Executivos duvidavam que Jennifer Garner fosse “gostosa o bastante” para papel na série “Alias”

  18. abril 2016   Cinema   1

Nós já vimos esse filme antes (o trocadilho foi de propósito): mulheres serem consideradas feias e velhas para papéis em produções televisivas e cinematográficas. Maggie Gyllenhaal, Wynona Ryder e até – Deus tenha piedade dessas almas – Meryl Streep, por exemplo, já ouviram que não eram bonitas o bastante em Hollywood.

Quem mais passou por isso foi Jennifer Garner, que já estrelou diversos filmes, entre eles “De Repente 30”. Um dos pontos importantes na sua carreira, contudo, foi na série “Alias”, onde vivia uma agente dupla da CIA, Sydney Bristow. Criada por J.J. Abrams, a atração foi colocada em dúvida pelos executivos de televisão, pois não consideravam Jennifer “gostosa o bastante”.

O diretor fez a revelação em um bate-papo com Chris Rock durante o Festival de Tribeca, na última sexta-feira, informa a revista People. “Eu escrevi ‘Alias’ pensando nela”, explicou Abrams. “Eu terminei, ela veio, foi maravilhoso. Mas eu me lembro de alguém no canal dizendo: ‘não sei. Ela é gostosa o bastante?’”

Ele acrescentou, entretanto, que a hesitação inicial se dava ao fato de que “eles sempre pensam duas vezes” e que “todos têm medo nas redes de televisão”, mas o diretor manteve-se firme na sua escolha de Jennifer Garner para o papel em “Alias”.

“Jen foi ótima e fez tudo. E foi incrível fazer o piloto. Eu me lembro de assistir a ela encontrando a força dentro dela. Foi muito bom ver isso e ela fez um trabalho espetacular.”

Como disse anteriormente, embora seja triste que as mulheres sejam consideradas para os papéis por sua aparência e não por seu trabalho, a realidade é que a notícia não é nova em Hollywood, e as atrizes têm se manifestado cada vez mais contra o machismo da indústria cinematográfica.

No ano passado, a atriz Heather Matarazzo (“O Diário da Princesa”) compartilhou um dos momentos mais terríveis de sua carreira, quando tinha 19 anos. Após estar ligada a um filme por dois anos, pouco antes das filmagens começarem, ela foi dispensada por não ser considerada “para transar”.

“Eu ainda sinto a dor, vergonha e humilhação daquele momento”, escreveu a artista. “Eu levei isso comigo até o final dos meus 20 anos. Junto a isso, eu tive uma confirmação contínua de que eu não era, de fato, para para transar baseada no meu telefone que não tocava muito e meus agentes, na época, só me mandavam papéis ‘sem consistência’ ou de ‘mulheres enormes’.”

Jessica Chastain é outro exemplo de atriz que não foi considerada bonita para ser atriz. “Somente nos últimos cinco anos eu comecei a ouvir que era atraente. Antes disso, eu não conseguia papéis porque as pessoas diziam que eu não era bonita.”

Ah, Hollywood…