Recalculando a rota…

Recalculando a rota…

Sabe aquele dia em que a vida te dá uma rasteira? Você começa o dia bem, coloca uma música animada logo de manhã, começa a planejar tudo o que vai fazer e, de repente, uma notícia ruim chega? Chega sem avisar, dá aquele tapa na sua cara e depois vai embora. Tem hora que o baque é tão forte, dependendo do que for, te tira o chão. Já passou por isso, né? Acho que já, deve acontecer com todo mundo…

Foi bem o que aconteceu comigo. Eu tava esperando um email, tava naquela expectativa, mas não veio o que eu queria. Foi o suficiente para chorar um pouco, pensar no que fazer, me fechar para o mundo. Cada um reage de uma maneira a uma notícia ruim. Eu choro um pouco, ligo aquela música fossa, não falo com ninguém e fico remoendo tudo por dentro. Não ajuda em nada e só demonstra como eu sou imaturo e acho que até mimado. Sabe criança que fica fazendo manha quando escuta um “não”? Então, sou eu. Percebi isso hoje.

O que acontece, é que há coisas que nós não temos controle. Nem sempre vai dar para controlar o que vai acontecer: o aumento pode não sair, a(o) paquera pode começar a namorar outro(a), o emprego dos sonhos pode ir para outra pessoa… Enfim, não dá para bater o pé e ficar chateado por cada coisa ruim que acontece na vida. Em algum momento, algo ou alguém vai te decepcionar.

É importante se dar um tempo para pensar, refletir, mudar a rota… Não to dizendo que não é para se sentir mal. Você é um ser humano e não uma máquina. É normal, mas o importante é saber levantar, tirar alguma lição (se tiver alguma) e tocar a bola para frente. Quanto tempo você tem para mudar a rota? 5 minutos? 1 hora? 1 dia todo? Leve o tempo que for, mas o mundo não vai parar e esperar você se recompor. Por isso, é importante que você se permita viver a expectativa frustrada, mas que faça algo a respeito. O aumento não saiu? Já tentou procurar outro emprego? A paquera tá ficando com outro? Que tal procurar outra pessoa ou até mesmo aproveitar sua própria companhia ou a dos amigos? O emprego não apareceu? Continue tentando. Mas mantenha-se em movimento. Tem quem não se abala por coisas ruins e já está pronto para outra. Mas se você é como eu e ainda não aprendeu essa técnica de estar sempre pronto para a próxima batalha, o negócio é passar pelo tempo da dor e depois traçar uma nova rota e tentar de novo.

tem gente que e assim, né?
tem gente que é assim, né?

Mudar a rota pode parecer complicado, porque você já tinha uma expectativa anterior. Muitas vezes já contava com alguma coisa e acabou não dando certo. Mas procurar outro objetivo, levantar-se depois da queda é o que nos define. Cada um lida de uma forma, mas sempre precisamos seguir em frente, afinal, o mundo não para nós. Não somos mais crianças que não sabemos ouvir um não. Ainda pode ser difícil ouvir um, mas não dá mais para ficar chorando e virar a cara para o mundo por conta disso. A vida vai continuar seguindo. Sempre.

Eu só consegui fazer essa análise hoje, por conta do tempo de terapia que eu fiz no ano passado. Percebi como eu ajo feito criança porque não consigo algo. Isso e ruim, não tenho mais idade para isso. E ainda assim, resolvi escrever sobre o assunto. É como uma forma de colocar para fora. Às vezes, tem mais gente passando pelo mesmo, que está na dificuldade de lidar com alguma coisa. Mas é isso: aceite que você não tem controle de tudo, que nem tudo vai sair como o planejado; tenha seu momento de viver a dor, reflita e siga em frente, porque é só para frente que a vida vai. Uma grande amiga minha leu uma frase para mim, que me fez refletir muito hoje: “A vida é como andar de bicicleta. Para ter equilíbrio você tem que se manter em movimento”. Portanto, continue se movimentando. Todos nós. Porque quando a notícia boa chegar, e sem avisar, que é melhor ainda, saiba desfrutá-la e viva cada minuto dela. Poste até no Facebook, se quiser. Porque essa sim merece todo o seu tempo. Enquanto ela não chega, recalcule a rota no seu GPS interno e siga em frente. Sempre.

recalcular a rota


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *