10 atrizes que não foram consideradas bonitas o bastante para atuar

Na última sexta-feira (15), J.J. Abrams, criador da extinta série “Alias”, revelou que os executivos por trás do seriado ficaram em dúvida quanto a escolha de Jennifer Garner para o papel principal. Isso porque eles achavam que a atriz não era ‘gostosa o bastante’.

Embora seja frustrante ouvirmos isso em pleno ano de 2016, Jennifer não foi a única a ter seu talento questionado por conta de sua aparência, tampouco ser reduzida a somente isso. Infelizmente, tantas outras atrizes passaram – e ainda passam – pelo mesmo em Hollywood.

É difícil de acreditar que as mesmas mulheres que estão no cinema, na televisão e nas capas das revistas também já tiveram de lidar com críticas sobre seus corpos. Acho que basta ser mulher para ouvir isso, né?

Abaixo estão 10 histórias de grandes atrizes que não foram consideradas ‘bonitas’ para trabalhar em Hollywood:

Jessica Chastain:

jessica-chastain

Jessica Chastain pode ter duas indicações ao Oscar e vários filmes em seu currículo, no qual incluem produções de grande sucesso, como “Perdido em Marte” e “Histórias Cruzadas”, mas ela nem sempre foi a atriz requisitada que é hoje. Isso porque, no começo da carreira, ela não era considerada ‘bonita o bastante’ para os padrões de Hollywood:

“Somente nos últimos cinco anos eu comecei a ouvir que sou atraente”, contou Jessica à revista Telegraph. “Antes disso, eu não conseguia papéis porque as pessoas diziam que eu não era muito bonita.”

Foi dito a ela, inclusive, para se livrar de suas madeixas vermelhas. “As pessoas diziam para que eu pintasse de loiro meu cabelo quando eu comecei a fazer audições. É engraçado como somos definidas pela forma como nos apresentamos”, concluiu a atriz.

Hoje, ela é uma das maiores artistas na indústria cinematográfica e vem emendando vários trabalhos. Não só isso, recentemente Jessica lançou uma produtora ao lado de Queen Latifah e Freida Pinto com o objetivo de lançar mais produções feitas por e sobre mulheres.

Meryl Streep:

Parece inconcebível que alguém tenha rejeitado Meryl Streep para algum papel, mas a verdade é que isso já aconteceu.

Na década de 70, a atriz foi convidada por Federico De Laurentiis a tentar um papel no clássico “King Kong”. No local, o produtor estava acompanhado de seu pai, Dino, o qual não se interessou pela jovem Meryl que estava à sua frente. “Por que você me trouxe essa mulher feia”, perguntou ao filho.

Ele só não contava que ela soubesse italiano. “Desculpe-me se eu não sou bonita o bastante para ‘King Kong'”, rebateu a artista, que hoje é a recordista de indicações ao Oscar e é aclamada pela crítica e pelo público.

Wynona Ryder:

winona-ryder

Wynona Ryder foi uma das queridinhas de Hollywood na década de 90, tendo estrelado diversos filmes de sucesso na época, entre eles “Edward Mãos de Tesoura”, “A Época da Inocência” e “Adoráveis Mulheres”.

Contudo, ela foi mais uma a ouvir que não atendia aos padrões da indústria cinematográfica e até foi desencorajada a continuar atuando.

“Eu estava no meio de uma sentença em uma audição quando a diretora de elenco disse: ‘ouça, criança: você não deve ser atriz. Você não é bonita o bastante'”, lembrou Wynona. “Volte para onde quer que você veio e volte para a escola. Você não tem talento.”

As palavras duras, entretanto, não a impediram de continuar tentando. Ela disse que os pais sempre a incentivaram a perseguir seus sonhos e a ser única.

Lea Michele:

leamichele

Antes de ganhar o mundo com a Rachel, do seriado “Glee”, Lea Michele teve de ouvir que era preciso fazer uma cirurgia plástica para conseguir trabalhar na indústria do entretenimento.

“Quando eu tinha 15 anos, minha mãe e eu fomos conhecer um empresário. Ele disse: ‘você precisa operar seu nariz para que eu possa trabalhar com você'”, recordou a atriz para a Allure. “Minha mãe me disse: ‘Barbra Streisand nunca fez uma cirurgia no nariz. Você não vai fazer.’ E isso foi bem antes que eu soubesse quem era Barbra. Eu só sabia que ela era a messias para garotas como eu.”

Com o passar do tempo, a atriz e cantora aprendeu a amar as partes de seu corpo, apesar de receber o mesmo comentário sobre seu nariz mais de uma vez e que não era ‘bonita’ para Hollywood. “Eu provei que eles estavam errados”, concluiu Lea à Harper’s Bazaar.

Curiosamente, em “Glee”, a personagem de Lea, Rachel, quebra o nariz e considera fazer uma cirurgia plástica. Contudo, assim como sua mãe fez, seus colegas do McKinley High a ajudaram a desistir da ideia utilizando o exemplo de Barbra Streisand. E ambas as moças se deram muito bem, não?

Mindy Kaling:

Mindy Kaling

Hollywood não é uma das indústrias mais amigáveis para mulheres, e é ainda mais cruel com mulheres que não são brancas.

Mindy Kaling, criadora e protagonista de “The Mindy Project” revelou ao jornal Guardian que foi oferecido a ela um programa de esquetes, mas ela precisaria fazer uma audição para o papel que faria de si. Ela foi recusada em seguida, porque não era considerada ‘atraente’ e ‘engraçada’ o bastante.

Segundo conta, a emissora não está mais no ar, mas sentiu-se ‘vingada’ pelo sucesso que a série “The Office” fez. Mindy atuou e escreveu parte do roteiro da atração.

“Sinto que fui vingada, no que diz respeito a karma, mas na época foi horrível.”

Viola Davis:

viola-davis

Viola Davis sabe bem o que é ter de lidar com o machismo e o racismo. Em 2014, quando a série na qual é protagonista, “How To Get Away With Murder”, foi lançada, uma crítica do jornal New York Times, Alessandra Stanley, escreveu um artigo sobre Shonda Rhimes, produtora-executiva da atração, classificando-a como uma ‘negra raivosa’, e teceu o seguinte comentário sobre Viola:

“Como Annalise, a senhora Davis, de 49 anos, é sexual, e até sensual, de uma forma um tanto ameaçadora, mas a atriz não se parece como uma estrela típica de dramas televisivos. Ignorando os padrões restritos aos quais algumas afro-americanas lidam, a senhora Rhimes escolheu uma atriz que é mais velha, de pele mais escura e que possui uma beleza menos clássica do que a da senhora [Kerry] Washington, ou até mesmo Halle Berry, que interpretou uma astronauta na minissérie ‘Extant’.”

Esse comentário decepcionante da jornalista do NYT não foi ignorado por Viola, que o respondeu em sua participação no talk show “The View”.

“Acho que a beleza é subjetiva. Ouvi aquela afirmação minha vida toda. Quando se é uma mulher negra de pele escura, você escuta isso desde que sai do útero. Ter uma beleza não clássica é um termo chique para dizer ‘feia’ e apagar você. Funcionou quando eu era mais nova, mas não funciona mais para mim hoje porque, no final, é você quem se define.”

E quando saiu vitoriosa no People’s Choice Awards, em 2015, ela fez questão de dizer:

“Obrigada, Shonda Rhimes, [produtora] Betsy Beers e [criador] Peter Norwalk por pensarem em uma protagonista que tivesse minha ‘beleza clássica’. Tenho orgulho de ser atriz e estou muito feliz de fazer o que eu faço. Também estou feliz pelas pessoas terem me aceitado nesse papel nessa etapa da minha carreira.”

Também no ano passado, Viola Davis se tornou a primeira mulher negra a ganhar um Emmy Awards na categoria Melhor Atriz em Série Dramática.

Maggie Gyllenhaal:

Maggie Gyllenhaal

Em 2015, Maggie Gyllenhaal expôs como Hollywood trata mulheres que seguem o curso natural da vida: os papéis vão sendo negados. Ela contou ao The Wrap que, aos 37 anos, foi considerada velha para interpretar a amante de um homem de 55 anos. “No início isso me fez sentir mal, depois fiquei com raiva e no final me fez rir.”

E o começo de sua carreira também não foi dos mais fáceis. Num bate-papo com outras atrizes promovido pela revista The Hollywood Reporter, ela lembrou de uma situação nada agradável:

“Quando eu estava começando, eu costumava ouvir muitos ‘nãos’. E ainda escuto. E ouço: ‘você não é sensual o bastante. Não é bonita o bastante.’ Quando eu era mais nova, fiz uma audição para um filme ruim de vampiros. Usei um vestido para a ocasião, o qual achei muito sensual. Então me disseram que não era. Meu empresário da época disse: ‘volte e vista algo mais sexy.’ Então eu coloquei calças de couro, um corpete rosa com estampas de leopardo. Fiz a audição de novo e mesmo assim não consegui o papel. Depois disso, pensei: ‘foda-se isso.'”

Lena Dunham:

4th Annual L.A. Loves Alex's Lemonade Event

Lena Dunham, protagonista e criadora da série “Girls”, é frequentemente criticada por seu peso, mas a atriz e roteirista não dá ouvidos aos haters da internet.

Contudo, após um episódio em que transa com um médico ‘bonitão’, ela se viu no meio de uma enorme discussão sem sentido: muitos reclamaram que a cena era ‘irreal’, uma vez que ela, por ser gorda, jamais conseguiria se envolver com um homem mais velho e atraente.

“Foi o único argumento que eu ouvi: ‘é estranho para mim.’ E eu digo: ‘cara, eu entendo. É estranho beijar um ator que se parece com Patrick Wilson”, contou Lena ao Los Angeles Times. “Eu fico cansada de ter que dizer ‘misoginia’, mas é o que acontece nessa situação. Você não consegue imaginar um mundo em que uma garota está querendo algo sexual e tira um homem de sua concha por dois dias? Eles não estão se casando, estão passando dois dias [transando], o que todo mundo faz.”

Gabourey Sidibe:

"Não sou boa em escutar as pessoas quando me pedem para não ser eu mesma", afirma Gabourey Sidibe

Gabourey Sidibe sabe que não segue nenhum padrão de beleza em Hollywood, e as pessoas fazem questão de lembrá-la disso nas redes sociais. Felizmente, ela não liga para o que as pessoas dizem e faz seu trabalho muito bem.

Entretanto, pouco antes de estourar no filme “Preciosa”, a atriz contou que foi desencorajada a atuar por uma colega de profissão. Num programa de televisão, ela revelou quem foi e o que foi dito:

“Com qual celebridade eu me desapontei? Olha, não é de forma negativa, porque sei que ela teve boas intenções. Conheci Joan Cusack, que é uma das minhas favoritas entre as favoritas – eu a amo -, mas foi antes de eu me tornar [famosa]. Eu estava numa festa da indústria e ela perguntou: ‘você é atriz?’, e eu respondi que sim. Ela disse: ‘Ah, querida, desista desse negócio. É questão de ter consciência de imagem.”

Não sei qual foi a boa intenção por trás do comentário de Joan, mas a indicação de Gabourey Sidibe ao Oscar de 2010 pode ser uma ótima resposta.

Sally Field:

sally-field

Sally Field possui uma longa carreira, repleta de produções de sucesso e prêmios. Ainda assim, como as outras atrizes dessa lista, ela também teve de ouvir que não era ‘bonita o bastante’.

Antes do lançamento do filme “Agarre-me se Puderes”, Sally havia terminado a minissérie “Sybil”, um trabalho muito elogiado.

“Todos diziam: o trabalho está extraordinário, mas… Cara, a Sally Field é feia”, recordou a atriz. “E eu pensava: meu Deus, tudo bem.”

Em um discurso realizado no ano passado, a artista contou que queria construir uma carreira no cinema, após grandes projetos realizados na televisão. Seu agente, contudo, não achou que era uma boa ideia.

“Quando decidi que precisava sair da TV, eu disse a ele: ‘eu não vou mais fazer televisão’, e ele respondeu: ‘isso é ridículo, você não pode fazer isso. Você não vai conseguir entrar no cinema, você não é bonita ou boa o bastante.”

Ela então agiu: demitiu seu agente. Na mesma época, ela se separou do marido, que também não acreditava que ela conseguiria ir para o cinema.

Depois de tantas décadas de vários trabalhos, é seguro dizer que afastar as pessoas que duvidaram de seu potencial foi a melhor atitude que Sally Field tomou.

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.