“Dear White People” nem estreou na Netflix e já deixou muita gente (branca) furiosa

10. fevereiro 2017 Televisão 2
“Dear White People” nem estreou na Netflix e já deixou muita gente (branca) furiosa

Eu entendo que as discussões sobre racismo e privilégios possam ser desconfortáveis, mas elas são necessárias para construirmos uma sociedade justa e igualitária. E o entretenimento funciona como uma boa ferramenta para dar início a essas conversas e a elucidar questões que nós, talvez, não compreendemos tão bem.

“Dear White People”, que em português significa “Cara Gente Branca”, é uma nova série da Netflix, a qual irá abordar o racismo, com foco na vida de estudantes universitários americanos. No teaser divulgado na última quarta-feira (8), a radialista Samantha White (Logan Browning) começa dizendo:

“Cara gente branca, eis uma lista de fantasias de Halloween que são aceitáveis: piratas, enfermeiras safadas e até os nossos 43 primeiros presidentes. A fantasia mais inaceitável: eu”.

Em seguida, são mostradas imagens de pessoas brancas com os rostos pintados de marrom, o famoso e horrível blackface. Para entender a problemática por trás da prática, é preciso entender sua origem. Ele surgiu no teatro dos Estados Unidos, durante o século 19, quando homens brancos pintavam seus rostos de carvão, fazendo uma representação ridicularizada da população negra, o que além de tratar a população negra como piada, ainda fazia com que esse grupo não tivesse acesso a trabalhos no meio artístico.

E embora o blackface seja antigo, ele ainda é feito até hoje. Como não se lembrar, por exemplo da ‘fantasia’ de Nega Maluca no carnaval? Ou da peça teatral ‘A mulher do trem’, da companhia ‘Os Fofos Encenam’, que foi cancelada após pressão de ativistas ao saberem que a peça traria um personagem pintado de preto, uma caricatura estereotipada do que seria a mulher negra?

O racismo ainda está muito presente no mundo, por isso, é importante retratá-lo nas artes e discuti-lo, para que possamos criar mecanismos para combatê-lo. E embora a iniciativa da Netflix seja positiva,o teaser não foi bem recebido pelo público. No Youtube, onde o vídeo foi postado, até o momento há mais de 264 mil negativações, ou ‘não gostei’, e pouco mais de 24 mil curtidas. Nos comentários, muitas pessoas acusam a Netflix e a série de serem ‘racistas contra brancos’.

Um lembrete: não existe racismo reverso. Negros não podem ser racistas contra brancos, pois o racismo é um sistema que se beneficia da opressão da população negra. Desde sempre, foram os brancos que colonizaram países e escravizaram os povos por onde passaram, cujas consequências são sentidas pelos descendentes dessas pessoas até hoje. É por isso que políticas afirmativas, como cotas raciais nas universidades públicas, são necessárias, por exemplo.

Mais uma vez: eu entendo que as conversas sobre raça e privilégios possam ser desconfortáveis. Mas quando estamos abertos ao diálogo e a entender o outro, é aí que conseguimos transformar os meios em que vivemos.

“Dear White People” é uma adaptação de “Cara Gente Branca”, lançado em 2014, e traz, além de Logan Browning, Marque Richardson, Antoinette Robertson, Brandon P Bell, DeRon Horton e Ashley Blaine Featherson no elenco. Barry Jenkins, diretor do indicado ao Oscar “Moonlight”, dirigiu um dos episódios. 

A série chega na Netflix no dia 28 de abril.