O Langston de “Dash & Lily” é um dos melhores motivos para assistir à série da Netflix

O fim de ano chegou e, junto dele, vieram as luzes, os sinos, as decorações e, claro, os filmes e séries de Natal. Para celebrar o período, a Netflix trouxe diversas atrações para o catálogo e, se você adora essas produções temáticas (eu adoro, pelo menos), fica aqui a minha dica: “Dash & Lily”.

Com apenas 8 episódios, o seriado adaptado do livro “O Caderninho de Desafios de Dash & Lily”, dos autores David Levithan e Rachael Cohn, é divertido, leve, doce e inspirador. E, caso você já tenha estado em Nova York durante as festas de Natal, é possível que a obra dê uma certa nostalgia sobre a época pré-pandemia na cidade. Ou seja: a série tem tudo para oferecer conforto depois de um ano tão difícil.

E se existe outro bom motivo para assistir a “Dash & Lily”, é Langston, irmão da protagonista, interpretado por Troy Iwata. Afinal, para começo de conversa, sequer haveria seriado sem ele: é o personagem quem tem a ideia de deixar um caderno vermelho com pistas na livraria preferida de Lily (Midori Francis) para que ela possa, quem sabe, ter um pretendente ao seu coração. Se temos um casal por quem torcer, foi Langston quem tornou isso possível.

Para além de ser o responsável pela ideia que faz a história girar, o personagem também é divertido, sarcástico e assumidamente gay (assim como o ator que dá vida a ele). E Langston, assim como a irmã, também está à procura de um amor – sendo um pouco mais prático do que Lily para encontrá-lo.

Contudo, a julgar pelo trailer, o rapaz parece não ter muito um arco definido e apenas parece cumprir o estereótipo do “melhor amigo gay” da mocinha, porém como irmão dela, nesse caso. No entanto, se você assistir à produção da Netflix com atenção, vai perceber que não é o que acontece com Langston, pois o rapaz tem uma narrativa própria, mesmo com menos tempo de tela.

Ele não está ali apenas para fornecer conselhos e apoio para Lily, ainda que faça isso. Langston possui suas próprias questões, o que torna mais real e próximo de como um jovem gay da sua idade seria.

Dessa maneira, diferente do que acontece em muitas histórias com personagens gays, o arco de Langston não é sobre a luta com a sua orientação sexual ou desejo de que sua família ou amigos o aceitem como ele é. Em “Dash & Lily”, ele apenas é gay e o fato é tratado com a maior normalidade do mundo, e tem outras preocupações em vista.

“Uma coisa que me atraiu ao Langston foi o fato de que temos aqui um personagem queer – um personagem queer jovem. Isso não é tão comum, especialmente quando falamos de séries e filmes”, Troy Iwata contou à revista People. “Muitas vezes, quando vejo um personagem queer jovem, tudo é sobre o trauma dele ou ele sempre é vítima de bullying. Ele tenta se aceitar ou se identificar ou conseguir a aceitação da família. É importante mostrar que somos muito mais do que as nossas lutas. Langston é sarcástico, um irmão mais velho romântico sem salvação, que é gay e isso nunca é questionado, apenas apresentado sem qualquer problema”.

Vale dizer que não algo de errado em histórias sobre LGBTQs entenderem as próprias identidades, mas elas já existem aos montes e, obviamente, as vidas dessas pessoas não se resumem a isso e elas não deixam de existir após assumirem quem realmente são. Nesse sentido, a representação de Langston é importante, pois avança no tratamento e desenvolvimento de narrativas LGBTQ.

Aliás, como o personagem arruma um namorado (cujo impasse entre eles é hilário ao final), “Dash & Lily” oferece ao público LGBTQ uma história de amor natalina para chamar de sua, uma vez que essas histórias ainda são feitas em quantidade muito menor. Há uma cena de aquecer a alma entre Langston e Benny (Diego Guevara), mas que evito dar detalhes para não correr o risco de dar spoilers a quem ainda não viu o seriado.

Se você precisa de algum motivo para começar a assistir “Dash & Lily”, deixe Langston ser esse motivo. O personagem é divertido, inteligente, um tanto dramático e um ponto muito positivo na representação gay na televisão.

Assista ao seriado na Netflix!