Crítica: “O Mau Exemplo de Cameron Post” fala da tentativa de cura gay de forma leve e simples

22. outubro 2018 Cinema 0
Crítica: “O Mau Exemplo de Cameron Post” fala da tentativa de cura gay de forma leve e simples

Baseado em um livro que leva o mesmo nome, “O Mau Exemplo de Cameron Post” é lançado no mesmo ano em que “Boy Erased”, outro filme sobre acampamento de “cura gay”, que também chegará às telonas. Se o longa-metragem, que ainda irá estrear, parece ir pelo caminho da abordagem mais séria e melancólica, a história de Cameron Post se destaca pelo contrário, por tratar um tema tão sério de forma simples e leve.

O filme se passa na década de 90 e mostra a jovem Cameron Post (interpretada com muito carisma por Chloe Grace Moretz) em um acampamento que promete curar jovens da homossexualidade. A narrativa praticamente se inicia com a chegada de Cameron ao acampamento e, aos poucos, através de flashbacks e alguns relatos da protagonista, vamos entendendo o que aconteceu antes disso e conhecemos suas relações familiares. O acampamento é comandado pelo Reverendo Rick, um ex-gay, e por sua irmã, a Dra. Lydia. Cameron cria laços no acampamento, principalmente com Adam e Jane, mas também passa por momentos de quase tortura psicológica pelas palavras e ações da Doutora Lydia e questiona seus desejos e verdades.

“O Mau Exemplo de Cameron Post” nunca pesa a mão e nem faz com que o público (principalmente o homossexual) se sinta mal ou incomodado com o que está vendo. É claro, existem palavras cruéis e situações horríveis colocadas à frente de Cameron e dos outros estudantes do acampamento, mas o roteiro trata tudo com muita leveza. Em vários momentos, até alguns alívios cômicos surgem de uma forma bem despretensiosa, para assim não deixar a narrativa tão pesada. E por isso o filme se destaca: quando imaginaríamos assistir um filme sobre a tentativa de cura gay com uma abordagem tão leve e ainda assim eficaz?

Apesar de ser tão atual, o filme se passa nos anos 90, e um dos seus acertos é usar elementos da décadas a seu favor: temos referência a David Bowie, performance da música “What’s Going On” (sim, aquela de “Sense8”) e referência a filmes da época. Se o roteiro acerta aqui, talvez erre em não aprofundar alguns personagens. Apesar de vermos pontos sobre o passado de quase todos os colegas de acampamento de Cameron, era necessário que alguns deles fossem mais desenvolvidos e tivessem maior tempo de tela. Mark, por exemplo, é um personagem que tem uns dos momentos mais marcantes e pesados, mas seu desenvolvimento é pouco construído, seria interessante o roteiro tivesse apresentado de forma melhor o seu relacionamento com o pai e até com o colega de quarto, Adam.

Ao fim, “O Mau Exemplo de Cameron Post” deixa uma mensagem de libertação e aceitação em uma cena final bonita entre os três amigos: Cameron, Adam e Jane. Em tempos tão sombrios que vivemos, com ameaças aos direitos dos LGBTs, é reconfortante assistirmos uma história que ao mesmo tempo fala sobre um tema importante e amedrontador, mas não deixa de ser leve e motivador de libertação.

 O Prosa Livre assistiu “O Mau Exemplo de Cameron Post” na 42ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo. Ainda não há uma data de estreia definida para o filme nos cinemas brasileiros.