”, que narra a luta política de Martin Luther King pelos direitos civis dos negros nos anos 1960. Injustamente não indicado a nenhuma categoria de atuação, o filme representa uma resistência necessária dessa temática em Hollywood, mas não parece estar cotado como grande vencedor.

SNIPER AMERICANO

Não cansados de filmes sobre as guerras pós-ataques de 11 de setembro de 2001, a indicação a “Sniper Americano” veio talvez pelo respeito e admiração ao diretor Clint Eastwood, queridinho da Academia. Ou talvez pela grande atuação de Bradley Cooper como o atirador que mais matou pessoas durante seu tempo na Marinha americana. Como é costume, Eastwood não usa o filme para fazer um discurso político direcionado (embora discursos políticos existam até em animações da Disney, né?). Maior bilheteria americana entre as indicações ao Oscar desse ano, o filme causou as mais variadas reações e opiniões nos Estados Unidos.

A TEORIA DE TUDO

A cinebiografia do físico Stephen Hawking é a indicação romântica do ano. As boas atuações de Eddie Redmayne e Felicity Jones são o foco de “A Teoria de Tudo”, e renderam aos atores indicações em suas categorias. A Academia adora biografias e adora transformações visuais e físicas dos atores, e por isso o filme conquistou a simpatia e figura como um dos mais indicados. Mas não deve passar disso.

WHIPLASH

Se “Birdman” é o típico filme de Oscar, “Whiplash” divide com “O Grande Hotel Budapeste” o título de filme com menos cara de Oscar entre os indicados. Mas isso está a seu favor. Produções matematicamente pensadas para conquistar a simpatia das premiações cansam. É importante a indicação de filmes que se bastam. E é esse o caso dessa produção, que conta a história de um jovem baterista e seus conflitos com o maestro da orquestra da qual ele faz parte. O Oscar de ator coadjuvante para J.K. Simmons já é quase garantido, e “Whiplash” deve mesmo parar por ali.

Conheceu todos os filmes? Então, faça suas apostas! O Prosa Livre fez as suas, para essa e para as outras categorias do Oscar. O próximo post de cinema da semana é sobre isso. Aguarde e (com sorte) ganhe uma ajudinha para o bolão do Oscar 2015.

Comments

  1. Victor Rosa Responder

    Estou simplesmente louco para assistir todos os filmes, mas Birdman, A teoria de tudo e boyhood tem um favoritismo e com certeza vai passar na frente de todos!!
    #partiu baixar torrents

  2. Pingback:Façam suas apostas! O Oscar é hoje e o Prosa Livre comenta os principais indicados – Prosa Livre

  3. Pingback:Ava DuVernay pode dirigir novo filme da Marvel – Prosa Livre

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Search Anything
Close