O feminismo tornou-se pop em 2014?

2014 foi um ano de representatividade feminina na indústria do entretenimento. As mulheres dominaram as paradas musicais e abocanharam diversos prêmios ao longos desses 365 dias, além de diversas atrizes e cantoras trazerem à tona pautas feministas.

O feminismo, antes com a péssima, e errada, conotação de ódio aos homens, tornou-se mainstream; tendo suas mensagens difundidas por vozes de mulheres muito influentes, como Beyoncé e Emma Watson. Teria, então, o feminismo tornado-se pop em 2014?

Em dezembro de 2013, sem qualquer anúncio, Beyoncé lançou seu álbum homônimo. O mundo foi pego de surpresa com um disco experimental, onde a cantora colocou tudo o que a move como ser humano. E isso inclui o feminismo. ‘*** Flawless‘ possui um trecho do discurso da escritora feminista nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, ‘Sejamos todos feministas’.

Beyoncé ainda fala sobre a dificuldade de enquadrar-se ao padrão de beleza em ‘Pretty Hurts‘ e exalta a liberdade sexual feminina na faixa ‘Blow‘, onde canta sobre gostar de receber sexo oral. No entanto, há controvérsias sobre o feminismo da cantora. Questões como a sua hiperssexualização e a utilização de seu corpo como objeto constroem a polêmica em relação à sua imagem.

Drunk in Love‘, um dos singles de seu recente álbum ‘BEYONCÉ’, também possui um trecho polêmico. Em um dos versos cantados por Jay-Z, o rapper diz ‘sou Ike, Turner/ aumente o som/ querida, não, eu não brinco, agora coma o bolo, Annie Mae‘. A referência na música é ao casal Tina e Ike Turner, onde em um episódio de abuso, Ike obriga Tina a comer um bolo que não queria.

No entanto, apesar das controvérsias, Beyoncé utiliza sua imagem e influência para empoderar meninas. Um exemplo é a sua participação na campanha ‘Ban Bossy (vamos banir a palavra mandona), que visa encorajar garotas a serem líderes e não terem medo de assumir esse papel. E como esquecer sua apresentação no Video Music Awards (VMA) deste ano, onde a palavra feminista tomou conta do telão?

500-e0138a13e7eb791e39c6f096951c90cf

Não foi só Beyoncé que resolveu tornar popular o feminismo. A atriz britânica Emma Watson, em discurso na ONU, declarou-se feminista, e ainda lançou a campanha HeForShe, chamando os homens a levantarem-se contra a desigualdade de gênero.

Mas, apesar dos diversos elogios, Emma também foi criticada. De qual forma ela espera que homens aliem-se à luta feminista não está claro. Para um homem ser feminista, da forma como eu vejo, não é só ser a favor de igualdade e fim. Tem a ver com sair da postura cômoda de beneficiado histórico por conta de seu gênero, e desconstruir todo o machismo que nos foi ensinado e internalizado ao longo de nossa vivência. Declarar-se feminista e continuar a repetir opressão é papo furado.

tumblr_ml3f0vancu1rica3fo1_500

No entanto, o discurso de Emma Watson conseguiu colher alguns resultados. Um deles é ninguém menos do que Taylor Swift. A cantora pop, em entrevista a um programa de televisão, disse que se houvesse um exemplo como Watson em sua adolescência, então ela teria declarado-se feminista há muito tempo. Indo além, Taylor contou na mesma entrevista, que é preciso que, para alcançarmos a igualdade, é preciso que as mulheres apoiem-se umas nas outras. “[…] Precisamos parar de fazer garotas brigarem umas contra as outras. Temos que parar de nos interessarmos em ver meninas se atacando. Temos que apoiar umas às outras”.

taylor-swift-shake-it-off-music-video-thug

Foi muito bom Taylor Swift ter falado sobre pararmos de querer ver mulheres brigando ao invés de apoiarem-se. É fácil notarmos como ‘tretas’ envolvendo duas mulheres é amplamente divulgado e comemorado pela mídia. Quer um exemplo? O recente desentendimento entre Ariana Grande e Bette Midler. Ou então Pitty e Anitta. A própria Pitty foi ao Twitter acabar com o circo sobre a ‘discussão acalorada’ entre as duas cantoras no programa Altas Horas.

Ainda sobre a questão do apoio entre as mulheres, as atrizes Amy Poehler e Reese Whitherspoon têm algo a dizer. Amy, em entrevista durante o lançamento seu livro ‘Yes Please’, disse ” […] Precisamos continuar a celebrar, constantemente, o que nós temos em comum e parar de permitir que essa sociedade foque no que temos de diferente”. Reese também se manifestou sobre o assunto, quando foi questionada sobre a nova aparência de Renée Zellwegger. “[…] Por que – e particularmente as mulheres – por que eles (a mídia) têm que derrubá-las? E por que temos que derrubar outras mulheres para elevarmos outra? Isso me deixa louca”.

tumblr_lz7pwmQkTl1qcny2u

E já que falamos de Renée Zellwegger, pudemos acompanhar de perto o quanto a aparência é mais importante do que o trabalho realizado pelas mulheres. Renée possui uma carreira brilhante, mas após sua aparição em um evento, onde apareceu com o rosto diferente, todo seu trabalho foi esquecido e um longo debate sobre a possibilidade de procedimentos estéticos tomou o lugar. Cobramos as mulheres para manterem-se sempre jovens, mas quando isso não ocorre como o ‘esperado’, condenamo-as à fogueira.

Renée atualmente
Renée atualmente

E sobre padrões de beleza desprezíveis, temos Andressa Urach, que após fazer cirurgia para a retirada de uma substância que a deixou com pernas grossas, foi parar na UTI, após complicações durante a operação. Outro exemplo de mulher que tentou se enquadrar ao padrão estético aceitável e foi condenada ao quase morrer. Acrescente nessa lista aí Demi Lovato, que mesmo estando dentro de qualquer padrão, ainda é chamada de gorda. A cantora já sofreu muito com problemas alimentares e outros distúrbios psicológicos, por conta disso. Hoje, Demi declara-se feminista e faz coro ao discurso de ‘ame seu corpo como ele é’.

tumblr_nb5e1zaWHd1tjvq92o1_500
“Eu não dou a mínima”

Outra artista que abraçou seu corpo como ele é foi Meghan Trainor. Ao lançar a canção ‘All About That Bass’ encorajou várias garotas a se curtirem, independentemente do tamanho do seu corpo. ‘Pois cada pedacinho seu é perfeito, dos pés à cabeça’. Apesar da música ser ‘body positive‘, também não escapou das críticas ao mencionar que garotos curtem ‘ter algo para apertar’, o que lembra aquela velha necessidade de aprovação masculina. Além disso, Meghan parece zombar das meninas magras. No entanto, nada disso fez com que ‘All About That Bass’ deixasse de fazer sucesso.

Amar o próprio corpo é uma dificuldade tremenda para qualquer mulher. Mesmo. Você não está sozinha. Até a super atriz Scarlett Johansson tem problemas com o dela. “É um corpo ‘OK’, eu acho. Funciona, mas eu não diria que é um corpo notável. […] Há várias partes dele que eu não gosto”, contou a Viúva Negra do filme ‘Vingadores’. Então, é bom ver exemplos positivos como Mary Lambert, que canta a música ‘Same Love’, de Macklemore e Ryan Lewis, e ainda fez essa maravilha que é ‘Body Love’.

E se não houvesse pressão suficiente sobre as mulheres para manterem-se magras e jovens, ainda é necessário que sejam mães. Sim, isso não pode ser opcional. Mas sobre a questão, Jennifer Aniston, que é sempre perguntada quando terá um filho, disse à revista Allure, “Eu não gosto [da pressão] que as pessoas colocam sobre mim, sobre as mulheres – que nós falhamos como mulheres porque não procriamos. Não acho isso justo. Você pode não ter um filho saindo de sua vagina, mas não quer dizer que você não serve como mãe para cachorros, amigos ou filhos de seus amigos”. Algumas mulheres não querem ter filhos e tudo bem!

rachel-green-friends

Então, teria o feminismo tornado-se pop em 2014? Acredito que o feminismo tenha alcançado mais pessoas e começado a incomodar. O que é bom. Cada vez mais artistas femininas têm declarado-se feministas, como é o caso das mulheres citadas durante todo o texto, além da cantora Lorde, Jessie J, Iggy Azalea e as meninas do grupo Fifth Harmony. É importante que isso aconteça, pois como grande influenciadoras, conseguem fazer com que mais mulheres empoderem-se e mudem a estrutura como a sociedade está estabelecida. Agora é ver como isso continua. A certeza que temos é que as mulheres mostraram quem manda nas paradas.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.