Comercial sobre violência doméstica será transmitido durante o intervalo do Super Bowl

Comercial sobre violência doméstica será transmitido durante o intervalo do Super Bowl

Domingo, 1º de fevereiro, acontece a final do Super Bowl, jogo que faz parte da NFL (National Football League), a principal liga de futebol americano dos Estados Unidos. Além do tão aguardado show do intervalo, que será comandado pela Katy Perry neste ano, um comercial sobre violência doméstica será transmitido neste que é o evento mais assistido da televisão americana.

Este é o primeiro comercial sobre o assunto a ser veiculado durante o Super Bowl. O filme faz parte da campanha ‘No More’ e tem como cenário uma casa revirada, enquanto uma mulher liga para o 911, serviço de emergência dos Estados Unidos, pedindo uma pizza, quando na verdade ela tentava fazer uma denúncia de violência doméstica. O funcionário do outro lado da linha entende o recado e aciona uma viatura para o local. Para quem não se lembra, essa história é real.

Não só a história é real, como um caso de violência doméstica dentro da NFL obrigou a liga a se manifestar no ano passado. É que o jogador do Baltimore Ravens, Ray Rice, foi filmado espancando sua noiva, e hoje atual esposa, Janay Palmers. Ele acabou suspenso e depois demitido.

O caso movimentou a imprensa e a sociedade americana, pois Janay saiu em defesa de seu marido. No entanto, o debate ganhou as redes sociais, onde mulheres compartilhavam através das hashtags #WhyIStayed (Porque Eu Fiquei) e #WhyILeft (Porque Eu Fui Embora), mensagens explicando porque não deixaram seus abusadores e porque decidiram partir.

E já que o Super Bowl é o evento mais assistido da televisão americana (estima-se que mais de 115 milhões de pessoas assistiram a final no ano passado), é importante que o assunto  seja visto e amplamente discutido.

A Sports Illustraded, como reportou o B9, também fez um comercial sobre violência doméstica, porém, não será transmitido durante o Super Bowl. O vídeo da UltraViolet está disponível no site, e mostra um jogador de futebol americano atacando uma mulher. A mensagem final dá conta de que 55 casos de violência doméstica envolvendo membros da NFL nunca foram julgados.