Criador da série “Glee”, Ryan Murphy, lança fundação para aumentar aumentar a diversidade em Hollywood

  04. fevereiro 2016   Televisão   1
Criador da série “Glee”, Ryan Murphy, lança fundação para aumentar aumentar a diversidade em Hollywood

No ano passado, o Sindicato de Diretores dos Estados Unidos (Director’s Guild of America, em inglês) divulgou um estudo realizado entre os anos de 2014 e 2015 com uma análise de gênero, raça e orientação sexual das pessoas que dirigiram os 3.910 episódios das séries televisivas (incluindo serviços de streaming como a Netflix) exibidas durante esse período.

Enquanto as mulheres dirigiram 16% de todos os episódios, as minorias somadas foram responsáveis por apenas 18%. Ou seja, não há uma igualdade de oportunidades.

É por isso que Ryan Murphy, criador das séries “Glee”, “American Horror Story” e “Scream Queens”, resolveu se mexer para garantir que sua equipe de diretores seja 50% composta por mulheres, LGBTs e pessoas de cor. “Pessoalmente, eu posso fazer melhor”, afirmou o americano à Hollywood Reporter.

Na entrevista à publicação, ele afirma que foi inspirado pelos eventos recentes, entre eles, o discurso da publicitária Nanci Ryder em um evento feito pela revista para as mulheres da indústria do entretenimento. Na ocasião, ela pediu que todos se unissem pelo fim da discriminação de gênero de Hollywood. “Nanci disse: ‘às pessoas no poder: vocês têm uma posição e responsabilidade de mudar a indústria.’ E ela está certa”, disse Murphy.

Ele então lançou uma fundação chamada Half (Metade) dentro de empresa de produção na 20th Century Fox Television. A princípio, o diretor deu mais oportunidades às mulheres para os cargos de direção, mas já as expandiu para os diversos grupos minoritários. Até o final do ano, Ryan Murphy quer que 50% de sua equipe de diretores em “Scream Queens”, “American Crime Story” and “American Horror Story” seja composta por minorias, sejam elas mulheres, pessoas de cor ou LGBTs.

A Half trabalhará ainda como um banco de dados com nomes e contatos das pessoas, a fim de que outros diretores e showrunners possam contratá-los. O trabalho da organização também será estendido às universidades dos Estados Unidos,  que serão visitadas por ele, selecionando jovens para estagiar na sua empresa de produção e começar a trabalhar em Hollywood. “A indústria sempre foi: ‘venham a mim.’ Não há muito esforço e inclusão, por isso digo: ‘não, desta vez, nós vamos a vocês’.”

Foto de destaque: Vince Bucci/AP Images