Demi Lovato vai ao Congresso americano pedir por mudança no tratamento de doenças mentais

06. outubro 2015 POP 0
Demi Lovato vai ao Congresso americano pedir por mudança no tratamento de doenças mentais

Há quatro anos, Demi Lovato assumiu publicamente que é bipolar, logo após uma internação numa clínica de reabilitação para tratar seu vício em drogas, automutilação e transtornos alimentares. Desde então, a cantora tem usado sua plataforma para lutar contra o estigma que doenças mentais possuem. “Quero usar minha voz de outras maneiras além de cantar”, afirma a voz de “Cool For The Summer”.

Por conta de sua honestidade sobre suas batalhas pessoais e desejo de ajudar, Demi é o rosto da campanha nacional “Be Vocal: Speak Up For Mental Health”, que encoraja pessoas com doenças mentais a não terem medo de falar sobre o que lhes aflige com seus familiares e amigos, a fim de conseguirem um diagnóstico rápido e o tratamento adequado.

Doenças mentais voltaram a ser tema de discussão nos Estados Unidos, após mais um tiroteio acontecer no país. Um homem armado entrou em uma universidade, no estado do Oregon, matando 10 pessoas. Para muitos políticos, a culpa pela tragédia recai sobre doenças mentais, e não o acesso fácil das pessoas às armas de fogo.

“Talvez o sinal mais claro do pouco que queremos conversar sobre saúde mental é quando ela é trazida a público, como vimos nessa semana, depois do tiroteio em massa, como uma forma de tirar o foco da conversa sobre o controle de armas“, afirmou o apresentador americano John Oliver em seu programa de televisão.

Demi Lovato reforçou o discurso de Oliver nesta semana, durante uma entrevista com a jornalista Tamron Hall. “Infelizmente, vimos várias vezes em que a saúde mental foi levada ao público pela mídia, por conta dessas tragédias. Acho que é importante lembrar que pessoas com doenças mentais são mais suscetíveis a fazerem mal a elas mesmas e serem as vítimas, ao invés de serem os perpetradores”, afirmou a cantora.

Lembrando de sua própria luta com doenças mentais, a cantora contou que “sofreu com um pouco de mania e também com depressão [oriunda do transtorno bipolar], isso foi o que me pegou mesmo. Eu estava sozinha, triste, miserável e não conseguia entender o motivo, já que eu me sentia no topo do mundo”.

Querendo ajudar um número maior de pessoas, Demi se encontrou hoje, 6, com membros do Congresso americano, para pedir uma reforma no tratamento de doenças mentais. “Quatro em cada dez pessoas conseguem o tratamento que precisam, o que te leva a pensar quantas outras pessoas não estão conseguindo o mesmo, o que tem levado a muitos problemas”, explicou à apresentadora Tamron Hall.

Para à revista People, a cantora foi categórica: é preciso tratar doenças mentais com a mesma seriedade que doenças físicas são tratadas.

“Acho que é importante que as pessoas não vejam mais doenças mentais como um tabu a ser conversado. É algo extremamente comum, um em cada cinco adultos possui uma doença mental, então, basicamente, todo mundo está conectado a esse problema e a essa epidemia. O problema é que a doença mental não é vista pelas pessoas como uma doença física. Se você pensar sobre isso, o cérebro é, na verdade, o órgão mais complexo do seu corpo. Precisamos tratá-lo como uma doença física e levá-lo a sério”.

Recentemente, ela também fez um ensaio nu, sem maquiagem ou photoshop, para mostrar sua recuperação sobre os transtornos alimentares que teve, e inspirar outras mulheres a aprenderem a amar seus corpos como são. “Eu nunca pensei que eu chegaria a um ponto da minha vida, onde eu conseguiria fazer isso [o ensaio nu]”.

H/T: Entertainment Weekly.