Esse momento é nosso: “Deadpool 2” possui um casal de super-heroínas

Esse momento é nosso: “Deadpool 2” possui um casal de super-heroínas

Depois de 10 anos de filmes de super-heróis ganhando as telas do cinema, finalmente começamos a ver mulheres e negros protagonizando esse tipo de produção. “Mulher-Maravilha” e “Pantera Negra” não apenas deixaram sua marca, como também foram sucesso de bilheteria, o que mostra que o público quer ver mais diversidade nos personagens que geralmente têm poderes especiais e acabam evitando que o planeta seja destruído.

Ainda assim, personagens LGBT parecem ter sido esquecidos pelos grandes estúdios. Mesmo presentes em diversas histórias em quadrinhos que são adaptadas para as telonas, lésbicas, gays, bissexuais e pessoas trans não foram representados em filmes de super-heróis. E não foi por falta de pedido: houve abaixo-assinado para que a Warner reconheça a bissexualidade da Mulher-Maravilha na sequência do longa da heroína. Também houve uma petição para que a Disney arrumasse um namorado para o Capitão América. E houve ainda o apagamento de um casal de lésbicas em “Pantera Negra”, assim como o sumiço da pansexualidade de Deadpool e da bissexualidade da Valkyrie, em “Thor: Ragnarok”.

Porém, quando nós já estávamos sem esperança, eis que o segundo filme desse desbocado anti-herói trará personagens abertamente LGBTs! E melhor ainda: elas são um casal, com direito a reconhecimento da união das duas! Em “Deadpool 2”, Brianna Hildebrand volta ao papel de Míssil Adolescente Megassônico, mas dessa vez com uma namorada, a mutante Yoiki, papel de Shiori Kutsuna. Elas podem não ser as protagonistas na trama, mas representam um progresso na representação LGBT em uma obra cinematográfica de super-herói.

As duas aparecem logo no começo do filme, quando Deapool (Ryan Reynolds) visita a Mansão Xavier pela primeira vez. Míssil Adolescente Megassônico e Yoiki aparecem de mãos dadas e confirmam que são um casal. Esse momento é muito nosso! Mas como nem tudo é perfeito, Shatterstar (Lewis Tan), personagem que é bissexual e poliamoroso nos quadrinhos, parece não ter esses aspectos de sua identidade destacados no longa-metragem. Mas pelo menos ainda temos um casal de mulheres!

E há ainda algo legal na personagem Míssil Adolescente Megassônico: ela é interpretada por Brianna Hildebrand, que também namora uma mulher, a figurinista Jonneke Grisham. Em 2016, ela gravou um vídeo para o projeto “It Gets Better”, no qual ela fala que soube na adolescência que era apaixonada por meninos e meninas. A atriz, que também atua na série “O Exorcista”, contou à revista PAPER como foi o processo de composição de sua personagem em “Deadpool”.

“A Míssil Adolescente Megassônico parece comigo na época do colegial, por isso, me identifico com ela de certa maneira”, disse a artista. “Eu tive uma fase gótica no colégio. Eu também tive uma fase na vida em que eu dizia para mim mesma: ‘eu não sei quem eu sou. De quem eu gosto? Por que isso importa?’ Estou animada em interpretá-la de novo. Eu a fiz a partir das minhas pesquisas. Eu pesquiso muito sobre ela e isso me ajudou um pouco a entrar na personagem”.

A personagem de Brianna e Shiori Kutsuna foram muito aplaudidas pela GLAAD, organização que monitora a representação LGBT na mídia dos Estados Unidos. Em um comunicado, a ONG afirmou que “a história de Míssil Adolescente Megassônico e Yukio é um marco em um gênero que frequentemente invisibiliza pessoas LGBT”, acrescentando que a obra “envia uma mensagem aos outros estúdios, para que sigam o exemplo de uma história inclusiva e inteligente”.

É sempre positivo quando produções que atraiam uma grande quantidade de pessoas apresentem personagens LGBT, pois não apenas dá visibilidade a esse grupo, como também normaliza as relações e identidades de lésbicas, gays, bissexuais e pessoas trans. Dessa maneira, vamos construindo mais entendimento e aceitação dessas pessoas na sociedade.

Para você que quer ver Míssil Adolescente Megassônico e Yukio nos cinemas, saiba que “Deadpool 2” já está nos cinemas!