Chris Brown tentou “culpar” Rihanna pelas agressões contra ela – mas não vai colar, cara

17. agosto 2017 Famosos 0
Chris Brown tentou “culpar” Rihanna pelas agressões contra ela – mas não vai colar, cara

Em 2009, todos ficamos chocados com as imagens de Rihanna com seu rosto desfigurado, depois de ser espancada pelo seu então namorado, o rapper Chris Brown. O episódio marcou as carreiras de ambos os artistas. O músico, apesar de ainda ter espaço na mídia, nunca conseguiu recuperar sua imagem, ainda associada ao seu comportamento agressivo. Já Riri conseguiu dar continuidade em sua trajetória, tornando-se uma das maiores cantoras da música pop e uma espécie de símbolo para a conscientização sobre violência doméstica.

E quase 10 anos depois, Chris Brown quer que a gente conheça o seu lado da história, ainda que a gente já saiba muito bem como ela termina. Em um trecho do documentário sobre sua vida, “Chris Brown – Welcome to My Life”, ele relembra como era seu relacionamento com Rihanna. Segundo conta, ela tinha problemas para confiar nele, após ele ter escondido dela um relacionamento que teve com uma mulher antes de namorarem. Mesmo admitindo o caso, a cantora não acreditava nele.

“Ela me odiava. Depois disso, eu tentei de tudo. Ela não se importava, ela simplesmente não confiava em mim depois disso. A partir dali, tudo foi ladeira abaixo, porque a gente brigava, brigávamos verbalmente, brigávamos fisicamente também”, disse. “Eu ainda amo a Rihanna, mas eu vou ser honesto: nós brigávamos, ela me batia, eu batia nela, nunca estávamos bem. Sempre chegava a um ponto em que nós nos perguntávamos o que estávamos fazendo”.

Em seguida, ele dá detalhes sobre a noite em que bateu na voz de “Work”. Ele diz que Rihanna teria começado a briga, após a mulher com quem Brown se relacionou falar com ele no evento do Grammy em que participaram. Segundo suas palavras, Riri teria começado a chorar, mas conseguiu se acalmar para aproveitar a festa. Ao final da do evento, o rapper teria tentado mostrar à namorada que não sabia que a outra mulher estaria no local, dando a ela seu telefone para que ela checasse as mensagens. A cantora encontrou uma mensagem e, a partir daí, o agrediu primeiro.

“Ela começou a ficar louca. Ela atirou o telefone, disse que me odiava. Ela me bateu algumas vezes. Lembro que ela tentou me bater, mas aí eu acertei ela de verdade, com meu punho fechado. Quebrei o lábio dela”, ele conta. “Quando eu vi isso, fiquei em choque. Pensei: ‘como fui bater nela?’ Ela cuspiu sangue na minha cara e isso me deu ainda mais raiva. Depois, ela pegou no meu saco e eu mordi o braço dela”.

Chris Brown conclui dizendo que estacionou o carro para tentar resolver a situação, e Rihanna teria pegado as chaves e atirado-as para fora. Ele a pressionou contra a janela e depois a deixou para trás, tentando achar uma outra maneira de voltar para casa.

Nem eu, nem ninguém estava no local ou acompanhava 24 horas por dia o relacionamento dos dois, mas uma coisa eu sei: você não bate em uma mulher, não importa se ela é sua irmã, amiga, esposa ou namorada. Você simplesmente não bate nela. Ponto final.

E ao fazer seu relato sobre o que teria acontecido na noite em que agrediu Rihanna, é fácil perceber que Brown tenta pintar Rihanna como mais uma mulher histérica e ciumenta, incapaz de confiar nele, o homem que a amava mais do que qualquer pessoa. Se ela tinha problemas mesmo para confiar nele, isso jamais vamos saber com certeza, mas é curioso como ele tenta “humanizar” o seu lado, jogando a culpa na ex-namorada. Se ela não tivesse batido nele, se ela tivesse acreditado nele, se ela tivesse feito tudo diferente, ela não teria apanhado. Como se ela realmente tivesse despertado o lado agressivo dele.

Essa tentativa de jogar a culpa da violência sobre a namorada é uma tática que muitos homens abusivos adotam para continuar manipulando suas parceiras. Ao mesmo tempo, isso é o que impede muitas mulheres de denunciar seus agressores, pois começam a desconfiar de suas próprias atitudes. E quando não, há ainda o medo de que ninguém acredite nelas. Nos comentários postados no vídeo acima, por exemplo, é possível perceber como muitas pessoas mudaram de opinião agora que sabem “o outro lado da história”.

Não há qualquer desculpa que justifique a agressão contra uma mulher. A violência nunca é culpa da vítima, em hipótese alguma. Por isso, é melhor ir com muita calma antes de acreditar nas palavras do rapper, pois ao tentar limpar sua imagem, ele continua perpetuando o antigo e falso imaginário popular de que a vítima teria provocado a agressão. E que, de alguma maneira, ela merecia apanhar. Isso não existe.

Esse discurso de Brown é extremamente perigoso, pois coloca em descrédito as vítimas de violência doméstica, e ainda contribui para o medo e a vergonha que muitas mulheres têm para fazer uma denúncia.

Anos depois, a dupla de cantores reatou o namoro, que terminou meses depois. Em 2015, Rihanna contou o que a fez voltar para o rapper. E o que a fez desistir dele mais uma vez.

“Talvez eu seja o anjo protetor dessa pessoa, para estar ali quando ela não é forte o suficiente, quando ela não entende o mundo, quando ela precisa de alguém para encorajá-la a seguir um caminho positivo e dizer a coisa certa”, disse a cantora. “Eu o protegia demais. Sentia que ninguém o entendia. Mesmo depois… Mas sabe, depois de um tempo nessa situação, você vira o inimigo. Você quer o melhor para ele, mas se você o lembrar de suas falhas ou se você o lembrar dos maus momentos da vida dele, ou mesmo se você disser que quer voltar a lidar com algo, ele te julga. Porque ele sabe que você não merece o que ele pode dar. E se você aceita, talvez você esteja concordando que você [merece] isso, e foi finalmente aí que eu disse ‘eu fui idiota por pensar que eu posso lidar com isso’. Às vezes, você tem que cair fora”.