Silvio Santos, Faustão e a piada racista sem graça

10. novembro 2014 Televisão 0

No último sábado (8), o SBT transmitiu ao vivo, o Teleton. O apresentador e dono da emissora, Sílvio Santos, comandou a atração, e fez uma pergunta racista à jovem atriz negra, Júlia Olliver, da nova geração das Chiquititas:

Se você não quer assistir ao vídeo, resumo  o diálogo: Sílvio Santos perguntou a todo o elenco da novela o que cada um gostaria de fazer quando crescesse. Júlia respondeu de imediato “Ou eu vou ser atriz ou vou ser cantora”. O apresentador debochou perguntando “Com esse cabelo?”. A cara de espanto da garota diz tudo: o que há de errado com o cabelo dela?

julia olliver teleton silvio santos

Quem não se lembra do Faustão, em abril deste ano, durante seu programa, referindo-se a dançarina da cantora Anitta, Arielle Macedo, como ‘aquela de cabelo de vassoura de bruxa’? Aos que não veem racismo na fala do apresentador, peço que procurem uma piada sobre cabelos lisos. Caso não encontre, aviso de antemão: não é mera coincidência.

Esse racismo cordial do brasileiro, já institucionalizado, reforça o quanto ainda não somos um país que trata negros e brancos de forma igual. Sílvio Santos e Faustão foram racistas, sim, pois trataram de forma pejorativa um traço comum dos negros: o cabelo. O ativista Romário Régis, escreveu em seu Facebook, condenando a fala de Fausto Silva. Em um dos parágrafos, sintetizou bem a questão do cabelo afro:

“[…] vai no entendimento de que um Black Power não é só um cabelo, mas sim uma representação de identidade coletiva e individual.”

Não foi uma brincadeira o que aconteceu no último sábado, mas um reflexo de nossa cultura racista dando às caras, mais uma vez, num programa de televisão, reforçando a ideia de que o cabelo afro possui menos valia do que o liso, este que é estampado nas revistas de beleza, nas passarelas e está na cabeça das protagonistas das novelas.

A fala de Sílvio Santos repercutiu tanto, que a própria Júlia foi às redes sociais mostrar que é mais forte do que é dito sobre seu cabelo:

julia_olliver_instagram

Isso mesmo, Júlia. Seu cabelo não é ruim. Ruim é o racismo da sociedade. Como cantam Emicida e Elisa Lucinda, na faixa ‘Milionário do Sonho’, do álbum ‘O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui’:

“Rual foi o idiota que concluiu que meu cabelo é ruim? Qual foi o otário equivocado que decidiu estar errado o meu cabelo enrolado? Ruim pra quê? Ruim pra quem?”

Tags:


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *