The Voice – Season 8: os candidatos salvaram a temporada

The Voice – Season 8: os candidatos salvaram a temporada

*Por Jean Gemeli

Acostumados, ou não, acompanhar reality show não é uma tarefa fácil. Será 8 em 10 vezes que o teu favorito nem chegará na final, e quando chega, ele não vence. E vamos logo culpando: “Estados Unidos não sabe votar!”. Bom, não sei de quem é a culpa, mas gosto não se discute muito, né?

the voice season 8 candidatos

Então, poderia começar contando que as minhas favoritas não chegaram à final. No entanto, vou me manter no que o “The Voice” fez de melhor nessa temporada. Sim, mesmo com muitos tropeços, e raiva, o programa em si não teve tanta culpa de muita gente boa ir embora cedo. Se temos algo para dizer é que esse time de candidatos se não foi o melhor, foi um dos melhores que o programas já teve.

Mia Z – Ain’t No Sunshine (Live Playoffs)

Começando por Mia Z. É indiscutível que essa garota de 15 ANOS ( isso mesmo, 15 anos), tem poder vocal imenso. Combinação entre Jazz e Blues balanceada, ela saiu no Top 12. Muito cedo, mas Mia Z e o seu whistle (aquele assovio bem fino que Mariah Carey é conhecida por) encantaram o treinador Pharrell. Na noite que foi eliminada, Mia Z, que é comparada com Amy Winehouse, correu e escreveu uma música original que acabou ganhando clipe produzido pelo “The Voice”: “Child“. Mas ela ainda tem que trabalhar muito em pronunciar as palavras, o que a deixaria mais “vendável” e “acreditável”.

Meghan Linsey – Girl’s Crush (Top 12)

Segunda colocada, Blake, um dos treinadores, não virou para ela nas Audições. No entanto, ele conseguiu roubá-la de Pharrell durante as batalhas. O mais interessante é que Meghan já fez sucesso quando formava o dueto “Steel Magnolia”, e já conhecia Blake. Com a força da música country com ela, foi longe na competição. E merecido. O alcance da voz dela é grandioso. Outra coisa que temos que destacar nessa temporada, são as apresentações. O palco que foi usado em “I’m Not the Only One” ficou maravilhoso. Acredito que com um bom contrato, ela possa fazer um bom sucesso no gênero.

Koryn Hawthorne – Make It Rain (Top 10)

Muita gente acha que ela só consegue fazer um tipo de música. Concordo em partes. Músicas mais agitadas, e de certa forma alegres, ela não consegue o mesmo sucesso. A garota de 17 anos também pulou de times, foi de Xtina para Pharrell, que fez um ótimo trabalho. Conseguiu chegar à final com um segredo: drama. Apostou nas músicas certas com carga emocional elevada e “acreditável”. Ponto para o arranjo das músicas, sempre tentando ser diferente das originais.

India Carney – Earth Song (Semifinal)

https://youtu.be/GVqXi7LUJNs

India Carney foi indo de eliminação a eliminação, e conseguiu chegar à quinta posição. Com treinamento vocal perfeito, e carga emocional ELEVADÍSSIMA, ela chamou atenção. Podemos notar nas super produções que faziam nas apresentações dela, uma característica dessa temporada. India será lembrada pela voz que se encaixa em qualquer trilha sonora, como dizia Pharrell. Escuta essa de “Glory”. É possível sentir na pele a emoção que ela canta.

Kimberly Nichole – House Of Rising Sun (Top 12)

Chegamos finalmente ao caso Kimberly Nichole. A candidata, rock bailarina, como se definia, era do time de Pharrell, mas nas batalhas foi eliminada e roubada rapidamente por Xtina. E daí em diante, só foi glória. O trabalho que essas duas fizeram juntas, nunca foi visto no “The Voice”. Era tudo tão perfeito, encaixado, pensado. Kimberly não subia no palco apenas para entregar os melhores vocais da noite, ela subia para destruir. Não deixava rastro, nem possibilidade de encaixar algum defeito. Sempre recebendo aplausos longos e em pé de todos os jurados, a rock girl foi fácil para o topo. Quando ficou no bottom 2, junto com a companheira de time, India Carney, parecia tão irreal. O que pareceu mais irreal foi ela sair naquela noite, chegando apenas Top 6, quando merecia muito mais. Vale também assistir: a emocional “What’s Up”; e “Creep”; o bottom 2 “Seven Nation Army”; e a performática “Dirty Diana”. Praticamente tudo.

Sowyer Fredericks – I Am a Man Of Constant (Blind Audition)

Bom, quem levou o grande troféu foi o menino Sowyer. Um menino mesmo, 16 anos. Com cabelo longo e sedoso, uma voz ríspida e característica, o garoto foi longe. Entrava semana, saía semana, ele estava no topo de iTunes. Com um sorriso encantador, e com uma a bela e única voz, Sawyer foi o candidato que não reclamamos por ter ganho. Merecido, e esperamos que tenha muito sucesso. Afinal, algo que o “The Voice” peca muito. Tem ótimos candidatos, mas não temos sucessos, tanto em vendas, quanto em premiações.

E termina mais uma temporada do “The Voice”. Uma evolução enorme, em termos de produção, palco, e engajamento. O programa é o rei de audiência atual. Já os candidados, mostraram porque realmente eles tem “a voz”. Poder vocal foi marcante nessa temporada. E sem dúvida, os melhores lives do programa. Vozes/arranjos/sonoridade/batidas diferenciadas, fizeram que TODOS os candidatos lutassem como nunca pela chance de um lugar na final. Infelizmente não foi dessa vez que Xtina levou seu time à vitória, e olha que ela tinha a maior chance com Kimberly e India. Alguns tropeços, alguns deslizes, mas essa temporada do “The Voice” teve algo bom sim: OS CANDIDATOS.