Ter um irmão gay e duas irmãs ajudou Chris Evans a ser mais consciente sobre direitos humanos

  22. novembro 2016   Famosos   0
Ter um irmão gay e duas irmãs ajudou Chris Evans a ser mais consciente sobre direitos humanos

Com a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais americanas, o medo passou a ser uma constante na vida das minorias – mulheres, LGBTs, negros, muçulmanos, latinos, imigrantes e refugiados – que vivem nos Estados Unidos, e que veem no eleito um retrocesso aos direitos e à visibilidade conquistados em tempos recentes.

E assim como milhões de pessoas, as celebridades também se manifestaram contra o resultado das votações, temendo que o futuro morador da Casa Branca seja um homem pior do que foi durante a campanha, na qual abusou de discursos e posturas racistas, xenófobos e misóginos.

Chris Evans, o querido Capitão América dos cinemas, foi um dos famosos que lamentaram o desfecho das eleições em seu país, escrevendo no Twitter: “Essa é uma noite vergonhosa para os Estados Unidos. Permitimos que um semeador de discórdia lidere nossa grande nação. Permitimos que um bully determine nosso caminho. Estou devastado”.

E a preocupação do ator se deve, em parte, pela consciência que adquiriu por ter um irmão gay e duas irmãs. É o que ele contou em uma entrevista para o site australiano The Fix, na qual ele contou que nunca sofreu nenhuma reação negativa por apoiar o irmão, Scott.

“Nunca na minha frente, com certeza”, disse. “Estamos vivendo tempos complicados. Até essa eleição, eu nunca vi nenhum tipo de reação negativa ou atrito como resultado da posição de apoio a ele ou outros direitos humanos que eu assumi na minha carreira. Então, eu diria que não, [mas] espero que isso continue assim, indo em frente”.

As duas irmãs, Shanna e Carly, também foram importantes para que Chris pensasse nos direitos das mulheres. Ele disse, também, que crescer em meio a pessoas diferentes o fez perceber como a diversidade é positiva para a construção de uma sociedade igualitária.

“É importante entender que, seja crescendo com mulheres, seja crescendo com outros grupos étnicos, é importante experimentar qualquer coisa que seja diferente do que você conhece, para encorajar a compaixão e entendimento”, afirmou o artista. “Crescer com mulheres, com certeza, me ajudou. Mas crescer no teatro também me ajudou, assim como crescer em uma comunidade progressista. Acho que é muito importante colocar rostos nas situações em que estamos navegando enquanto sociedade. Por isso, sim, crescer com irmãs foi uma grande influência para mim, e eu tenho uma profunda conexão, não só com direitos humanos, mas os direitos das mulheres, especificamente”.

Tempos difíceis virão com a presidência de Donald Trump. Mas do que depender do Capitão América, nenhum cidadão ficará para trás sob sua vigia:

Tradução: “Chega de medo. Somente otimismo e esperança. Vou deixar que o amor seja meu guia. Todas minhas energias serão direcionadas, agora, para a proteção de TODOS os americanos”.

A entrevista completa pode ser lida no site The Fix.