A presença da Miss Marvel no cinema seria uma grande vitória para a representação feminina e de muçulmanos

A presença da Miss Marvel no cinema seria uma grande vitória para a representação feminina e de muçulmanos

Os filmes de super-heróis estão finalmente tendo aquela renovação tão necessária em termos de diversidade. No Universo Cinematográfico da Marvel, pelo menos, “Pantera Negra” demonstrou que uma produção dirigida, escrita e atuada por negros pode fazer sucesso de crítica e bilheteria. O próximo passo vem com “Capitã Marvel”, cujo longa-metragem será lançado no ano que vem, e tem Brie Larson no papel da protagonista, e será dirigido por Anna Boden e Ryan Fleck. Em 10 anos de UCM, finalmente uma mulher ganhará um filme solo.

Obviamente, a Marvel já possui personagens femininas tão fortes quanto seus colegas homens. Estamos falando, claro, da Viúva Negra, Feiticeira Escarlate, Okoye, Nakia e Shuri, as quais eu torço para ganharem mais espaço nas telonas. Porém, é possível que mais uma mulher faça parte desse time: a Miss Marvel, uma adolescente muçulmana.

Pelo menos foi essa a expectativa que Kevin Feige, presidente da Marvel Studios, deixou na gente ao falar sobre a personagem.

“Estamos fazendo Capitã Marvel neste momento, estamos fazendo as filmagens”, disse o produtor em uma entrevista. “A Miss Marvel é outra personagem dos quadrinhos, uma heroína muçulmana que se inspira na Capitã Marvel. Temos planos para isso assim que introduzirmos a Capitã Marvel”.

Kamala Khan surgiu nos quadrinhos em 2013. A menina é filha de pais paquistaneses, os quais saíram do país natal para os Estados Unidos, erguendo residência em Nova Jersey. Assim como o Peter Parker do cinema tem aquela grande admiração por Tony Stark e o Homem de Ferro, Kamala tem paixão por Carol Danvers, a Capitã Marvel, por quem se inspira para ser uma pessoa melhor. Seus poderes surgem depois de sair de uma festa entre jovens da sua idade, quando foi atingida por uma névoa de terrigênio, lançadas na Terra pelo Raio Negro, rei dos Inumanos. Daí em diante, a garota vira uma heroína e até luta ao lado de seu ídolo.

A presença de Miss Marvel no Universo Cinematográfico da Marvel é muito animadora, não só pelo fato de mais uma mulher ganhar espaço, mas também pelo fato de que ela é muçulmana. Hollywood trouxe para as telas do cinema incontáveis muçulmanos, mas de maneira majoritariamente negativa, tratando-os como terroristas ou personagens sem muitas falas. Esse tipo de representação é nocivo, pois molda a forma como muitas pessoas enxergam o Islã e muçulmanos, os quais vivem em constante insegurança, graças à presidência do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Mas tanto lá quanto no Brasil, ou em outras partes do mundo, essa população é vista como perigosa e inconfiável, o que resulta em uma onda de islamofobia.

Contudo, isso pode mudar com a chegada de Miss Marvel, que tem uma história muito elogiada, reunindo os dramas da adolescência, poderes especiais e uma nova cultura aos leitores. Com o roteiro e a equipe certa, a personagem tem tudo para repetir o sucesso de outros grandes filmes da Marvel – e até da “Mulher-Maravilha”, da DC.

A representação feminina e de muçulmanos sairá vitoriosa disso tudo. Se “Capitã Marvel” já oferece um respiro de alívio para as produções de super-heróis, imagine o que um filme da “Miss Marvel” pode fazer. As possibilidades são imensas e o futuro parece promissor. E nós mal podemos esperar.