Novo clipe de Lady Gaga quer conscientizar jovens sobre estupro de mulheres nas universidades

18. setembro 2015 POP 5
Novo clipe de Lady Gaga quer conscientizar jovens sobre estupro de mulheres nas universidades

A campanha contra estupros dentro das universidades americanas continua e ganhou um nome de peso: a cantora Lady Gaga. Durante a noite, ela lançou o clipe de “Till It Happens To You”, com imagens que podem ser chocantes para muitos, mas que refletem como esse crime acontece dentro dessas instituições de ensino.

Dirigido e escrito por Catherine Hardwicke (“Crepúsculo”), o vídeo é todo em preto e branco, e traz histórias de três mulheres e um homem trans, todos estuprados por colegas e as consequências dessa violência em suas vidas. Em alguns trechos, mensagens como “às vezes eu me odeio” e “acredite em mim”, ilustram a cultura de culpabilização da vítima pelo que aconteceu.

A música, composta por Lady Gaga e Diane Warren, faz parte do filme “The Hunting Ground“, documentário sobre casos de estupro que aconteceram dentro das universidades dos Estados Unidos. Com a falta de ação das instituições, diversas estudantes reuniram seus depoimentos e coragem para pedir um fim a essa violência que afeta uma a cada cinco mulheres que estão no ensino superior.

No primeiro dia de setembro, a Casa Branca divulgou um vídeo para a campanha “It’s On Us”, que visa combater a violência sexual nas universidades. Um estudo recente mostra que 19% das estudantes do primeiro ano da faculdade foram vítimas ou sofreram tentativa de estupro, seja por força ou por estarem incapacitadas de consentirem por estarem embrigadas ou drogadas.

“Till It Happens To You” também faz parte dessa campanha, que teve o presidente Barack Obama, durante o Grammy Awards, pedindo o fim da violência contra a mulher. Parte do valor arrecadado pela música será destinado a organizações que ajudam sobreviventes de violência sexual.

Em seu Twitter, a Mother Monster disse esperar que as mulheres “sintam nosso amor e solidariedade através da música e talvez encontrem alguma paz ao saber que não estão sozinhas”. “Quero que [as pessoas] saibam que não estão sozinhas e que elas não são vítimas, mas sobreviventes”, pediu Diane Warren em entrevista ao Huffington Post.