Esta cabine de fotos coloca feridas em rostos de mulheres para fazer um alerta sobre violência doméstica

Esta cabine de fotos coloca feridas em rostos de mulheres para fazer um alerta sobre violência doméstica

Para chamar a atenção das pessoas para a violência doméstica, a organização sem fins lucrativos Terre Des Femmes (‘terra das mulheres’, em português), em parceria com a agência de publicidade DDB alemã, criou uma cabine de fotos que lê rostos de mulheres e aplica feridas sobre eles, imprimindo também estatísticas sobre esse tipo de agressão.

Utilizando uma moderna tecnologia de reconhecimento facial, a cabine quer ajudar a chamar a atenção das pessoas para “uma realidade chocante que é frequentemente ignorada”. Segundo o vídeo da campanha, 1 a cada 4 mulheres alemãs são vítimas de violência doméstica. Além da visibilidade, o objetivo é incentivar a denúncia, já que os ataques podem acontecer a qualquer mulher, seja ela sua irmã, prima, mãe ou amiga.

“A violência doméstica é um grande problema na Alemanha. Ela afeta uma a cada quatro mulheres, pelo menos uma vez na vida. Infelizmente, muitas pessoas não sabem disso”, contou ao AdWeek a diretora da Terre Des Femmes, Christa Stolle. “Com a ativação dessa cabine de fotos, nós demonstramos claramente o quão sério o problema é, e mostramos que todos nós podemos fazer algo para mudar essa figura: espalhando informação, apoiando as vítimas e compartilhando esse vídeo”.

Segundo um levantamento da ONG Action Aid, a violência doméstica é a causa da morte de cinco mulheres por hora no mundo todo. Somente no Brasil, em 2011, o SUS atendeu mais de 70 mil mulheres vítimas de violência, sendo que quase 72% dos casos ocorreram dentro de suas casas.

Mas esse não é o único vídeo feito sobre violência doméstica neste ano. Para o Dia Internacional da Mulher, a marca de shampoo Jui, de Bangladesh, fez um comercial que mostra o trauma das agressões nas vidas das mulheres que sobrevivem a essa dor.

No filme publicitário, acompanhamos a ida de uma mulher a um salão de beleza, que pede à cabeleireira que corte seu cabelo bem curto. Os fios longos são muito apreciados no sudeste asiático, por isso, a atendente fica intrigada com a decisão da moça que a procurou. Ela vai cortando aos poucos, mas a mulher insiste em querer ainda mais curto, revelando ao final que o motivo para tal é “para que ninguém mais o puxe dessa maneira”.

Em seguida, a Jui diz que “80 a cada 100 mulheres sofrem algum tipo de violência em suas vidas” e também incentiva a denúncia contra a violência doméstica.

Assista ao vídeo abaixo:


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *