Benedict Cumberbatch quer perdão real a homens gays condenados por sua sexualidade

02. fevereiro 2015 Cinema 0
Benedict Cumberbatch quer perdão real a homens gays condenados por sua sexualidade

Benedict Cumberbatch concorre ao Oscar por seu papel em ‘O Joga da Imitação’, onde interpreta o matemático britânico Alan Turing, que viveu durante o período da Segunda Guerra Mundial, e foi responsável por quebrar códigos alemães a serviço do governo inglês.

Alan Turing, além de genial, era homossexual declarado, algo ilegal na Inglaterra daquela época, o que resultou num processo criminal em 1952. Condenado, foi obrigado a tomar estrogênio (hormônio feminino) e morreu quase dois anos depois, em 1954, ao envenenar-se com cianeto. A homossexualidade só deixou de ser crime em 1967 na Inglaterra.

E 2009, o matemático recebeu desculpas póstumas pelo primeiro-ministro Gordon Brown e, em 2013, 59 anos após sua morte, Turing recebeu o perdão real, garantido pela Prerrogativa Real de Compaixão, pedida pelo ministro da Justiça Chris Grayling e aprovado pela rainha Elizabeth II. No entanto, mais de 15 mil homens ainda vivos não tiveram o perdão real. Um carta aberta, assinada por mais de 40 mil pessoas, incluindo o ator Benedict Cumberbatch, querem que os registros criminais dos condenados sejam finalmente limpos.

A carta diz:

“As leis homofóbicas do Reino Unido tornaram as vidas de gerações de homens gays e bissexuais intoleráveis.

É hora de jovens líderes de hoje, incluindo o Duque e a Duquesa de Cambridge, reconhecerem esta marca na nossa história e não permitam que ela continue.

Chamamos o governo de Vossa Majestade para dar início a uma discussão sobre o perdão a todos os homens, vivos ou mortos que, assim como Alan Turing, foram condenados”.

Além de Cumberbatch, também assinam a petição o diretor do filme ‘O Jogo da Imitação’, Morten Tyldum, a sobrinha de Alan Turing, Rachel Barnes, e Stephen Fry, que interpretou Oscar Wilde nos cinemas. O famoso escritor foi preso em 1895 por conta de sua homossexualidade.