Atriz iraniana de “O Apartamento” boicotará o Oscar em protesto contra lei de imigração de Donald Trump

29. janeiro 2017 Cinema 0
Atriz iraniana de “O Apartamento” boicotará o Oscar em protesto contra lei de imigração de Donald Trump

Na última sexta-feira (27), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, suspendeu a entrada de refugiados no país por 120 dias, além de banir por 90 dias a entrada de toda e qualquer pessoa de países de maioria muçulmana: Síria, Iraque, Sudão, Somália, Líbia, Iêmen e Irã.

E a medida tem impacto na cerimônia do Oscar, que será realizada no dia 26 de fevereiro. Isso porque o filme “O Apartamento”, feito no Irã, concorre ao prêmio de ‘Melhor Filme Estrangeiro’, o que impediria tanto o diretor da obra, o cineasta Asghar Farhadi, quanto o elenco do longa de participar do evento.

Pelo Twitter, Taraneh Alidoosti, atriz que protagoniza o filme, se manifestou contra o decreto de Trump, anunciando que boicotaria o Oscar como forma de protesto. “O banimento de vistos de Trump é racista. Incluindo ou não um evento cultural, eu não comparecerei ao Oscar deste ano como protesto”, escreveu a artista iraniana.

Asghar Farhadi ganhou o Oscar na mesma categoria que concorre neste ano, por “A Separação”, em 2012. Na ocasião, ele chamou a atenção para o clima político da época, e dedicou sua vitória ao povo iraniano.

“Enquanto políticos conversam sobre guerra, intimidação e agressão, o nome daquele país, o Irã, é dito aqui por meio de sua gloriosa, rica e antiga cultura, a qual foi escondida pela poeira pesada da política. Eu dedico, com orgulho, esse prêmio para as pessoas do meu país, as pessoas que respeitam todas as culturas e civilizações e rejeitam a hostilidade e o ressentimento”.

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, responsável pela premiação, emitiu uma nota em defesa de Farhadi e de toda a equipe de “O Apartamento”.

“A Academia celebra a realização na arte de fazer filmes, o que transcende fronteiras e conversa com audiências no mundo todo, independente das diferenças nacionais, étnicas ou religiosas. Enquanto defensores de cineastas – e dos direitos humanos  de todas as pessoas – ao redor do planeta, nós achamos extremamente problemático que Asghar Farhadi, o diretor do filme ganhador do Oscar, ‘A Separação’, filme iraniano, junto com o elenco e equipe do filme indicado ‘O Apartamento’, possam ser impedidos de entrar no país por conta da religião ou país de origem”.

Ontem (28), depois de muitos protestos em alguns aeroportos americanos, a juíza Ann Donnelly, do tribunal federal do Distrito Sul de Nova York, no Brooklyn, barrou a medida de Donald Trump, ao menos temporariamente. Segundo reporta o El País, “nenhuma pessoa que entre nos Estados Unidos com um visto em ordem poderá ser deportada”. A suspensão valerá até o dia 21 de fevereiro. Como o Oscar acontece no dia 26 de fevereiro, ainda é incerto se a equipe de “O Apartamento” poderá comparecer à cerimônia.

Também é incerto o futuro de todos aqueles que possuem o visto de residência permanente no país, bem como de refugiados que buscam em solo americano um teto seguro sobre suas cabeças, uma vez que essas pessoas fogem da guerra, fome e miséria em seus países de origem.