Novo relatório comprova o que já sabíamos: falta diversidade em Hollywood

06. agosto 2015 Cinema 16
Novo relatório comprova o que já sabíamos: falta diversidade em Hollywood

Hollywood não é das maiores fãs da diversidade. Isso não é bem um segredo e desde o Oscar deste ano, quando nenhum negro foi indicado a categorias de atuação, tampouco mulheres indicadas a categorias como direção, roteiro e fotografia, há um apelo para que os filmes, tanto na frente quanto atrás das câmeras, representem melhor o mundo em que vivemos. A população americana, por exemplo, é 37% composta por pessoas não-brancas, contudo, em 2014, apenas 12,5% de todos os personagens em grandes produções eram negros, 5,3% eram asiáticos, e 4,9% eram latinos.

É o que diz o relatório “Desigualdade em 700 Filmes Populares: Examinando a Representação de Gênero, Raça & Status LGBT, de 2007 a 2014” (“Inequality in 700 Popular Films: Examining Portrayals of Gender, Race, & LGBT Status from 2007 to 2014“, no original), feito pela Escola Annenberg de Comunicação e Jornalismo, da Universidade do Sul da Califórnia (USC), através da Iniciativa ‘Mídia, Diversidade & Mudança Social’.

Foram analisados os 100 filmes de maior bilheteria de cada ano, entre 2007 e 2014, excluindo o ano de 2011, totalizando 700 longas. O estudo examinou todos os personagens com falas ou nomes, sendo avaliados por demografia, relacionamento, situação parental e hipersexualização. Os 100 maiores filmes de 2014 foram analisados qualitativamente em termos de representação de lésbicas, gays, bissexuais e/ou transgêneros.

A Iniciativa ‘Mídia, Diversidade & Mudança Social’ também pesquisou quem estava por trás das câmeras. Foram examinados o gênero dos diretores, roteiristas e produtores dos 100 maiores filmes de 2014. Diretores masculinos e femininos foram examinados no estudo entre os 700 maiores filmes. De maneira geral, Hollywood continua, em grande maioria, branca e masculina.

Por recortes, temos:

Gênero:

  • dos 30.835 personagens analisados, entre os 700 filmes, somente 30,2% deles eram mulheres. Isso gera uma proporção de 2,3 homens a cada 1 mulher;
  • em 2014, apenas 21 dos 100 maiores filmes foram protagonizados ou co-protagonizados por mulheres. A quantidade é similar ao resultado de 2007 (20%);
  • nenhuma mulher acima de 45 anos protagonizou qualquer um dos 100 maiores filmes de 2014. Apenas 3 mulheres de diferentes etnias ou raças protagonizaram ou co-protagonizaram as produções. Nenhuma das três personagens eram lésbicas ou bissexuais;
  • menos de um quarto de todas as personagens com falas eram mulheres nas animações de maior bilheteria de 2014. O número é 7,4% menor que 2010, mas é o mesmo de 2007. Somente 21,8% de personagens com falas em filmes de ação eram mulheres, o que não mudou em 2010 ou 2007. 34% das personagens em comédia eram mulheres;
  • entre os 700 filmes, 9.522 personagens tinham entre 40-64 anos. 21,8% eram mulheres. Em 2014, mulheres de meia-idade representaram 19,9%  dos personagens dos 100 maiores filmes, o mesmo percentual de 2007;
  • em 2014, mulheres de todas as idades tiveram mais cenas em roupas sensuais (27,8%, contra 8% dos homens); nuas (26,4%, contra 9,1% dos homens) e elogiadas pelas beleza (12,6%, contra 3,1% dos homens);
  • no ano passado, foi constatado também que meninas com idades entre 13 e 20 anos foram tão sexualizadas quanto as mulheres entre 21 e 39 anos. Já mulheres entre 40-64 anos foram menos sexualizadas;
  • entre os 100 maiores filmes de 2014, mulheres que trabalharam como diretoras, roteiristas e produtoras foram apenas 15,8%, sendo 1,9% delas diretoras, 11,2% roteiristas e 18,9% produtoras. Em outras palavras: somente duas diretoras dirigiram algum dos 100 filmes do ano passado. Em 2013 o número foi o mesmo, mas menor do que em 2007, quando 3 mulheres dirigiram alguns dos 100 maiores filmes daquele ano;
  • entre o período de 2007 a 2014, somente 28 mulheres dirigiram alguns dos 700 maiores filmes do período. Entre as 28, apenas 3 eram mulheres negras;
  • no geral, o relatório mostra que filmes com ao menos uma roteirista tiveram mais personagens femininas e mais mulheres entre 40 e 64 anos em suas histórias. Produções protagonizadas ou co-protagonizadas por mulheres eram associados com mais meninas e mulheres na tela.

Raça e etnia:

  • em 2014, personagens brancos representaram 73,1% do total. Em contrapartida, 4,9% eram de origem hispânica/latinos, 12,5% eram negros, 5,3% eram asiáticos, 2,9% eram do Oriente Médio, menos de 1% eram índios americanos/nativos do Alasca/Havaí/Ilhas do Pacífico, e 1,2% eram de outras raças e/ou etnias. Os números são os mesmos entre todo o período de 2007 a 2014;
  • somente 17, dos 100 maiores filmes de 2014, foram protagonizados ou co-protagonizados por um grupo racial ou étnico sub-representado; sendo 3 filmes retratando um elenco 50% misto de atores de raças e etnias sub-representadas;
  • no ano passado, pouco mais de um quarto dos personagens em filmes de ação (26,1%) e filmes de comédia (26,5%) são de grupos raciais/étnicos sub-representados, entre os 100 maiores filmes. Os percentuais são os mesmos de 2007 e 2010;
  • comparando com as animações mais lucrativas de 2007 e 2014, houve um aumento de 25,4% de personagens sub-representados. Contudo, metade deles aparecem no filme ‘Festa no Céu’. Ainda assim, sem o filme, há um aumento significativo de personagens sub-representados nas animações mais lucrativas entre 2007 e 2014;
  • em 2014, 17 filmes não tiveram nenhum personagem negro. O número se repetiu entre os 100 maiores filmes de 2013. Mais de 40 filmes não tiveram qualquer personagem asiático em 2014;
  • entre as 100 maiores produções de 2014, apenas 5 dos 107 diretores (4,7%) eram negros. Um diretor negro dirigiu dois longas e apenas um era uma mulher negra. 45 diretores negros dirigiram alguns dos 700 filmes campeões de bilheteria, o que representa apenas 5,8% de todos os anos analisados.
  • somente 19 diretores asiáticos trabalharam nas 700 maiores produções, um total de 2,4%. Apenas uma mulher asiática foi creditada como co-diretora em uma obra.

LGBT:

  • entre os 4.610 personagens dos 100 maiores filmes de 2014, apenas 19 eram lésbicas, gays ou bissexuais. Nenhuma personagem transgênero foi representada. 10 foram classificados como gays, 4 eram lésbicas e 5 bissexuais.
  • somente 14 longas tiveram personagens LGBT, mas nenhum era animação. Personagens LGBT eram predominantemente brancos (84,2%). Apenas 15,8% eram de raças e etnias sub-representadas.

O estudo mostra que não houve mudanças significativas de representação de mulheres, pessoas LGBT, e minorias raciais e étnicas entre 2007 e 2014. Contudo, produções com diretores e roteiristas fora do padrão branco e masculino possibilitam mais diversidade nas produções.

Seria esse um estudo capaz de mudar Hollywood?