Rachel Weisz e Rachel McAdams vivem um forte e proibido amor no trailer de “Disobedience”

06. Fevereiro 2018 Cinema 0
Rachel Weisz e Rachel McAdams vivem um forte e proibido amor no trailer de “Disobedience”

Depois do elogiado e indicado ao Oscar “Uma Mulher Fantástica”, o chileno Sebastián Lelio volta a dirigir um filme com protagonistas LGBT. Trata-se de “Disobedience”, cujas personagens centrais são interpretadas por Rachel Weisz e Rachel McAdams, e marca a estreia do cineasta em produções de língua inglesa.

No longa, adaptado do livro de mesmo nome da escritora britânica Naomi Alderman, acompanhamos o retorno de Ronit (Weisz) à comunidade judaica que foi obrigada a deixar para trás por suas ‘transgressões’. De volta após a morte de seu pai, ela revê Enit (McAdams), sua amiga de infância e com quem teve um relacionamento intenso no passado.

As duas reacendem essa antiga paixão proibida, mas o ambiente religioso e o marido de Enit, Dovid (Alessandro Nivola), tornam difícil para que ambas possam viver com liberdade. Assista ao trailer:

Para fazer “Disobedience”, Sebastián Lelio, que também assina o roteiro da obra, junto de Rebecca Lenkiewicz, revelou que pediu a ajuda de membros de uma comunidade judaica ortodoxa, a fim de montar o ambiente religioso, que serve de pano de fundo para a relação das duas mulheres. Mas, assim que as gravações começaram, o trabalho dos consultores terminou.

“Eu precisava encontrar meu próprio caminho através das emoções dessa história”, disse o chileno ao Indie Wire. Ele acrescentou que também pediu o apoio de amigas lésbicas para montar a cena de sexo entre Ronit e Enit. “Eu perguntava a elas: ‘você faria isso? Você faria aquilo? Você cuspiria na boca dela? Elas me diziam o que fazia sentido”.

Aliás, o diretor disse que tomou cuidado para fazer a cena sexo entre as duas personagens. Apesar de longa, Lelio queria garantir que ela fosse feita de maneira sensível e não fosse superficial.

“Eu expliquei [para Rachel Weisz e Rachel McAdams] que a cena era o coração do filme”, continuou o cineasta. “Ela tinha que ser longa. Era sobre a duração dela. Nós tínhamos que encontrar atos específicos para elas fazerem, pois a força real da cena sairia dessa especificidade. É por isso que ela não é uma cena de sexo genérica. Nós podíamos fazê-la de forma única, com a especificidade dos momentos ousados, evitando que ela fosse explorativa”.

“Disobedience” estreou no ano passado no Festival de Cinema de Toronto, recebendo muitos elogios e 93% de aprovação no Rotten Tomatoes. Ainda não há data de estreia no Brasil, mas o filme chega aos cinemas dos Estados Unidos no dia 27 de abril.