Menino de 14 anos responde como é ser filho de duas mulheres

Menino de 14 anos responde como é ser filho de duas mulheres

O “Altas Horas”, programa comandado pelo apresentador Sérgio Groisman, levou à atração deste domingo, a história de André Lodi, um menino de 14 anos, que assim como muitos garotos de sua idade, tem vários amigos e gosta de futebol. A única diferença é que o rapaz é filho de duas mulheres.

E surpreendentemente para ninguém, ele leva uma vida como a de qualquer outro jovem. “Não é por nada, não, mas eu acho que eu não tenho nenhum problema de desenvolvimento. Se tiver, alguém me fala porque eu quero prestar atenção, mas eu nunca tive nada”, brincou o menino.

André foi convidado a responder as dúvidas da plateia, que foram desde questões jurídicas envolvendo ter o sobrenome das duas mães até uma possível falta de uma figura paterna em sua vida. “Sim”, disse o rapaz. “Para me levar a jogo de futebol”, ironizou, acrescentando que sua mãe Ana Lúcia, a qual estava presente, o levou uma vez ao estádio, e hoje permite que ele vá com os amigos.

Quanto ao preconceito que poderia sofrer por ter duas mães, ele conta que nunca passou por nada diretamente, mas lembra já ter testemunhado com amigos que também são filhos de casais homossexuais. Ana Lúcia afirmou que, antes da gestação, teve medo de que sua criança pudesse ser vítima de discriminação, mas contou que uma amiga a ajudou, dizendo que se tudo estivesse resolvido dentro dela, qualquer problema seria mais fácil de lidar.

A última questão veio de um rapaz que perguntou a André se “ao descobrir que tinha duas mães foi um choque ou você aceitou numa boa?”, ao que o menino respondeu de forma mais clara possível: “eu nunca descobri, eu sempre tive duas mães. Eu não era de outra família e cheguei numa família nova.” O rapaz da plateia então insistiu: “mas quando você realmente percebeu que tinha duas mães?”

“Posso te fazer uma pergunta?”, questionou André. “O seu núcleo familiar, como ele é formado?”
“Normal. Uma mãe e um pai…”
“Normal? A minha não é normal?”
“Desculpa. É que hoje eu vejo normal [como] uma mãe e um pai. Não que eu tenha algum preconceito, porque eu não tenho. Só que na minha visão, é normal ter uma mãe e um pai.”
“Então você tá dizendo que a minha família não é normal?”
“Quando você realmente percebeu que tinha duas mães? Foi um choque?”
“Certo. Quando você percebeu que tinha um pai e uma mãe?”

A resposta de André foi certeira: ter duas mães sempre foi a realidade dele, ou seja, sempre foi algo natural. Não houve choque ou confusão. Talvez o rapaz que perguntou a ele não tenha pretendido ofendê-lo de alguma maneira, mas sua dúvida veio cercada de preconceito, a qual foi rebatida de maneira muito inteligente por André.

Ao colocar um menino filho de um casal de lésbicas, o “Altas Horas” ofereceu uma nova perspectiva sobre famílias formadas por pais do mesmo sexo, uma perspectiva de dentro delas, a qual precisa ser mais ampliada e ouvida.

Você confere toda a entrevista a através do site GShow ou através do vídeo abaixo:

Filho de duas mães deu um show contra o preconceito no Altas Horas <3Comentário: "A partir do momento que o Estado…

Publicado por Somos uma Família em Sábado, 2 de abril de 2016