Campanha incentiva homens a falar sobre suas emoções a fim de prevenir o suicídio

01. setembro 2016 Internet 0
Campanha incentiva homens a falar sobre suas emoções a fim de prevenir o suicídio

Setembro, no mundo todo, é conhecido como o mês de conscientização e prevenção do suicídio. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 800 mil pessoas tiram suas próprias vidas por ano, e isso correspondeu a 1,4% de todas as mortes do mundo em 2012, tornando-se a 15ª principal causa de morte naquele ano.

Em um ranking global, o Brasil ocupa o 8º lugar em números de suicídios: por aqui, em 2012, foram registradas 11.821 mortes, sendo 9.198 homens e 2.623 mulheres. Ou seja, o índice de homens que se suicidam é 3,5 vezes maior do que as mulheres, taxa similar a dos Estados Unidos. No Reino Unido, em 2013, o suicídio de homens representou 78% de todos os casos na ilha.

Embora os motivos que levam alguém a cometer tal ato sejam os mais variados, em geral, o suicídio está ligado ao sentimento de desamparo e de uma percepção de falta de alternativas. E isso tem muito a ver com a taxa alarmante de homens tirando suas próprias vidas, já que somos ensinados a não demonstrar fraqueza, a não chorar, a não falar sobre nossas subjetividades.

O professor Louis Appleby, diretor de um grupo inglês de prevenção do suicídio, fez exatamente essa ligação ao falar sobre o tema para o jornal The Guardian. “Os homens têm um risco maior de se suicidarem, porque tendem a beber excessivamente, machucarem-se de formas mais fatais e porque relutam em pedir ajuda”.

Mais uma vez, é preciso repensar na forma em que masculinidade é construída e como ela impacta a vida de cada um, das pessoas à nossa volta e da sociedade como um todo. É por isso que a campanha criada pelo jogador irlandês de rúgbi, Luke Ambler, é tão importante: chamada de #ItsOKToTalk (“Tudo bem falar sobre isso”, em português), a iniciativa incentiva homens a compartilhar suas emoções, numa tentativa de diminuir a taxa de suicídio, segundo contou o próprio atleta ao site The Independent. “O objetivo é de diminuir pela metade as estatísticas de suicídio entre homens nos próximos cinco anos. Isso seria um trabalho bem feito para mim”.

A inspiração para a #ItsOKToTalk, veio após a morte de seu cunhado,  Andy, que se suicidou em abril deste ano. “Foi assombroso o impacto que isso teve nos meus filhos, sua família e amigos. Foi aí que decidi que algo precisava ser feito, então criei um grupo no Facebook chamado Andy’s Man Club UK, onde os homens sentem-se seguros para falar”, afirmou Luke.

Para o jogador de rúgbi, ainda é difícil para homens abrirem-se sobre o que sentem por conta das expectativas sociais de como homens devem ser e agir. Por isso, ele acredita que é preciso acabar com o estigma sobre transtornos mentais e sobre a depressão masculina, o que leva tantos homens a cometer o suicídio.

“Às vezes, os homens não querem falar pois sentem-se idiotas ou acham que serão um peso para suas famílias”, disse o atleta ao Guardian. “Aí você conversa com os amigos e tudo acaba virando uma brincadeira. Comecei a pensar que não havia um lugar para que Andy pudesse conversar com alguém sobre o que estava acontecendo, por isso tive a ideia do Andy’s Man Club. É um local para que os homens se reúnam e conversem com outras pessoas que pensam como eles. Mas eles não sentam e conversam apenas. Fazemos atividades físicas, discutimos estratégias de  recuperação e sobre várias coisas, desde controle de raiva até controle de despesas, além de coisas como o afeto com as crianças, algo que alguns homens precisam lidar”.

E a campanha chegou a outros países e celebridades, como Ricky Gervais e Matthew Lewis, os quais postaram selfies em suas redes sociais encorajando seus seguidores a falar sobre saúde mental. Até o momento, Ambler diz que a resposta à sua iniciativa tem sido muito positiva. “Teve uma que me comoveu demais. Um homem me mandou uma mensagem no Facebook dizendo: ‘você me salvou'”.

Há muito o que podemos fazer para ajudar outras pessoas. Ouvir sem julgamentos alguém que está passando por alguma situação difícil pode ser uma atitude decisiva para salvar uma vida.

PS: E se você, ou alguém próximo, esteja precisando de apoio, procure o Centro de Valorização da (CVV) pelo site www.cvv.org.br, ou ligue 141 (24 horas).

I don't often participate in these social media events, but as someone who has battled with anxiety and feelings of depression for practically the entirety of 2016, I felt it was important. If it wasn't for some very special people in my life offering their time to me, to allow myself to open up and speak honestly about the battle waging internally, I fear for what may have happened. Today is a battle for me. And if I didn't feel like I had that support network, I'd be lost. It's so important to find your support network of people who will offer their time and even a shoulder if it gets to that point. The old school definition of "masculinity" needs to be laid to rest. I remember being made an outsider in primary school because I was the kid that "always cried" when he was upset. We've come far since then, but there's still a way to go. Most of us will know someone that has been a victim of suicide or been affected by depression. Suicide is the single biggest killer of men aged under 45! In 2014, 4623 men took their own life. That's 4623 too many. Let's show all men across the world that #itsokaytotalk #mentalhealth

A post shared by KRM FILM (@korireaymackey) on

#itsokaytotalk when there is a need too. I have been there and there is no need to be ashamed!

A photo posted by Chris Charles (@muchachri) on

#itsokaytotalk

A post shared by Nea (@neakuu) on


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *