A entrevista de Emma Watson com Malala Yousafzai é verdadeiramente inspiradora

Emma Watson e Malala Yousafzai são duas mulheres inspiradoras e um encontro das duas não poderia ser menos do que especial. Tanto uma quanto a outra lutam na construção de um mundo onde não exista mais desigualdade de gênero. Enquanto Watson encabeça a campanha #HeForShe, da ONU, ao mesmo tempo em que discute feminismo dentro da indústria da moda e no cinema, Malala concentra seu ativismo na educação das meninas e construção de escolas para elas, através de sua organização, a Malala Fund, e já ganhou até um prêmio Nobel por suas iniciativas em 2014.

Ontem, 4, durante o Film Festival, em Londres, as duas se encontraram para o lançamento do documentário “I Am Malala”, e conversaram sobre feminismo. Malala afirmou que é feminista e foi Emma Watson quem a fez abraçar o termo. “A palavra feminismo tem sido muito complicada. A primeira vez que a ouvi, ouvi muitos comentários negativos e positivos, então eu hesitei em me considerar feminista”, contou a ativista. “Então, ao ouvir o seu discurso, ‘se não agora, quando? Se não eu, quem?’, eu decidi que não há nada de errado em se considerar feminista”.

“Eu sou feminista e todos deveríamos ser feministas porque feminismo é outra palavra para igualdade”, refletiu Malala.

Na descrição do vídeo, Emma conta que iria fazer essa pergunta à paquistanesa, mas decidiu que não iria mais um dia antes da entrevista. “Talvez ‘feminista’ não seja a palavra mais fácil de usar, mas ela a usou de qualquer forma”, escreveu a atriz.

O pai de Malala, Ziauddin, também é citado na entrevista. Quando conversam sobre homens no feminismo, a ativista fala sobre seu pai, que sempre a apoiou em suas ações. “Meu pai tem sido um exemplo a todos os pais e homens. Se nós quisermos igualdade, se queremos direitos iguais às mulheres, os homens precisam agir”.

O apoio dos homens precisa vir em forma de ações. Somos todos criados dentro de uma sociedade machista e misógina e, para desconstruir isso, é preciso ouvir o que as mulheres têm a dizer e compartilhar com outros homens. Também é importante não individualizar a questão: quando mulheres apontam machismo, ao invés de dizer ‘eu não sou machista, inclusive…”, devemos reconhecer o quanto esse sistema privilegia os homens e trabalhar para uma sociedade mais justa e igualitária.

Por fim, Emma Watson e Malala fazem apenas um pedido. “Não vamos tornar assustador vocês dizerem que são feministas. Eu quero fazer isso da forma mais cordial e inclusiva possível. Vamos dar as nossas mãos e caminhar para produzir alguma mudança real. Malala e eu somos sérias quanto a isso, mas precisamos de você”.
Confira abaixo a entrevista:

Into Film Festival opening Q&AToday I met Malala. She was giving, utterly graceful, compelling and intelligent. That might sound obvious but I was struck by this even more in person. There are lots of NGOs out there in the world doing great things… But if there were one I would put my money on to succeed and make change on this planet, it would be hers. (The Malala Fund). Malala isn’t messing around or mincing her words (one of the many reasons I love her). She has the strength of her convictions coupled with the kind of determination I rarely encounter… And it doesn’t seem to have been diminished by the success she has already had. And lastly…She has a sense of peace around her. I leave this for last because it is perhaps the most important. Maybe as a result of what she has been through? I personally think it is just who she is…Perhaps the most moving moment of today for me was when Malala addressed the issue of feminism. To give you some background, I had initially planned to ask Malala whether or not she was a feminist but then researched to see whether she had used this word to describe herself. Having seen that she hadn’t, I decided to take the question out before the day of our interview. To my utter shock Malala put the question back into one of her own answers and identified herself. Maybe feminist isn’t the easiest word to use… But she did it ANYWAY. You can probably see in the interview how I felt about this. She also gave me time at the end of the Q&A to speak about some of my own work, which she most certainly didn’t need to do, I was there to interview her. I think this gesture is so emblematic of what Malala and I went on to discuss. I’ve spoken before on what a controversial word feminism is currently. More recently, I am learning what a factionalized movement it is too. We are all moving towards the same goal. Let’s not make it scary to say you’re a feminist. I want to make it a welcoming and inclusive movement. Let’s join our hands and move together so we can make real change. Malala and I are pretty serious about it but we need you. With love, Emma x#HeNamedMeMalala #notjustamovieamovement Malala Fund Into Film

Posted by Emma Watson on Quarta, 4 de novembro de 2015

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.