Podemos finalmente concordar que Steve foi o melhor personagem da segunda temporada de “Stranger Things”?

Podemos finalmente concordar que Steve foi o melhor personagem da segunda temporada de “Stranger Things”?

Mais de sete meses depois da estreia da segunda temporada de “Stranger Things”, acho que finalmente podemos concordar que Steve (Joe Keery) foi o melhor personagem do seriado naquele ano. SIM. STEVE. HARRINGTON.

E se você ainda não havia pensado sobre isso, aqui estou eu com todos os recibos para sustentar minha afirmação.

Na primeira temporada, quando conhecemos o garoto, ele era um típico menino de colegial: convencido, grosso, insensível, ciumento e ainda fazia bullying com os outros. Era impossível simpatizar com ele. Por exemplo, quando Nancy (Natalia Dyer) ficou preocupada com o desaparecimento repentino de sua melhor amiga Barb (Shannon Purser), e ele diminuiu os sentimentos dela, dizendo que ela só estava sendo “paranoica”. E isso sem falar que, ainda no primeiro ano de “Stranger Things”, ele e seus amigos picharam “vagabunda” pela cidade, em referência a Nancy, apenas pelo fato de que ele a viu com Jonathan (Charlie Heaton).

Que tipo de namorado faz isso? Não dava mesmo pra defender o cara.

Mas na segunda temporada, o rapaz teve sua redenção, em um arco muito bem trabalhado pelos irmãos Duffer, criadores e roteiristas de “Stranger Things”.

Ao final da primeira temporada, é seguro dizer que todos nós ficamos em choque que Nancy tenha terminado a série ao lado de Steve. Porém, logo no primeiro episódio do segundo ano, o garoto se mostra um pouco diferente. Ele ainda não leva tão a sério a tristeza da namorada pela morte de Barb, mas aceita jantar na casa dos pais da menina ao lado de Nancy. Você pode pensar, com todo direito, de que ele não fez mais do que sua obrigação, mas o Steve do primeiro ano jamais faria isso.

E, então, um evento importante acontece e muda toda a sua trajetória na atração: ele e Nancy terminam o namoro. Depois de beber todas em uma festa de Halloween, a menina diz que não o ama e parte o coração de Steve. Embora pareça triste, foi positivo para ambos o fim do relacionamento, pois os dois não funcionavam juntos. Nenhum deles iria admitir isso, mas eu estou aqui para dizer que tanto ela quanto ele mereciam mais do que estavam dando um para o outro.

Sozinho e sem muitas perspectivas para o futuro, era possível que Steve tivesse seu papel reduzido na trama, mas não foi o que aconteceu, graças a Dustin (Gaten Matarazzo). O menino precisava de ajuda para encontrar Dart, mas nenhum dos seus amigos estava disponível para acompanhá-lo nessa missão. Porém, Steve estava, e os dois formaram uma das melhores amizades que nós já pudemos assistir em um seriado.

Um acolhe o outro e, juntos, eles saem em busca da criatura perdida e criam uma laço poderoso até o último episódio. Steve dá a Dustin péssimos conselhos sobre como conquistar meninas e até revela a ele seu maior segredo: a fórmula mágica para deixar seu cabelo bonito (é o spray da Farrah Fawcett). É um dos momentos mais bonitos e divertidos da temporada, e tudo se deve à ótima química entre Joe Kerry e Gaten Matarazzo.

Logo em seguida, a dupla encontra Max (Sadie Sink) e Lucas (Caleb McLaughlin) em um ferro velho, onde pretendem capturar Dart. Eles não conseguem, mas Steve demonstra todo seu heroísmo ao tentar enfrentar não apenas um, mas vários demogorgons que aparecem no local, colocando sua própria vida em risco para proteger as crianças.

Depois disso, o rapaz tem todas as crianças sob suas asas e decide tomar conta de todas elas com o maior zelo possível, como quando elas planejam enfrentar uma turma de demogorgons mais uma vez, e Steve se opõe. E ele se opõe veementemente contra a ideia, colocando as mãos na cintura e um pano de prato nos ombros, como se fosse uma mãe dando bronca nos filhos. 

E se isso ainda não fosse o bastante, ele bate e apanha muito de Billy (Dacre Montgomery), para defender Lucas do ataque do rapaz racista. Eventualmente, as crianças acabam indo ao túnel, mas Steve não permite que nenhuma delas vá na frente. “Se algum de vocês morrer aqui embaixo, a culpa será minha”, ele diz. E com o um taco de baseball na mão cheio de pregos, o cara lidera o grupo, protege a todos e ainda se certifica de que todos saiam antes dele de lá quando as coisas começam a ficar extremamente perigosas.

“Eu posso ser um péssimo namorado, mas sou uma ótima babá”, é o que ele diz a Nancy no quintal da família Byers, reconhecendo seus defeitos e qualidades. Com certeza, o Steve da primeira temporada é algo para ser deixado no passado. E mesmo depois do perigo ter acabado e ninguém mais correr risco nenhum, o garoto se mostra preocupado com os meninos, especialmente Dustin, dando carona a ele para o baile de fim de ano. O olhar de Steve para seu novo amigo é muito similar ao de um pai orgulhoso ao ver seu filho crescer. 

Por fim, vale a pena destacar que mesmo podendo tentar convencer Nancy a voltar com ele, o rapaz aceita o fim da relação sem ficar insistindo ou brigando com a ex-namorada. No final, ele pode não ter ficado com o coração da menina que ama, mas ele ficou, com certeza, com o de todos nós.