Se você ficou animado com “Pantera Negra”, prepare-se para “Uma Dobra no Tempo”

28. fevereiro 2018 Cinema 0
Se você ficou animado com “Pantera Negra”, prepare-se para “Uma Dobra no Tempo”

A esse ponto, eu estou me repetindo, mas “Pantera Negra” é mesmo um sucesso. Lançado no dia 15 de fevereiro, o filme do super-herói da Marvel já fez mais de US$ 748 milhões no mundo todo, recebendo também ótimas críticas do público e da crítica.

E se isso não fosse tudo, o longa-metragem é mais um a desbancar um velho mito em Hollywood de que filmes protagonizados por minorias étnicas não vendem. Em “Pantera Negra”, quase todo o elenco é composto por atores e artistas negros, cujos personagens vivem na fictícia Wakanda, nação escondida no meio do continente africano. O país nunca foi colonizado pelo homem branco, o que permitiu a ele que se desenvolvesse de uma maneira diferente dos territórios vizinhos, o que também possibilita que nós possamos refletir como teria sido a África, caso o europeu não tivesse colocado os pés por lá.

Mas ainda tem mais: o filme foi dirigido por Ryan Coogler, um cineasta negro, o mesmo dos elogiados “Creed: Nascido Para Lutar” e “Fruitvale Station: A Última Parada”. É ótimo ver artistas negros conquistando espaço e derrubando muros.

Agora, venho lembrar você, que amou “Pantera Negra”, que uma nova produção protagonizada e dirigida por artistas negros vem aí. Trata-se de “Uma Dobra no Tempo”, cuja personagem principal é Meg Murry (Storm Reid) e a diretora é Ava DuVernay.

O filme é uma adaptação do livro de mesmo nome, escrito por Madeleine L’Engle, publicado pela primeira vez em 1962. Misturando fantasia e ficção-científica, a obra narra a busca de Meg e seu irmão Charles (Deric McCabe) pelo pai, o cientista Alex Murry (Chris Pine), o qual sumiu misteriosamente após trabalhar em um projeto secreto. Os irmãos acabam parando em diversos cantos do espaço, graças a três guias: a Sra. Quequeé (Reese Witherspoon), a Sra. Quem (Mindy Kaling) e a Sra. Qual (Oprah Winfrey), que tentam ajudar a dupla a encontrar o pai. Dito isso, é possível esperar grandes aventuras nesse novo lançamento da Disney.

Quem assumiu a direção da obra foi Ava DuVernay, diretora do aclamado “Selma”, e que foi a primeira mulher negra a ser indicada ao Globo de Ouro na categoria de Melhor Diretor. Com “Uma Dobra no Tempo”, a cineasta realizou mais um feito histórico: ela é a primeira negra a dirigir um longa-metragem com um orçamento de US$ 100 milhões.

Mas se você acha que essa conquista veio fácil, engana-se: depois de dirigir o indicado ao Oscar “Selma”, Ava se viu sem novas oportunidades na indústria cinematográfica.

“Eu precisava de um filme, eu precisava de um filme, por que eu não conseguia fazer um? Por que eu não tenho o que meus colegas homens brancos têm?”, recordou a diretora em entrevista ao The Washington Post. “Ele é um cara legal, mas como Colin Trevorrow saiu de ‘Jurassic World’ para ‘Star Wars’? Entende o que eu quero dizer? Nós saímos dos pequenos filmes indies, sentando um do lado do outro em Sundance, em 2012, e ele vai disso para ‘Jurassic World’, ‘Star Wars’, e eu saio do mesmo para ‘Selma’ e depois nada no horizonte? Isso não foi bom e me deixou deprimida. Não deprimida, mas desesperada. Eu me sentia desesperada, pois eu estava tentando fazer algo acontecer”.

Na época, Ava estava produzindo “Queen Sugar”, seriado que conta apenas com mulheres na direção de todos os episódios, transmitido pelo canal OWN, de propriedade de Oprah Winfrey, a quem ela desabafou sobre a difícil situação que vivia. No dia seguinte, ela recebeu dois emails, um deles perguntando se ela gostaria de dirigir “Uma Dobra no Tempo”. E aqui estamos hoje.

O filme traz a jovem Storm Reid no papel principal, a qual já possui alguns trabalhos no cinema e na TV, além de outros grandes nomes, como Reese Witherspoon, Mindy Kaling, Chris Pine, Michael Peña, Zach Galifianakis e, claro, Oprah Winfrey. O elenco diverso reflete o estilo de trabalho de Ava DuVernay, como também da Disney, que já há algum tempo tem levado às telonas títulos com personagens que fogem um pouco do padrão homem branco: “Mogli”, “Moana”, “Rainha de Katwe”, “Cinderela”, “Procurando Dory”, “Star Wars 7 e 8”, “Rogue One”, “Viva: A Vida é Uma Festa”, “A Bela e a Fera”, “Pantera Negra”, além dos já anunciados “Homem Formiga e a Vespa”, “Capitã Marvel”, “Mulan” e “Mary Poppins Returns”.

Enquanto isso, podemos ficar ansiosos com “Uma Dobra no Tempo”, que não levará tanto tempo assim para estrear: a produção chega aos cinemas brasileiros no dia 29 de março. E a julgar pelo trailer, elenco e diretora, podemos esperar grandes coisas do filme. Nos vemos no cinema!