Globo de Ouro prova que ainda é a premiação mais dinâmica e menos manjada do cinema americano

12. janeiro 2015 Cinema 2
Globo de Ouro prova que ainda é a premiação mais dinâmica e menos manjada do cinema americano

Muita gente aponta o Globo de Ouro, cuja edição desse ano aconteceu ontem à noite em Los Angeles, como a premiação mais legal do cinema americano. Em popularidade, ela só perde mesmo para o Oscar; mas tem alguns diferenciais sobre ele. Um deles é o maior número de categorias – possível pela separação das indicações de melhor filme, melhor ator e melhor atriz para filmes de Drama e Comédia/musical. Questionada por alguns, essa divisão de categorias entre os dois gêneros permite não só que produções mais diversas apareçam na lista de indicados, como também que mais gente saia com um prêmio na mão.

Tina Fey e Amy Poehler foram as mestres de cerimônia do Globo de Ouro 2015
Tina Fey e Amy Poehler foram as mestres de cerimônia do Globo de Ouro 2015 (Foto: Getty Images)

A apresentação ficou, pelo terceiro ano seguido, por conta das ótimas Tina Fey e Amy Poehler, que não deixaram escapar polêmicas, como em uma piada sobre a Coréia do Norte, referência às recentes ameaças que a Sony Pictures recebeu de hackers quanto ao lançamento do filme “A Entrevista”, que satiriza o governo norte-coreano. Mas nada comparado ao desconforto e às risadas nervosas na plateia depois da menção que as duas fizeram às acusações de assédio e estupro que o comediante Bill Cosby recebeu recentemente.

Tina Fey e Amy Poehler brincando com a Coréia do Norte
Tina Fey e Amy Poehler brincando com a Coréia do Norte

Outro diferencial do Globo de Ouro é também premiar a televisão americana – que nos últimos anos tem recebido grande destaque, fazendo até com que grandes nomes do cinema se arrisquem (na maioria das vezes com sucesso) em suas produções. Diferente do que se via anos atrás, hoje a quantidade de estrelas conhecidas do grande público que figuram as indicações aos prêmios para TV é quase a mesma que nas de cinema. Citando alguns exemplos da noite de ontem, nomes como Viola Davis, Matthew McConaughey, Claire Danes e Bill Murray estavam entre os indicados por trabalhos em séries ou filmes para a TV, além de Kevin Spacey, que levou o prêmio de melhor ator em série dramática por “House of Cards”.

Kevin Spacey e seu Globo de Ouro (Getty Images)
Kevin Spacey e seu Globo de Ouro (Getty Images)

A grande vencedora entre as produções para TV foi a série dramática “The Affair”, que desbancou queridinhas do público como “Game of Thrones” e “Downtown Abbey”, e ainda levou o prêmio de melhor atriz para Ruth Wilson. Na categoria comédia ou musical, os prêmios deram sinal de que este pode ter sido o ano da diversidade no Globo de Ouro. Apesar de outras queridas do público como “Orange Is The New Black” e “Girls” voltarem para casa sem nenhum prêmio, a surpresa veio com os prêmios para a série “Transparent”. Em seu discurso de agradecimento, o ator Jeffrey Tambor inclusive fez questão de lembrar da comunidade transgênero, um dos temas da série.

46672nd Annual Golden Globe Awards - Press Room
Jeffrey Tambor (foto: Jordan Strauss)

O cinema também teve surpresas. A mais notável foi “O Grande Hotel Budapeste”, de Wes Anderson, que levou o prêmio de Melhor Filme de Comédia ou Musical, desbancando o favorito “Birdman”, que no final da noite ficou com os prêmios de ator para Michael Keaton, e também o de Melhor Roteiro. A melhor atriz em Comédia ou Musical foi a queridinha de Hollywood, Amy Adams, por “Grandes Olhos”.

Amy Adams em seu discurso
Amy Adams em seu discurso

Na categoria Melhor Filme de Drama, o premiado foi o mega comentado “Boyhood”, filme rodado ao longo de 12 anos e que acompanha toda a infância e adolescência de um garoto, e que ontem também levou os prêmios de melhor direção para Richard Linklater e de melhor atriz coadjuvante para Patricia Arquette. O melhor ator foi Eddie Redmayne por “A Teoria de Tudo”, filme onde interpreta o físico Stephen Hawking. A melhor atriz foi a sempre incrível Julianne Moore, por “Para Sempre Alice”. A Rússia foi o país que levou o prêmio de Melhor Filme Estrangeiro, por “Leviatã”.

Equipe e diretor do filme 'Boyhood' (Foto: Frederic J. Brown/AFP/Getty Images)
Equipe e diretor do filme ‘Boyhood’ (Foto: Frederic J. Brown/AFP/Getty Images)

Quem apostou nos favoritos pode ter, em pelo menos metade dos prêmios, se decepcionado. O que mais se comentava ontem nas redes sociais durante a transmissão do evento era que essa era uma premiação de surpresas, apesar de não ter sido um dos anos mais empolgantes. Por outro lado, não podemos esquecer que, assim como qualquer outra grande premiação, o Globo de Ouro tem sua dose de politicagem. Por isso, fica difícil dizer se as indicações e os prêmios foram justos ou não. Muita coisa boa é deixada de fora, e muitos indicados acabam virando “azarões”. No Oscar, tudo isso é ainda mais expressivo. Então, é só aguardar para ver. Os indicados serão anunciados na próxima quinta-feira (15/01). Depois disso, já podem fazer suas apostas!