Os discursos das celebridades que compareceram à Marcha das Mulheres nos Estados Unidos

22. janeiro 2017 Famosos 0
Os discursos das celebridades que compareceram à Marcha das Mulheres nos Estados Unidos

Ontem (21), aconteceu a Marcha das Mulheres em Washington, nos Estados Unidos, e em várias cidades daquele país e do mundo. O objetivo era chamar a atenção para os direitos das mulheres, os quais podem estar ameaçados pelo governo do novo presidente americano, Donald Trump, o qual já se manifestou contra o aborto, tendo prometido apontar juízes para a Suprema Corte que também são contra o procedimento (o aborto é permitido nos EUA), além de afirmar que iria cortar o auxílio financeiro do governo federal à Planned Parenthood, organização que informa e oferece serviços de saúde para mulheres.

Isso levou milhares de mulheres às ruas. É difícil estimar a quantidade, mas segundo informações do metrô de Washington, até às 11h da manhã de sábado, mais de 275 mil viagens foram realizadas, 8 vezes mais do que outros sábados e dias da semana.

A marcha reuniu meninas e mulheres de diversas idades, cores e tamanhos, ativistas, pessoas que se importam com os direitos femininos e celebridades, as quais também demonstraram sua insatisfação com o presidente dos Estados Unidos.

Abaixo, estão algumas das famosas que compareceram à Marcha das Mulheres e o que elas disseram por onde passaram:

Janelle Monáe:

“Como mulher, você precisa se lembrar de que foi você quem pariu esse país. Sem uma mulher, nenhuma das pessoas pelas quais estamos falando estariam aqui hoje. Por isso, uma vez que nós lembrarmos que nós temos esse poder e que podemos parir e não parir essa nação, é aí onde sua força está: no seu poder e no saber que você é valiosa e que tem todo o direito de manifestar sua opinião.

Você não pode desistir, porque muitas pessoas morreram pelo nosso direito de nos manifestarmos e pela nossa liberdade de expressão. Eu estou em um filme chamado ‘Estrelas Além do Tempo’. Naquela época, as mulheres [negras] nem podiam votar. Eu tenho a oportunidade de fazer isso, e nós precisamos, não importa qual o preço, ficar cansadas. Precisamos nos lembrar que são as pessoas, em qualquer revolução, as responsáveis por mudar o curso da história”.

Ariana Grande:


“Hoje o meu coração foi preenchido com muita esperança. Conheci pessoas lindas e apaixonadas e marchei ao lado de quem eu amo [a cantora levou sua avó para a manifestação]. O sol saiu para todas nós. Somos muito mais fortes e barulhentas do que o ódio, a ignorância o machismo, o racismo, o ageísmo, a homofobia, a transfobia, a gordofobia, o slut shaming, o preconceito, a discriminação de qualquer tipo, a condição patriarcal e as expectativas retrógradas de como uma mulher deveria ser!

Eu estou muito orgulhosa e inspirada pelas pessoas que marcharam hoje, e agradecida por muitas pessoas nesse planeta que celebraram hoje o quão brilhantes e mágicas as mulheres são! Vamos continuar a manter nossas vozes altas, apaixonadas e pacíficas! Vamos continuar a ser fortes umas pelas outras e elevarmos umas às outras! Vamos continuar conectadas em nossa divindade”.

Danielle Brooks:

“Uma marcha que vale a pena ser lembrada”.

Uzo Aduba:

“O que a Meryl [Streep] disse”, em referência ao discurso feito pela atriz no Globo de Ouro.

Rihanna:

“Estou muito orgulhosa de ser mulher! Estou orgulhosa das mulheres ao redor do mundo que se reuniram hoje pela liberdade de escolha”.

Miley Cyrus:

“Nós somos a prova viva de que somos mais fortes juntas. Eu vou começar a chorar, porque eu quero que vocês saibam que o teto de vidro já foi quebrado”.

Madonna:

“Não são só as mulheres que estão em perigo, mas todas as pessoas marginalizadas. Precisamos desse momento horrível de trevas para nos acordar. Parece que todos nós tivemos esse falso senso de conforto, que a justiça iria prevalecer e o bem prevaleceria no fim. Bom, o bem não venceu nessa eleição. Mas vai vencer no final. O dia de hoje significa que estamos longe do fim. O dia de hoje marca o início. O início da nossa história. A revolução começa aqui”.

Scarlett Johansson:

“Presidente Trump, eu não votei em você. Dito isso, eu respeito que você seja nosso presidente e eu quero poder apoiá-lo. Primeiro, eu peço a você que me apoie, apoie minha irmã, mãe, melhor amiga e todas as nossas amigas, que apoie homens e mulheres que estão esperando com ansiedade como suas próximas ações afetarão suas vidas.

Apoie minha filha, que talvez – como resultado dos compromissos que você fez –  cresça em um país que está indo para trás e não para frente, e que potencialmente não tenha o direito de fazer escolhas sobre seu corpo e seu futuro, as quais sua filha Ivanka teve o privilégio de ter.

Sem julgamentos e dúvidas, a Planned Parenthood oferece um local seguro, onde eu pude ser tratada com gentileza. Agora, eu posso ter tido 15 anos e tenha sido autossuficiente, mas eu aposto que não há uma única pessoa que não tenha sido ajudada pela Planned Parenthood, diretamente ou não. Repare como os legisladores continuam a trabalhar contra a organização. Há consequências reais e devastadoras ao limitar o acesso que deveria ser o cuidado de saúde básico”.

Melissa Benoist:

💪#womensmarchonwashington

A photo posted by Melissa Benoist (@melissabenoist) on

“Ei, Donald! Não tente agarrar a minha vagina – ela é feita de aço!”

Katy Perry:

“Vou marchar ao lado de MUITAS irmãs hoje, mas meu coração está mais orgulhoso por marchar com minha irmã de sangue, Angela, a qual sempre foi meu anjo da guarda. Nós deveríamos ser anjos da guarda umas das outras. Eu marcho hoje porque eu não tenho mais medo e eu espero que eu possa ser um exemplo de coragem e resiliência. Eu não vou deixar ninguém me invalidar, silenciar ou cortar minhas asas. Por muito tempo, eu entendi errado a definição real do que é ser feminista, mas agora que eu sei, estou empoderada! Sou uma feminista indisputável. Estou aqui hoje para quebrar o ciclo de supressão e desigualdade. Eu estou com todas vocês”.

Gina Rodriguez:

Sisterhood squad. #womenforwomen #womensmarch

A photo posted by Gina Rodriguez (@hereisgina) on

“Queimem seus sutiãs”.

America Ferrera:

“Nós marchamos hoje pela essência moral dessa nação, a qual nosso novo presidente está acenando uma guerra. Ele gostaria que nós esquecêssemos as palavras: ‘deem-me os cansados, pobres, suas massas encolhidas que anseiam respirar com liberdade’. E em vez disso, assume um credo de ódio, medo e de suspeita do outro. Mas estamos reunidas aqui, pelo país e pelo mundo, para dizer: senhor Trump, nós nos recusamos.Nós rejeitamos a demonização de nossas irmãs e irmãos muçulmanos Nós queremos o fim das mortes e prisão em massa sistêmicas de nossos irmãos e irmãs negros. Nós não vamos desistir do nosso direito a abortos seguros e legais. Nós não vamos pedir para nossas famílias LGBT para que voltem para trás. Nós não vamos deixar de ser uma terra de imigrantes para nos tornarmos uma nação de ignorância”.

Halsey:

look cute and fight injustice

A photo posted by halsey (@iamhalsey) on

“Lindos e lutando contra injustiça”. (Na mesma foto estão o cantor Troye Sivan e a modelo trans Hari Nef)

Mandy Moore:

“Que forma de celebrar essa energia coletiva de muitas pessoas rejeitando a inércia”.

Charlize Theron:

Representing here at Sundance! #womensmarch #marchonmain

A photo posted by Charlize Theron (@charlizeafrica) on

“Representando aqui em Sundance!”

Zendaya: 

“Eu não poderia estar mais orgulhosa. Eu estou aqui, nós estamos aqui!!!”

Amy Schumer:

March like everyone's watching

A photo posted by @amyschumer on

“Marche como se todos estivessem vendo”.

Chrissy Teigen:

“Eu tenho esperança”.

Lena Dunham:

“Para que nossas filhas saibam que seus corpos são seus. Para que nossos filhos incorporem a força com gentileza. Para que possam desfazer ambos os rótulos. Nós marchamos para mostrar que nossas lutas não estão isoladas, mas estão unidas por uma linha de arco-íris. Eu não ascendo sem você”, a atriz escreveu no Twitter.

Alicia Keys:

“Nós não vamos permitir que nossos corpos sejam controlados por homens no governo ou homens em qualquer lugar. Nós não vamos permitir que almas sem compaixão prevaleçam. Queremos o melhor para todos os americanos, sem ódio, intolerância ou registro de muçulmanos [uma das promessas de campanha de Donald Trump]. Nós valorizamos a educação, saúde e qualidade. Nós queremos continuar ascendendo até que nossas vozes sejam ouvidas, até que as nossas bombas parem de cair em outras terras, até que nosso dólar seja o mesmo dos homens”.

Jessica Chastain:

“Os direitos das mulheres são direitos humanos e direitos humanos são direitos das mulheres. Precisamos criar uma sociedade, na qual mulheres – incluindo negras, indígenas, pobres, imigrantes, com deficiência, muçulmanas, lésbicas e trans – sejam livres e capazes de cuidar de suas famílias, seja da forma que sejam formadas, em segurança e em ambientes livres de impedimentos estruturais”.

Brie Larson:

“Eu sou todas as mulheres”.

Drew Barrymore:

I love women. I live for my two daughters. And I am full of pride and unity with all women today.

A photo posted by Drew Barrymore (@drewbarrymore) on

“Eu amo as mulheres. Eu vivo pelas minhas duas filhas. E eu estou cheia de orgulho e união com todas as mulheres hoje”.

Emma Watson:

Aja Naomi King:

“Resistência. Respeito”.

Chelsea Handler:

“Não é 1917, é 2017. Nós não deveríamos lutar pelo progresso que já foi feito, mas estamos prontas para isso. É nosso dever cuidar da próxima geração e garantir que nossas crianças tenham o mesmo acesso aos serviços essenciais que nós tivemos. E isso está sendo dito por alguém que não tem filhos. Mas como uma cidadã responsável, eu sei que nosso dever proteger as crianças dos outros”.

Cher:

Cher now in Washington

A photo posted by @bitches_save_the_cher on

“Junte-se ou sente e não faça nada”, ela disse à revista Glamour.

Demi Lovato:

Vanessa Hudgens:

PUSSY PRIDE #womensmarchla

A photo posted by Vanessa Hudgens (@vanessahudgens) on

“Eu sou uma mulher, ouça-me rugir”.

Laverne Cox:

“A vergonha é uma construção social. Ela foi criada entre as pessoas e ela deve ser curada entre e pelas pessoas. […] A empatia é o antídoto para a vergonha. Se você colocar a vergonha com um pouco de empatia, torna-se um lugar hostil para a vergonha. A vergonha não sobrevive, por isso, a empatia é a resposta hoje. Se você for uma mulher como eu, uma mulher transgênera como eu, você vive em um país que faz você ter vergonha de si, que estigmatiza você, que te discrimina e criminaliza. As pessoas trans estão sendo atacadas nesse país agora mesmo”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *