Eis alguns fatos para quem duvida de alguém que tenha transtorno de estresse pós-traumático

15. dezembro 2016 Famosos 0
Eis alguns fatos para quem duvida de alguém que tenha transtorno de estresse pós-traumático

Além de ser uma ótima artista, outro motivo pelo qual nós amamos Lady Gaga é a honestidade com a qual ela decidiu contar e compartilhar sua história com os fãs e o público. Nos últimos anos, ela revelou ter sido estuprada quando era adolescente, o que a levou a desenvolver o transtorno de estresse pós-traumático, e que sofre com dor crônica. Em tempos de redes sociais e a obrigação em sermos felizes constantemente, é um alívio ver alguém com uma grande plataforma permitir-se ser vulnerável, como a cantora o faz.

Porém, isso não vem sem críticas. Se uma pessoa comum já ouve que ‘está querendo atenção’ ou ‘que é preciso guardar essas coisas para si’, imagine uma celebridade que lida com milhares de pessoas dizendo a ela que tudo não passa de uma ‘jogada de marketing para vender mais’.

E o jornalista britânico Piers Morgan é uma dessas pessoas. Conhecido por atacar mulheres famosas na internet (Susan Sarandon, Chrissy Teigen, Beyoncé e Jennifer Aniston já foram seus alvos), ele foi ao Twitter emitir sua opinião não solicitada sobre o que Lady Gaga viveu, e aproveitou para falar sobre Madonna, afinal, misoginia pouca é bobagem.

Tradução: “Eu venho de uma grande família militar. Me irrita quando celebridades alegam ter estresse pós-traumático sobre tudo para se promoverem. Lady Gaga e Madonna fizeram alegações de estupro anos depois ao evento. Sem queixa policial, sem acusação e sem julgamento. Eu não acho que todas as alegações de estupro deveriam ser necessariamente aceitas como fato sem uma devida investigação policial. Vocês acham?”

E a voz de “Perfect Illusion” não só leu suas mensagens, como fez questão de respondê-las com classe:

Tradução: “Eu trabalhei com o vice-presidente [dos Estados Unidos], Joe Biden, para ajudar a educar as pessoas sobre os motivos das mulheres não denunciarem, adoraria compartilhar isso com você em algum momento. Também adoraria falar sobre TEPT (Transtorno de Estresse Pós-Traumático), que não é apenas uma transtorno/doença ‘militar’. Existe uma epidemia na saúde mental dos jovens. Se tem alguém na sua família que sofre com isso, eu rezo para que eles tenham mais dias bons do que ruins. Isso afetou a mim e a toda a minha família”.

Este é um mundo que desacredita e diminui vítimas de estupro e/ou que tenham algum problema relacionado à saúde mental. Piers Morgan ilustrou perfeitamente como funciona essa cultura em sua série de tweets que insultam não apenas Lady Gaga, mas também qualquer pessoa que tenha sido vítima de violência sexual ou tenha algum transtorno mental.

É preciso combater esses discursos com fatos. E eis aqui alguns deles.

Há vários motivos para que uma vítima de estupro não denuncie seu agressor: a vergonha, a culpa e o medo de que algo lhe aconteça e de que ninguém acredite nela, exatamente o que o jornalista demonstrou ao querer ‘provas’ de que a a cantora realmente foi violentada. Tudo isso faz com que o estupro seja um crime muito subnotificado: estima-se que entre 7,5 e 10% das vítimas cheguem a formalizar uma acusação. E porque 70% dos agressores são pessoas próximas a elas, isso dificulta ainda mais para que uma denúncia seja feita.

E embora Morgan diga que o Transtorno de Estresse Pós-Traumático (PEPT) é uma doença restrita aos militares, na verdade, ela pode afetar qualquer pessoa que tenha enfrentado algum episódio traumático em suas vidas, seja um assalto, agressões e até um estupro.

“Muitas pessoas acham que um evento traumático é apenas uma guerra. Há uma falta de informação sobre os efeitos provocados pela violência”, contou a psicóloga e terapeuta cognitiva Lina Sue Matsumoto, que conversou com o G1. “No geral, a vítima não acha que a violência sofrida ou testemunhada, o sequestro no geral, desde ameaça no telefone, abuso de idosos, uso de álcool e drogas – muitas vezes associadas ao tráfico – podem deixar marcas por muito tempo”.

Ou seja, o TEPT pode ser desenvolvido por qualquer um, não necessariamente ligado a um evento com risco de morte ao próprio indivíduo, mas por algo que viu acontecer com um amigo ou parente.

Aliás, mulheres têm uma tendência maior a desenvolvê-lo, já que elas correm um risco maior de sofrer abuso sexual, segundo afirma um estudo britânico sobre o assunto, e que é corroborado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a qual afirma que a relação entre violência sexual e o Transtorno de Estresse Pós-Traumático, faz com que as mulheres sejam o grupo que mais sofre com esse distúrbio.

Por fim, eu não sei o que uma mulher famosa ganharia ao ‘fingir’ ter sido estuprada ou que tenha algum tipo de distúrbio mental. Pergunte à Amber Heard, Kesha ou Luíza Brunet, por exemplo, que foram vistas como mentirosas e aproveitadores por milhares de pessoas.

É triste que alguém como Piers Morgan, que poderia usar seu espaço para promover conversas importantes e tirar o estigma sobre saúde mental, acabe usando-o para deslegitimar mulheres e suas experiências.

Porém, ainda bem que temos Lady Gaga e pessoas que se importam com fatos e com as vivências de cada um, para transmitir mensagens de compaixão e ajuda. E essa parece ser a mensagem da cantora no vídeo de “Million Reasons”, lançado ontem (14): você jamais estará sozinha.