“Alguém Avisa?” é um divertido presente para o Natal

[AVISO: HÁ ALGUNS SPOILERS DE “ALGUÉM AVISA? NO TEXTO]

Eu amo o Natal e confesso, sem a menor vergonha, de que adoro filmes dessa época do ano. Nesse período, é muito fácil me encontrar assistindo “Simplesmente Amor”, “Esqueceram de Mim” e, mais recentemente, a série “Dash & Lily”. Contudo, sempre senti falta de produções centradas em personagens e histórias LGBT – ou seja, pessoas como eu e histórias que ressoassem comigo.

Porém, o ano de 2020 nos presenteou com “Happiest Season”, cujo título em português é “Alguém Avisa?” (ainda estou decidindo se gosto da adaptação do nome do longa para o português), e possui ambas as protagonistas em um relacionamento lésbico. Sim, ganhamos um filme natalino com personagens LGBTs, enfim!

Em “Alguém Avisa?”, Harper (Mackenzie Davis) convida a namorada Abby (Kristen Stewart) para passar o Natal com a família dela, mas só avisa em cima da hora de que ainda não contou aos pais que é lésbica e que está em um relacionamento. Pela namorada, Abby aceita fingir ser apenas uma amiga de Harper, o que faz com que rolem algumas confusões em família e desavenças entre as duas. Esse não será um fim de ano tranquilo, definitivamente.

Para começar, “Alguém Avisa?” possui uma história que é facilmente relacionável para qualquer LGBT: quem nunca precisou esconder  dos pais quem é ou quem ama? E embora seja mais um filme sobre a famosa, e por vezes temida, “saída do armário”, o filme retrata esse momento com muita honestidade e sem pesar no drama. Afinal, esse é uma comédia romântica natalina, que não precisa se levar tão a sério.

Kristen Stewart e Mackenzie Davis se saem muito bem nos papéis principais, especialmente a primeira. Fica nítido como uma atriz abertamente LGBT consegue entregar as nuances necessárias que uma personagem LGBT exige. O conforto de Stewart no papel de Abby é evidente em todas as cenas. Davis também faz um ótimo trabalho, sendo apenas uma pena que o filme seja exclusivamente pela perspectiva da namorada e não tenha a visão de Harper sobre sua família e suas dores.

Aliás, já que estou falando de Harper, vale a pena destacar que ela não é a pessoa tóxica que vem sendo pintada na internet, desde o lançamento de “Alguém Avisa?”. Ainda que a personagem tenha atitudes questionáveis, ela é humana, imperfeita, comete erros e está com medo de perder o amor dos pais, os quais são as pessoas que mais ama na vida. Poucos LGBTs podem dizer que não sentiram o mesmo medo antes de contar a alguém importante sobre quem realmente são. E entender o contexto familiar de Harper é fundamental para entender a personagem. As expectativas em torno do filme eram grandes, mas acho importante lembrar que, mesmo sendo ficção, ele não deixa de representar a realidade de muitas pessoas.

Para nossa sorte, Dan Leavy, que interpreta John, o melhor amigo gay de Abby, possui o discurso perfeito para fazer com que a protagonista e todos os telespectadores lembrem que cada um tempo para se assumir e viver sua identidade e seu afeto. O ator, junto de Mary Holland, atriz que dá vida a Jane, irmã de Harper, estão hilários e merecem reconhecimento.

“Alguém Avisa?” possui alguns momentos que não funcionam, como quando os sobrinhos de Harper colocam uma jóia na bolsa de Abby, o que faz com que ela seja interrogada pelos seguranças do shopping. Num ano em que muito se falou de brutalidade policial contra a população negra, essa situação não foi divertida e nos faz pensar qual seria o tratamento para Abby, caso ela fosse negra. E, devo dizer, o filme é excessivamente branco. Caso uma continuação venha a se concretizar, seria interessante e bem-vindo um elenco mais diverso.

Ainda assim, o longa dirigido e roteirizado por Clea DuVall possui bons e divertidos momentos e conta uma história muito real, com humor e com o carisma de seu elenco. Seria um grande presente de Natal se mais produções como essa viessem nos próximos anos.