Nova música de Lady Gaga é sobre jovem negro que inspirou movimento contra violência policial

21. outubro 2016 POP 1
Nova música de Lady Gaga é sobre jovem negro que inspirou movimento contra violência policial

Lady Gaga lançou oficialmente hoje (21) seu aguardado quinto álbum, “Joanne”, cujas faixas “Perfect Illusion”, “Million Years” e “A-YO” já haviam sido divulgadas anteriormente.

Trata-se de um trabalho bem diferente do que estávamos acostumados, como a própria Mother Monster reconheceu ao falar sobre ele em uma entrevista ao programa “Beats 1” da Apple Music.

“Esse disco não tem filtros, ele é direto”, afirmou. “Em termos de letras e vocais, estou tentando fazer com que você se sinta abraçado por mim. Ou como se eu estivesse dando liberdade para que você possa soltar sua raiva ou sentir-se curado. Essa é a parte difícil. Às vezes você não quer ouvir uma música que te faça chegar a esse ponto. Mas esse álbum é sobre isso, é sobre fazer você chegar a esse ponto”.

Disposta a criar música que tenha um “propósito”, como a própria cantora classificou, Lady Gaga escreveu “Angel Down”, canção que integra “Joanne”, inspirada pela trágica morte de Trayvon Martin, um jovem negro que foi morto por um vigia voluntário em 2012.

“Eu escrevi essa música, que é sobre Trayvon Martin”, começou. “Há alguns anos, atiraram nele e ele foi morto. Há uma epidemia de afro-americanos sendo mortos nesse país. Eu fiquei surpresa com o fato de que as pessoas viram aquilo e não fizeram nada. E o sistema judiciário continua, repetidamente, não encontrando justiça para essas famílias. Eu escuto meus fãs, meninos e meninas que são negros, e eles têm medo. Eles me contam que dirigem seus carros e quando ouvem uma sirene, uma paranoia toma conta do corpo deles, que os fazem congelar e não conseguem pensar em nada. É uma ansiedade enorme. Eu me importo com isso. Isso precisa parar, é algo que todos precisamos nos curar”.

Ela continuou:

“Eu só posso esperar que minha voz e minhas letras alcancem as pessoas. É algo muito complicado também. Eu não sou uma mulher negra, então, como eu posso falar sobre essas coisas? Parece impossível, como eu não poderia falar sobre isso? Como eu poderia fazer um álbum sobre rebolar minha bunda na boate? Na minha cabeça, não dá. É vazio. É irrelevante. Quando eu vou ao estúdio, nesse estágio da minha carreira, eu não posso mais, simplesmente, pensar: ‘ah, isso seria divertido’… Nós todos [não podemos mais fugir da realidade], não importa o quanto queremos nos divertir. Quanto mais escondemos essa ansiedade, mas difícil será para nos curarmos”.

Trayvon Martin, um jovem negro de 17 anos, foi morto em fevereiro de 2012, quando voltava para casa do pai. O vigia George Zimmerman o perseguiu após suspeitar que o rapaz estaria aprontando alguma coisa. Trayvon estava desarmado, e sua morte deu início ao movimento Black Lives Matter, ou “Vidas Negras Importam”, em português.

Ele visa o combate ao racismo e à violência policial contra a população negra americana, que têm uma probabilidade muito maior de ser morta pelos agentes do Estado. Um estudo do jornal The Guardian diz que jovens negros têm 9 vezes mais chances de ser mortos pela polícia. Segundo um levantamento da mesma publicação, 206 negros americanos morreram em 2016 pelas forças policiais.

Vale lembrar que não é a primeira vez que Lady Gaga leva assuntos políticos para sua música. Embora divertida, “Born This Way” foi muito aplaudida por ser um hino de empoderamento LGBT, enquanto a balada “Till It Happens To You”, que concorreu ao Oscar deste ano, é sobre o estupro que a cantora sofreu aos 19 anos, ao mesmo tempo em que o clipe da canção discute o estupro das mulheres dentro das universidades dos Estados Unidos.

“Eu não posso mais escrever nada que não tenha uma voz e um propósito no universo”, concluiu Lady Gaga ao “Beats 1”. “Por que eu teria essa voz? Por que eu teria esta plataforma?”