Candy Mel, da Banda Uó, é o rosto da campanha da Avon para o “Outubro Rosa”

09. outubro 2015 Internet 3
Candy Mel, da Banda Uó, é o rosto da campanha da Avon para o “Outubro Rosa”

Em julho deste ano, a modelo trans Andreja Pejic fez história ao ser a primeira mulher transexual a ser rosto de uma marca de cosméticos, a Make Up Forever. A iniciativa abriu um precedente importante para que outras empresas investissem em diversidade na seleção de suas garotas-propaganda. Isso aconteceu pouco tempo depois, com a ativista Maria Clara Araújo, que foi a primeira mulher trans brasileira a ser rosto de uma marca de maquiagem, a Lola Cosmetics, e a segunda no mundo.

“Ver as mulheres trans em atividades como modelo, de ser o rosto de uma marca de maquiagem, é trazer humanidade para nós”, contou Maria Clara ao Portal da Band. “Porque existe um contexto que leva essas meninas, como eu, a não serem modelos. Eu sou a segunda [mulher trans] do mundo a ser rosto de uma marca de maquiagem. Então, por que eu sou a segunda do mundo? Por que as pessoas nunca contrataram uma mulher trans para ser rosto de uma marca de maquiagem?”

E já que estamos em outubro, um mês de conscientização das mulheres sobre o câncer de mama, várias empresas, através de peças publicitárias e iniciativas sobre o tema, buscam apoiar esse movimento. A Avon resolveu inovar em sua campanha para o “Outubro Rosa” e escolheu Candy Mel, mulher transexual e vocalista da Banda Uó, tornando-a a primeira mulher trans a protagonizar uma campanha deste tipo e a segunda brasileira a realizar tal feito.

Em nenhum momento o comercial diz que Candy Mel é transexual, o que traz a questão para a normalidade que deveria ser tratada. Com certeza, mais um marco para a publicidade brasileira, que vem, ainda que aos poucos, investindo em representar o público LGBT.

No começo do ano, em sua campanha do Dia das Mães, a GOL trouxe a história de adoção do pequeno Paulo Henrique pelo casal Rodrigo e Gilberto. Como não lembrar, também, da polêmica em torno do comercial d’O Boticário, que em sua campanha de Dia dos Namorados, colocou um casal gay e um casal lésbico em sua propaganda, sendo alvo de um pedido de boicote por religiosos fundamentalistas. Outras marcas, como Sonho de Valsa e Close Up, também optaram por casais homossexuais em suas peças.

Tem sido um período de grande representatividade para a comunidade LGBT, em especial para travestis e transexuais, cujas demandas ganharam mais notoriedade com as atrizes Laverne Cox e Viviany Beleboni, a ex-atleta olímpica Caitlyn Jenner e o ator Thammy Miranda, que juntos vêm dando lições importantes sobre direitos, respeito e empatia.

Nos Estados Unidos, a publicidade também vem incluindo pessoas trans em suas peças, como foi o caso da Hallmark, empresa de cartões de felicitações, que teve um dos vídeos de sua campanha de Dia das Mães sendo protagonizado por um rapaz trans.

Há muito a ser feito, com certeza, mas vitórias como estas precisam e devem ser reconhecidas. O progresso não vai ser parado.