Ator pornô gay, Liam Riley, grava emocionante vídeo sobre amar a si mesmo

  11. janeiro 2015   Prosa Livre   0
Ator pornô gay, Liam Riley, grava emocionante vídeo sobre amar a si mesmo

No final de maio conhecemos a história do pequeno Ryland Whittington, de 6 anos. O garoto é transgênero e assim que aprendeu a falar, disse aos pais que era um menino e não uma menina. A mãe o pai do menino não tiveram dúvida quando souberam de uma triste estatística: 41% das pessoas trans tentam suicídio pela falta de apoio da sociedade, e logo abraçaram a transformação de Ryland e contaram sua história em um vídeo que tornou-se viral na internet.

Ryland Whittington e sua irmã

[ALERTA DE GATILHO NESTE PARÁGRAFO]

Uma história feliz que contrasta com outra muito triste. No dia 28 de dezembro do ano passado, uma garota americana transgênero, de 17 anos, que não teve o mesmo apoio da família, suicidou-se. Numa carta escrita por ela em seu Tumblr (que foi apagado), Leelah Alcorn, diz esperar que seu ato “signifique algo” e que só descansará em paz quando “pessoas transgênero não forem mais tratadas como ela foi”. Uma petição online foi criada para que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, o Senado e o Congresso americano, anulem a prática de “conversão de pessoas trans”, no país. A petição já conta com mais de 310 mil assinaturas.

Motivado pela triste história de Leelah Alcorn, o ator pornô gay, Liam Riley, gravou um emocionante vídeo onde apela para que jovens homossexuais amem-se, pois não há nada de errado em ser quem é.

“Uma das coisas que eu aprendi desde pequeno é me amar por quem eu sou e não deixar ninguém me dizer o contrário”, conta Liam no início do vídeo de quase 6 minutos. Nele, o ator relata de forma honesta a sua relação consigo mesmo e encoraja os demais a serem quem são. “Eu sorrio porque mereço”, diz o rapaz.

Não podemos esquecer de olhar para o Brasil. É importante ler sobre essas histórias, mas é igualmente importante lembrarmos que aqui as coisas não são diferentes. Um homossexual é morto a cada 28 horas no país (o maior índice do mundo), e a lei que criminalizaria a homofobia e a transfobia, o PLC 122, está prestes a ser arquivada. É necessário que olhemos essas histórias e lutemos por direitos iguais para todos. Mudança sem luta não existe.

Finalizo com uma fala de Liam Riley em seu vídeo: “É correto ser quem você é. É correto ser você mesmo”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *