Uma timeline das acusações de assédio sexual e estupro envolvendo o produtor Harvey Weinstein

18. outubro 2017 Cinema 0
Uma timeline das acusações de assédio sexual e estupro envolvendo o produtor Harvey Weinstein

Desde que o jornal The New York Times fez uma matéria há duas semanas, denunciando abusos sexuais envolvendo o produtor Harvey Weinstein, fundador da The Weinstein Company com o irmão Bob, mais e mais mulheres tiveram coragem para contar suas histórias.

Segundo a publicação, os abusos acontecem há mais de três décadas e eram conhecidos por inúmeras figuras de Hollywood, inclusive dentro do próprio estúdio (o que a empresa nega) comandado por Harvey, mas todos fecharam os olhos para o abuso de poder e violência contra as mulheres.

E se você se pergunta por que, em 30 anos, apenas agora os casos estão sendo compartilhados, é preciso lembrar da dificuldade que mulheres enfrentam para que acreditem em suas palavras. Não é raro que muitas escondam o passado por conta da desconfiança das pessoas ou ainda pelo medo, vergonha e culpa.

Assim que o artigo do NYT saiu, mais mulheres fizeram denúncias, Harvey Weinstein foi demitido de sua própria empresa, sua esposa, a estilista Georgina Chapman, anunciou que irá deixá-lo, celebridades se manifestaram, ele foi expulso da Academia do Oscar e uma conversa urgente e atrasada sobre abuso sexual retornou às pautas de jornais, revistas e sites.

Para melhor entender a história e por que ela é tão problemática, confira uma timeline de denúncias feitas até o momento:

1980: Paula Wachowiak

Estagiária de Harvey Weinstein, Paula Wachowiak revelou ao jornal Buffalo News que conheceu o produtor aos 24 anos, quando era mãe solteira e estudava na Universidade de Buffalo. Trabalhando como assistente de produção, certo dia ela teve de levar alguns cheques para Weinstein assinar. Ao entrar no quarto de hotel onde ele estava hospedado, Harvey teria a recepcionado vestindo apenas uma toalha.

“Ele estava atrás da porta quando ela abriu. Quando eu entrei no quarto, percebi que ele estava com uma toalha de rosto sobre seu quadril”. Paula disse em seguida que ele deixou a toalha cair, ficando completamente nu na frente dela. Depois, ele teria pedido a ela algo que viria a pedir a tantas outras mulheres que assediou: uma massagem nos ombros.

“Isso não está na descrição do meu trabalho”, teria respondido Wachowiak, que saiu do quarto chorando depois que Harvey assinou os cheques.

1984: Tomi-Ann Roberts

Professora de psicologia na Colorado College, Tomi-Ann Roberts era uma atriz aspirante em 1984. No verão daquele ano, ela tentou perseguir seus sonhos e conheceu os irmãos Weinstein, quando ambos ainda tinham o estúdio Miramax. Ela recebeu roteiros e foi convidada para ir a um apartamento de Harvey. Ela o encontrou nu na banheira, pedindo a ela que ficasse sem camiseta.

“O sr. Weinstein estava muito calmo tentando me explicar que, se eu ao menos eu tirasse minha camiseta, isso demonstraria a ele que eu não ficaria com vergonha de fazer o mesmo na frente das câmeras”, recordou Tomi-Ann ao site Democratic Now. Ela saiu do quarto, ligou para o namorado e não tentou mais ser atriz.

Década de 80: Lysette Anthony

Lysette Anthony, uma atriz britânica, fez uma das mais recentes denúncias contra Harvey Weinstein. Ao jornal Sunday Times, a artista contou que conheceu o produtor em 1982. Depois, ambos se tornaram amigos até que ele teria a agarrado em sua casa alugada. Lysette conseguiu fugir, mas não teve sorte em outra oportunidade, quando foi estuprada por ele dentro de sua própria casa. Os abusos, segundo ela contou, continuaram até 2002.

“Ele me empurrou para dentro, me jogou contra o cabide de casacos no meu hall e começou a arrancar meu vestido. Ele estava tentando me beijar e se enfiou dentro de mim. Foi nojento. Eu fiquei com nojo e com vergonha, mas eu estava em casa. Eu achei que devia esquecer todo o incidente terrível. Eu me culpei. Eu era uma idiota por achar que eu e ele éramos amigos”.

Começo dos anos 90: Rosanna Arquette

Em entrevista à revista The New Yorker, que publicou uma extensa matéria com denúncias de mulheres contra Weinstein, Rosanna Arquette revelou que foi ao hotel de Harvey para pegar um roteiro para um filme. Mas o que era para ser um jantar transformou-se em um filme de terror para ela, que foi chamada para ir até o quarto do produtor, o qual estava apenas vestindo um roupão branco. Ele disse que precisava de uma massagem e pegou a mão dela e a colocou sobre seu pescoço. Quando ela tirou sua mão, ele a pegou novamente para colocá-la sobre seu pênis.

“Meu coração estava acelerado. Eu estava em um momento de lutar ou sair dali”, recordou. Ela disse a ele que nunca faria aquilo, para o que ele respondeu que era um erro rejeitá-lo, pois havia conseguido alavancar a carreira de uma atriz e modelo que cedeu aos avanços sexuais dele. “Eu nunca serei essa garota”, disse Rosanna.

Começo dos anos 90: Louise Godbold

Diretora-executiva da organização sem fins lucrativos Echo Parenting & Education em Los Angeles, Louise Godbold escreveu um texto em seu blog sobre seu encontro traumático com Harvey Weinstein no começo dos anos 90.

“Eu também fui uma das jovens mulheres que ele atacou. Os detalhes do que eu soube não são únicos para mim agora: o tour pelo escritório, que se tornou uma ocasião para me prender em uma sala de reuniões, o apelo para uma massagem, suas mãos nos meus ombros enquanto eu tentava me retrair… Tudo isso enquanto eu não queria alienar o homem mais poderoso de Hollywood”.

Começo dos anos 90: Sophie Dix

Sophie Dix, atriz e roteirista, contou ao jornal The Guardian que passou momentos de desespero com Weinstein em um quarto de hotel em Londres.  Era começo dos anos 90 e ela estava animada em ver sua carreira decolar no cinema, mas não foi o que aconteceu depois do encontro com o produtor. Ele a convidou para ver algumas cenas dos filmes que ela havia acabado de gravar, quando tentou abusá-la sexualmente.

“Logo que eu entrei no quarto, percebi que foi um erro terrível. Eu cheguei e lembro de uma conversa sobre massagem e achei muito nojento. Acho que ele me mostrou suas costas largas e achei aquilo horrível. Depois, ele tentou tirar minhas roupas e me derrubar, enquanto eu dizia: ‘não, não, não’. Mas ele era forte. Eu lembro que ele puxava minhas calças e me dominava. Eu sou forte e grande, e corri para o banheiro, onde me tranquei. Fiquei lá por um tempo. Ele ficou quieto. Após uns minutos, eu lembro que abri a porta e o vi olhando para a porta, se masturbando. Fechei a porta de novo e a tranquei. Quando ouvi o serviço de quarto, eu corri para fora”.

Começo dos anos 90: Tara Subkoff

Tara Subkoff disse à revista Variety que Harvey havia oferecido um papel em um de seus filmes para ela, mas ela teria que “retribuir”, caso quisesse o trabalho. Em uma festa em que ele estava, o produtor a fez sentar-se em seu colo. Ao perceber que ele estava com uma ereção, ela saiu dali, porém, em seguida ele a levou para um canto:

“Ficou implícito que se eu não concordasse com o que ele pedisse, eu não teria o papel que já havia sido oferecido a mim, informalmente. Eu ri na cara dele, pois eu estava em choque e muito desconfortável. Eu deixei a festa depois disso”. A atriz completou ainda que sua carreira no cinema foi muito prejudicada, o que levou a buscar trabalhos em outras áreas.

1990: Kate Beckinsale

Kate Beckinsale tinha 17 anos quando conheceu o produtor. Quando foi ao hotel dele, a atriz achava que tratava de um reunião de negócios, mas foi convidada a ir ao quatro de Harvey.

“Ele abriu a porta em seu roupão. Eu era incrivelmente inocente e jovem e não passou pela minha cabeça que esse homem mais velho e nada atraente esperava que eu tivesse qualquer interesse sexual por ele”, revelou Kate em seu Instagram. “Depois de recusar álcool e avisar que teria aula de manhã, eu saí desconfortável, mas ilesa”.

1991: Laura Madden

Antiga funcionária da empresa de Harvey Weinstein, Laura Madden contou ao The New York Times que ele a forçava a fazer massagens nele. Ela também acrescentou que o produtor tinha uma maneira “de fazer com que qualquer pessoa que se recusasse se sentisse mal”.

“Era muito manipulador. Você de questionava constantemente: eu sou a única com esse problema?”

1991: Jessica Hynes

Pelo Twitter, a atriz britânica recordou seu encontro com o produtor.

“Foi oferecido um papel a mim quando eu tinha 19 anos. Harvey Weinstein subiu a bordo e quis que eu fizesse um teste de câmera de biquíni. Eu me recusei e perdi o trabalho”.

1993: Katherine Kendall

Katherine Kendall também contou ao The New York Times que foi assediada pelo produtor. Depois de receber roteiros e ser convidada para uma sessão de cinema, Harvey perguntou à atriz se eles poderiam ir ao hotel dele pegar uma coisa. Mesmo desconfiada, ela acreditou que estaria tudo bem. No quarto de hotel, depois de uma conversa sobre arte, Weinstein apareceu de roupão e pediu a ela uma massagem, ao que ela se recusou a fazer. Ele foi ao banheiro e apareceu nu em seguida.

“Ele me perseguiu, literalmente. Ele não me deixava passar por ele para chegar à porta”, adicionando que ele pediu ao menos para ver os seios dela. “Eu pensava comigo: ‘eu não acredito que você está fazendo isso comigo. Estou muito ofendida. Nós acabamos de ter uma reunião'”.

1994: Gwyneth Paltrow

Com apenas 22 anos, Gwyneth Paltrow conseguiu o papel para o filme “Emma”, um trabalho que impulsionou sua carreira de atriz em Hollywood. Weinstein a convidou para sua suíte em um hotel em Beverly Hills, onde a artista achou que se trataria apenas de uma reunião de negócios. Ao final, Harvey colocou suas mãos em Gwyneth, dizendo que era melhor eles irem para o quarto para receber massagens.

“Eu era uma criança. Eu tinha assinado o contrato. Eu estava petrificada”, disse a atriz ao The New York Times. Ela revelou a situação ao seu namorado da época, o ator Brad Pitt, que confrontou o produtor. Depois Weinstein disse a Paltrow que era preciso manter segredo sobre a situação. “Eu achei que ele fosse me demitir”.

1994: Florence Darel

A atriz francesa Florence Darel também foi assediada por Harvey Weinstein pela primeira vez em 1994. Ela havia atuado em um filme comprado pela Miramax e Harvey Weinstein insistiu em querer vê-la. Florence mentiu que tinha um relacionamento com um ator do mesmo longa, o que afastou o produtor. Porém, no ano seguinte, ele foi a Paris e pressionou o agente da atriz para que ambos se encontrassem. Ela cedeu e o encontrou em um hotel, onde Weinstein pediu a ela que eles fizessem sexo em troca de um filme, ao que ela recusou. Darel, contudo, disse que sua carreira sofreu nos anos seguintes.

1995: Mira Sorvino

Durante o Festival de Cinema de Toronto de 1995, Harvey Weinstein teria feito massagens nos ombros de Mira Sorvino, uma das atrizes que estrelou diversos filmes de seu estúdio.

“Ele começou a massagear meus ombros, o que me deixou muito desconfortável. E, então, ele tentou algo mais físico, como se estivesse me perseguindo”, contou a artista à revista The New Yorker.

1995: Liza Campbell

Liza Campbell escreveu para o jornal Sunday Times como foi seu encontro com Harvey Weinstein no hotel onde o produtor estava hospedado. Ele teria pedido à roteirista que entrasse na banheira onde estava. Ela logo percebeu que a reunião de negócios não aconteceria.

“Eu podia ouvir a batida dos sapatos sendo retirados e senti o choque de que o encontro havia se tornado desprezível” escreveu. Ela conseguiu sair dali, mas disse que levou dias “para se acalmar da raiva” que sentiu.

1996: Judith Godrèche

Em 1996, Harvey Weinstein havia comprado o filme “Caindo no Ridículo”, que havia aberto o Festival de Cinema de Cannes naquele ano. Ele convidou Judith Godrèche para tomar um café da manhã e, depois, teria a convidado para ir para sua suíte para discutir a campanha de marketing da produção e uma possível campanha para o Oscar.

“Eu era tão inocente e despreparada”, disse a atriz francesa ao The New York Times, acrescentando que ele teria se oferecido para fazer uma massagem nela, o que ela rejeitou. “Depois, o que eu sei é que ele estava encostando seu corpo no meu e tirando meu suéter”. Judith conseguiu sair dali e conversou com uma executiva da Miramax, antiga empresa de Weinstein, que disse a ela para não contar nada a ninguém, pois poderia arruinar o lançamento do filme.

1996: Ashley Judd

Também em 1996, o produtor assediou Ashley Judd em um quarto de hotel, onde eles deveriam discutir negócios. Lá, ele teria perguntado se poderia fazer uma massagem nela ou se ela poderia assisti-lo tomar banho.

“Como eu saio desse quarto o mais rápido possível sem alienar Harvey Weinstein?”, recordou a atriz ao The New York Times.

1997: Asia Argento

Para a revista The New Yorker, a italiana Asia Argento disse que foi convidada para uma festa em um hotel na Riviera Francesa, onde estaria Harvey Weinstein. Chegando no local, não havia evento algum. O produtor apareceu vestindo apenas um roupão e pediu uma massagem à atriz, que relutantemente concordou. Em seguida, ele levantou a saia dela e fez sexo oral nela, enquanto ela gritava para que ele parasse.

“[Ele] me aterrorizava e era enorme. Ele não parava, era como um pesadelo. Eu disse ‘não’ a ele várias vezes. É doentio. Um homem grande e gordo querendo comer você. É um conto de fadas assustador”.

1997: Rose McGowan

Em 1997, Rose McGowan e Harvey Weinstein fizeram um acordo na justiça sobre um incidente que havia acontecido naquele ano no Festival de Sundance. Na semana passada, ela acusou o produtor de tê-la estuprado. Pelo Twitter, a atriz escreveu marcando o presidente dos estúdios Amazon, Jeff Bezos o seguinte:

“Eu disse ao chefe do seu estúdio que HW me estuprou. Eu disse isso várias vezes. Ele disse que não tinha provas. Eu disse que eu era a prova”.

1997: Claire Forlani

Pelo Twitter, a atriz britânica Claire Forlani recontou que Harvey Weinstein teria a assediado cinco vezes, mas ela conseguiu fugir dele em todas as ocasiões.

“Nada de fato aconteceu comigo e com Harvey – e com isso eu quero dizer que consegui escapar dele cinco vezes. Eu tive duas reuniões com ele no Hotel Peninsula, e tudo o que me lembro delas é o quanto me esquivei e me esforcei para sair de lá o mais rápido possível sem ser tocada por ele”, escreveu. “Sim, ele me sugeriu massagens. Eu tinha em torno de 25 anos. Eu lembro dele me dizendo o que tinha feito pela carreira das atrizes que tinham dormido com ele. Eu não ia cair naquela, sabia que ele estava me manipulando”.

1998: Zoë Brock

A modelo Zoë Brock é mais mulher que acusa o produtor Harvey Weinstein de assédio sexual. Em 1998, ela o conheceu no Festival de Cannes em uma festa. Depois do evento, Weinstein fez o que fez com tantas outras mulheres: levou Zoë para seu quarto, onde disse que iriam beber mais um pouco com um grupo de amigos dele. O grupo nunca chegou.

“Harvey saiu do quarto, mas não por muito tempo. Ele reapareceu minutos depois pelado e perguntou se eu não faria uma massagem nele”, escreveu a modelo em um texto publicado no Medium. “Eu me lembro ficar pensando quais eram as minhas opções e quanto eu tempo eu precisaria para derrubá-lo e me manter segura”.

Na mesma noite, Brock conseguiu escapar, mas soube também que Harvey fazia o mesmo com outras mulheres. 

1998: Angelina Jolie

Em entrevista ao jornal The New York Times, a atriz Angelina Jolie contou que Harvey Weinstein se insinuou para ela, que rejeitou os avanços do produtor.

“Eu tive uma péssima experiência com Harvey Weinstein e, como resultado, decidi nunca mais trabalhar com ele de novo, e avisei outras. Esse tipo de comportamento contra as mulheres, em qualquer área e país, é inaceitável”.

1998: Zelda Perkins

Produtora cinematográfica, Zelda Perkins também foi assediada por Weinstein. Ela contou ao Daily Mail que chegou a confrontá-lo sobre seu comportamento errático com as mulheres.

“Esse é um sistema que silencia vítimas de todos os tipos de má conduta, protege os poderosos e perpetua o abuso. Isso não está certo”.

Começo dos anos 2000: Heather Graham

No começo dos anos 2000, Harvey Weinstein convidou a atriz Heather Graham para uma conversa em seu escritório. Ele queria que ela estrelasse um de seus filmes, mas a proposta acabou ganhando um novo e indesejado rumo.

“Ele mencionou que ele tinha um acordo com a esposa de que ele poderia dormir com quem ele quisesse, desde que estivesse fora da cidade. Eu saí da reunião desconfortável. Não houve uma menção explícita de que eu teria que dormir com ele para fazer um filme, mas isso estava implícito ali”, contou Heather à revista Variety.

2000: Romola Garai

Com apenas 18 anos, a britânica Romola Garai também foi vítima do assédio de Harvey Weinstein. Ela disse ao jornal The Guardian que havia feito uma audição para um papel, mas teve de fazê-la mais uma vez, mas na frente do produtor.

“Eu fui ao quarto de hotel dele no Savoy e ele abriu a porta com seu roupão. Eu tinha apenas 18 anos e me senti violada. Essa imagem ficou muito clara na minha memória”, recordou a atriz. “Foi um abuso de poder”.

2000: Melissa Sagemiller

Durante as gravações do segundo filme da carreira de Melissa Sagemiller, distribuído pela Miramax de Weinstein. Ele teria assediado ela em três ocasiões. Em uma delas, ele a convidou para o seu quarto de hotel para conversar sobre “alterações no roteiro”, mas não foi o que aconteceu. Melissa tentou sair dali, mas Harvey teria bloqueado a porta e dito a ela:

“Ele disse: ‘bem, você não pode sair até me beijar’. Ele literalmente não me deixava sair. Eu disse que tudo bem e dei um beijo em seus lábios. Ele segurou minha cabeça e me fez beijá-lo. Depois, ele disse: ‘OK, agora você pode ir. Era isso o que eu queria. Apenas faça o que eu digo e você pode seguir seu rumo'”, recordou a atriz ao site The Huffington Post.

2002: Alice Evans

Atriz de “The Vampire Diaries”, Alice Evans contou em um texto publicado no The Telegraph que ter rejeitado Harvey Weinstein teve consequências na sua carreira e na de seu marido, o também ator Ioan Gruffudd. Em uma das noites no Festival de Cannes, ele teria se insinuado para ela e pedido a ela para ir ao seu quarto de hotel.

“‘Vá. Estou atrás de você. Só quero tocar nos seus peitos e beijar você um pouco'”, ele teria dito, ao que Alice negou. “‘Vamos torcer para que tudo dê certo para o seu namorado'”. Ioan perdeu um papel e, tanto ele quanto Evans, nunca mais foram chamados para filmes da Weinstein Company.

2002: Natalie Mendoza

Enquanto gravava “O Grande Ataque”, a atriz australiana Natalie Mendoza recordou no Facebook que foi agarrada por Harvey Weinstein.

“Talvez eu tenha dito ao senhor W, durante um ‘encontro’ de roteiro, que eu o socaria se ele não tirasse suas mãos de mim. Eu tremi por todo o caminho para casa, mas me dei parabéns por reconhecer meu próprio valor quando tinha apenas 20 e poucos anos. Eu sabia que meu primeiro filme seria o último depois daquilo, mas eu estava muito bem com isso”.

2003: Dawn Dunning

Ao NBC News, a atriz Dawn Dunning, disse ter sentido “vergonha” e “humilhação” ao ter se encontrado com Harvey Weinstein.

“Ele cortou o papo e disse: ‘esses são os contratos para meus próximos três filmes. Eu vou assiná-los, mas eu quero que você faça sexo comigo e minha assistente'”.

2003: Trish Goff

A modelo Trish Goff teve um péssimo encontro com Harvey Weinstein em 2003. Ela o conheceu na casa de Anna Wintour, editora-chefe da revista Vogue. Pouco tempo depois, ela recebeu um convite dele para almoçarem em um restaurante. Mesmo nervosa em comer com o produtor, uma vez que ela sabia que ele tinha uma má reputação, Trish aceitou a proposta, acreditando que tudo seria profissional. Porém, ao chegar ao local onde iria almoçar, ela descobriu que eles se sentariam em uma sala privada.

“Então, ele começou a perguntar se eu tinha namorado e se nós estávamos em um relacionamento aberto. Eu disse a ele que não estava interessada em um relacionamento aberto, mas ele estava implacável. Eu continuei tentando pará-lo e seguir em frente. Aí, ele começou a colocar suas mãos nas minhas pernas, enquanto eu dizia a ele: ‘você pode parar com isso?’ Quando nós finalmente levantamos para ir embora, ele começou a me agarrar, agarrar meus peitos, meu rosto e tentou me beijar. Eu continuava dizendo: ‘por favor, pare. Mas ele não parou até que eu consegui voltar ao espaço público”, recordou a modelo para o New York Times.

2004: Lucia Evans

Em 2004, Lucia Evans, então uma atriz iniciante, foi convidada para um teste de elenco para um filme. No local havia várias pessoas, mas ela foi logo levada para uma sala onde só havia Harvey Weinstein. Ele logo começou a elogiá-la e a diminuí-la, dizendo que ela deveria perder peso. Em seguida, ele falou a ela sobre dois roteiros distintos e que um de seus funcionários falaria com ela. Em seguida, Weinstein a estuprou.

“Foi naquela hora que ele me violentou. Ele me forçou a fazer sexo oral nele”, contou Lucia à revista The New Yorker, acrescentando que se negou a fazer isso, mas que ele tirou seu pênis de sua casa e forçou a cabeça dela para seu membro. “Eu disse várias vezes: ‘eu não quero fazer isso, pare. Não’. Eu tentei fugir, mas talvez eu não tenha tentado muito. Eu não queria chutá-lo ou lutar contra ele. Ele é um homem grande e tinha mais força do que eu. Eu desisti. Essa é a pior parte disso e é assim que ele conseguiu fazer isso por tanto tempo com tantas mulheres: as pessoas desistem e depois sentem que é culpa delas”.

2005: Lena Headey

A Cersei de “Game of Thrones” também acusou Harvey Weinstein de assédio em duas ocasiões. Em uma delas, ele tentou levar a atriz para seu quarto em um hotel para dar a ela um “roteiro”. Contudo, sentindo que ele iria fazer movimentos inapropriados contra ela, Lena Headey disse:

“‘Eu não estou interessada em nada a não ser trabalho. Por favor, não pense que eu entrei aqui com alguma outra razão, nada vai acontecer’. Eu não sei o que me possuiu para eu falar aquilo, mas eu tinha um senso forte de ‘não chegue perto de mim’. Ele ficou calado depois que eu disse isso, furioso. Nós saímos do elevador e andamos até seu quarto. Ele me empurrava com as mãos nas minhas costas, sem falar nada. Eu me senti completamente sem poder nenhum. Ele tentou entrar mas sua chave falhou. Então ele ficou realmente raivoso. Ele pegou em meu braço, apertado, e me conduziu de volta para o elevador e até a recepção do hotel. Pagou pelo meu carro de volta e sussurrou no meu ouvido: ‘Não conte isso para ninguém, nem seu empresário’. Eu entrei no carro e chorei.”

2008: Louisette Geiss

Atriz e produtora, Louisette Geiss disse em uma coletiva de imprensa que Harvey Weinstein a assediou enquanto ela apresentava um filme para o Festival de Cinema de Sundance, em 2008. Eles estavam no escritório dele, quando o produtor pediu licença para ir ao banheiro. Ele saiu de lá apenas de roupão e pediu que ela terminasse de falar sobre o roteiro que havia escrito.

“Quando eu terminei minha apresentação, ele pediu que eu o assistisse se masturbar. Eu disse a ele que iria embora. Ele rapidamente saiu de sua banheira. Enquanto eu pegava minha bolsa para ir embora, ele agarrou meu antebraço e me puxou para o seu banheiro e pediu para que eu o assistisse se masturbar. Meu coração estava acelerado e eu estava com medo”.

2008: Sarah Ann Masse

Sarah Ann Masse era atriz e estava sendo entrevistada pela equipe de Harvey Weinstein para trabalhar como babá dos filhos do produtor com sua primeira esposa. Depois da entrevista com as assistentes dele, ela foi convidada para conversar diretamente com ele, na casa de Weinstein em Connecticut. Lá, Sarah relembra ter sido recepcionada pelo próprio produtor, que estava vestindo apenas uma camiseta e cueca.

“Meu primeiro pensamento foi: ‘isso é esquisito. Talvez ele tenha se esquecido que teria uma entrevista. Talvez ele tenha pensado que era o homem do correio. Tenho certeza que ele ficará com vergonha, pedirá desculpa e irá se trocar’. Mas isso não aconteceu”, ela disse à revista Variety.

2008: Vu Thu Phuong

Pelo Facebook, a atriz vietnamita Vu Thu Phuong contou que havia sido escalada para o filme “Conspiração Xangai”. Sua participação no longa foi pequena e Harvey Weinstein a chamou para conversar sobre projetos futuros. Porém, o encontro não foi como ela esperava.

“Tudo ficou sombrio repentinamente quando vi o senhor Harvey parado e sorrindo na minha frente, com apenas uma toalha em volta de sua cintura”, recordou. Ela disse ainda que ele tinha um papel para ela que envolvia cenas de sexo e se ela estava preparada para praticá-las. “‘Eu posso ensiná-la, não se preocupe. Muitas estrelas fizeram isso'”, teria dito Weinstein. “‘Apenas trate isso como experiências necessárias para que você tenha uma base forte no futuro'”.

Vu Thu Phuong se negou a realizar tais atos e abandonou a carreira de atriz depois do episódio.

2010: Emma De Caunes

Emma De Caunes, uma atriz francesa, contou à revista The New Yorker que, em 2010, Harvey Weinstein ofereceu a ela um papel em um filme que produziria na França, o qual era a adaptação de um livro. Ao perguntar o nome da obra, ele disse ter esquecido, mas que o tinha em seu quarto de hotel. No local, ele deixou Emma sozinha e foi ao banheiro. Quando saiu de lá, ele estava completamente nu e com uma ereção. Ele mandou que ela se deitasse na cama, como muitas outras mulheres já tinham feito.

“Eu estava petrificada, mas não queria demonstrar isso a ele, porque eu pude perceber que, quanto mais nervosa eu ficava, mas isso o excitava. Era como um caçador com um animal selvagem. O medo o deixa animado”, disse. A atriz disse que iria embora, ao que ele replicou em pânico: “‘Nós não fizemos nada! É como se estivéssemos em um filme da Disney!’ Eu olhei para ele, peguei toda a minha coragem, e disse: ‘Eu sempre odiei os filmes da Disney’. E, então, eu saí. Eu bati a porta”.

2010: Myleene Klass

Apresentadora de TV, Myleene Klass revelou ao jornal The Sun que Harvey Weinstein teria oferecido a ela um contrato de sexo, acreditando que ela queria transar com ele. Ela se negou a assinar e mandou ele se ferrar.

“O relações públicas dele veio até mim com um contrato de confidencialidade. Eu pensei comigo mesma: ‘meu Deus, coitada da esposa dele’. Eu não quero destruir lares'”.

2010-2011: Eva Green

Segundo a Variety, a mãe da atriz Eva Green havia comentado sobre as atitudes de Harvey Weinstein com sua filha, o que levou a própria artista a se manifestar brevemente sobre sua experiência.

“Eu o conheci em uma reunião em Paris, na qual ele se comportou de forma inapropriada e eu tive de empurrá-lo. Eu saí dali, mas a experiência me deixou chocada e enojada. Eu não discuti isso antes, pois queria manter minha privacidade, mas eu entendo que é importante fazer isso enquanto ouço o que as outras mulheres viveram. As mulheres são frequentemente condenadas por se manifestarem e suas reputações são manchadas pela associação”.

2011: Jessica Barth

Jessica Barth é atriz e produtora, e contou à CNN que Harvey Weinstein queria que ela participasse de um novo filme de Sarah Jessica Parker. Eventualmente, ele pediu a ela que fizesse uma massagem nele.

“‘Que tal se nós bebêssemos champanhe, eu tirasse minha roupa e você me fizesse uma massagem?’ Eu disse a ele que isso nunca iria acontecer. Houve uma discussão entre nós, eu bati meu pé e disse que jamais trocaria favores sexuais para alavancar minha carreira”.

2011: Lupita Nyong’o

Em um artigo publicado no The New York Times, Lupita Nyong’o contou que conheceu Harvey Weinstein em 2011, em Berlin, quando estudava em Yale. Na época, ela esperava que ele pudesse considerá-la para papéis em projetos futuros. Quando se conheceram, o produtor mandou um carro para buscá-la. Eles iriam assistir a um filme na casa dele depois de jantarem em um restaurante. No local, ele teria insistido para que ela bebesse bebidas alcoólicas, mas Lupita se negou e ouviu que era “mimada”.

 

Na casa de Harvey, depois de apenas 15 minutos de filme, ele levou a atriz para seu quarto para mostrar algo a ela. Lá, ele disse que queria fazer uma massagem nela.

“Eu entrei em pânico e pensei rapidamente em oferecer a ela uma massagem. Isso me daria controle físico para saber exatamente onde as mãos dele iriam. Ele concordou e deitou na cama. Eu comecei com uma massagem nas costas para ganhar tempo”, disse. Porém, em seguida, Weinstein disse que queria tirar suas calças e ela pediu para que não fizesse isso. Como o produtor o fez de qualquer maneira, ela foi embora.

Tempos depois, Lupita recebeu um email dele, convidando-a para ver um filme e tomar algo em Tribeca. Mas logo que chegou, ela ouviu dele:

“‘Vamos cortar o papo furado: eu tenho um quarto no andar de cima onde nós podemos terminar nossa comida'”. Ela pediu a ele que comessem no restaurante, mas ouviu que não deveria ser tão “inocente”. “Se eu queria ser atriz, eu devia fazer esse tipo de coisa. Ele disse que namorou atriz X e Y e veja onde elas estão hoje”. Ela recusou e escutou dele: “‘Acabamos aqui. Pode ir embora'”.

2012: Léa Seydoux

A atriz francesa Léa Seydoux foi assediada por Harvey Weinstein e relatou tudo em um texto para o jornal The Guardian. Ela contou que conheceu o produtor em um desfile de moda, onde ele a convidou para conversar depois do evento. A artista contou que, durante todo o tempo, percebeu que Harvey parecia ter outras intenções. Mais tarde, ele a levou para seu quarto em um hotel.

“Nós estávamos conversando no sofá quando ele, de repente, pulou em cima de mim e tentou me beijar. Eu tive que me defender. Ele é grande e gordo, então, eu tive que ter força para resistir a ele. Deixei o quarto completamente enojada. Porém, eu não tive medo dele, porque eu sabia o tipo de homem que ele era o tempo todo”.

2014: Emily Nestor

Emily Nestor foi uma funcionária temporária de Weinstein, que foi convidada por ele a trocar sexo por ajuda em sua carreira, segundo informa o jornal The New York Times.

2015: Ambra Battilana Gutierrez

De acordo com a revista The New Yorker, Ambra Battilana Gutierrez foi agarrada por Harvey Weinstein, que confessou em uma gravação de áudio feita pela polícia de Nova York o que tinha feito, dizendo que seu comportamento era “costumeiro”.

2015-2017: Cara Delevingne

Pelo Instagram, Cara Delevingne relatou a sua história, encorajando outras mulheres a fazer o mesmo. Ela começou dizendo que, certa vez, Harvey Weinstein ligou a ela, perguntando se ela estava saindo com as mulheres com quem era vista na mídia. Ela não respondeu, mas ouviu dele que, caso fosse lésbica, ela jamais faria sucesso em Hollywood. Alguns anos depois, após uma reunião com ele e um diretor sobre um futuro filme, Cara foi convidada a ir para o quarto do produtor, onde havia mais uma mulher. Ele queria que ambas se beijassem na sua frente, o que a artista se negou a fazer.

“Ele me levou até a porta, parou na frente dela e tentou me beijar na boca. Eu parei ele e consegui sair do quarto. Eu ainda consegui o papel do filme e sempre pensei que ele o deu para mim por conta do que aconteceu”.

2015-2017: Lauren Sivan

A repórter de TV Lauren Sivan fez um relato perturbador sobre seu encontro com Harvey Weinstein em um restaurante. A princípio, ela o achou educado, mas sua impressão mudou quando ele a levou para uma parte vazia do local, onde a encurralou e tentou beijá-la sem sucesso.

“Foi aí que ele bloqueou a entrada, ou melhor, a saída para mim, e disse: ‘bem, então fique quieta no seu lugar'”, recordou a jornalista, acrescentando que ele colocou seu pênis para fora da calça e começou a se masturbar”.

2015-2017: Angie Everhart

Durante um festival de cinema europeu, a modelo Angie Everhart dormiu em um iate, o mesmo onde estava Harvey Weinstein. Ao programa de rádio Frosty, Heidi e Frank, ela disse que acordou com o produtor em cima dela e se masturbando.

“Do nada, ele abaixa suas calças e começa a fazer suas coisas. Ele bloqueou a porta e eu não consegui sair. E ele… Eu não sei como dizer isso no rádio, mas ele terminou o que fazia no tapete do chão”.

2015 – 2017: Mia Kirshner

Mia Kirshner, uma atriz canadense, foi mais uma artista a ter uma experiência terrível com Harvey Weinstein. Em um artigo assinado por ela no The Globe and Mail, Mia não quis entrar em mais detalhes sobre o que teria acontecido com o produtor, mas pediu que mais ações fossem tomadas contra o abuso sexual no ambiente de trabalho.

“Ele tentou me tratar como um móvel que ele poderia comprar com a promessa de trabalho em troca de ser seu orifício descartável”, escreveu a atriz.

2015-2017: Minka Kelly

Pelo Instagram, a atriz Mika Kelly contou que Harvey Weinstein teria oferecido a ela papéis em filmes em troca de favores sexuais. A princípio, ele teria pedido a ela que o encontrasse em um quarto de hotel, mas como se negou a isso, ambos foram a um restaurante comer com uma assistente do produtor. Depois que ela se levantou, Harvey teria dito a Mika:

“‘Eu sei que você sentiu o mesmo que eu quando nos encontramos naquela outra noite’. E, então, me fez ofertas de uma vida extravagante, cheia de viagens ao redor do mundo em jatinhos particulares etc CASO eu fosse sua namorada. Ou: ‘nós podemos manter uma relação profissional’. Tudo que eu sei é que eu não queria ofender esse homem poderoso e quis sair daquela situação o mais rápido possível. Eu disse a ele que estava lisonjeada, mas queria manter as coisas de maneira profissional. Ele disse: ‘Certo. Eu confio que você não dirá a ninguém a respeito disso'”.

2015-2017: Jennifer Siebel Newsom

Criadora do projeto Miss Representation, Jennifer Siebel Newsom escreveu um artigo para o Huffington Post sobre sua experiência com Harvey Weinstein, dizendo que acreditava em cada palavra escrita contra ele, pois ela mesma havia vivenciado um terror parecido com o produtor.

“Eu era inocente, nova na indústria e não sabia como lidar com os avanços agressivos dele: convites de trabalho com uma amiga até tarde da noite no Festival de Toronto, e depois um convite para encontrá-lo para discutir um papel em um hotel, onde uma equipe estava presente e, repentinamente, desapareceu como um relógio, deixando-me sozinha com essa lenda de Hollywood extremamente poderosa e intimidadora”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *