Aqui vão algumas perguntas ofensivas feitas a casais homossexuais

Aqui vão algumas perguntas ofensivas feitas a casais homossexuais

Há um certo tempo, escrevi um texto no Prosa Livre listando 5 coisas que precisamos parar de falar aos homossexuais. Algo bem básico mesmo, como ninguém escolhe ser gay (algo tão óbvio, mas que precisa até de pesquisa para comprovar) e que não há uma ‘ditadura gayzista’ sendo instalada no Brasil. O que há é uma luta por direitos básicos como casamento, adoção de crianças e direito à vida. Veja só: o mesmo que todo mundo quer.

E por mais que muito tenha sido conquistado, a nossa luta por direitos iguais e de reconhecimento à nossa existência continua em curso. E assim como ainda há muita confusão e ignorância no tratamento de pessoas homossexuais, o mesmo acontece com casais homoafetivos. Muita gente, apesar de apoiar nossas pautas e lutas, ainda reproduz muito preconceito. E isso precisa ser combatido.

A youtuber Ashley Mardell é lésbica e possui um canal onde trata de diversos temas ligados à comunidade LGBT. Em um de seus últimos vídeos, ela, sua namorada e vários casais homoafetivos falam sobre perguntas que estamos cansados de ouvir, porque além de repetitivas, são muito ofensivas:

A parte interessante do vídeo são os primeiros 5 minutos e meio, quando os casais falam dos estereótipos que as pessoas colocam nas pessoas envolvidas. “Quem é o homem e quem é a mulher no relacionamento?”. É preciso entender que, num relacionamento entre duas mulheres, não há um homem e, num relacionamento entre dois homens, não há uma mulher. Existem ou dois homens ou duas mulheres que não seguem as convenções tradicionais de gênero. Logo, é muito ofensivo presumir que uma das partes é o “homem” ou a “mulher” da relação. Não tente enquadrar casais homossexuais nessas caixinhas de gênero, porque além de antigas, elas não funcionam mais.

perguntas ofensivas a casais homossexuais

Um casal de rapazes diz: “Tipo, é como se dissessem, ‘um precisa ser mulher. É preciso ter um homem e uma mulher, essa é a norma'”. Há uma mulher se uma das partes se identificar de tal forma. Caso contrário, não há uma mulher num relacionamento entre dois homens. “O que eles querem dizer é ‘quem é lado feminino que faz a as atividades sexuais da mulher?”, afirma o mesmo casal.

Isso leva a outra pergunta igualmente ofensiva: ‘quem é o ativo e quem é passivo’? Ou, ‘como vocês, lésbicas, transam’? A resposta é: não é da sua conta! “Por que você acha que tem o direito de fazer uma pergunta tão invasiva e pessoal?”, indaga um casal de meninas. “Não é apropriado. Não sei por que as pessoas pensam que têm esse direito. Porque elas não entendem algo, não quer dizer que elas podem ir até alguém e perguntar sobre a vida pessoal dela e o que ela faz entre quatro paredes. E se você é tão curioso assim, procure no Google”, continuam.

perguntas ofensivas a casais homossexuais

Essa é mais uma questão a ser evitada, porque ninguém faz esse tipo de pergunta a casais heterossexuais, já que se assume que o homem é o ativo, o dominador, enquanto a mulher é a passiva e submissa. Mas fato é que, isso pode não acontecer. Na verdade, pode não acontecer entre casais homossexuais também. Sexo não é sinônimo de penetração e isso precisa ser entendido de uma vez por todas. E mesmo que haja, as pessoas podem trocar de posições, e isso é algo que só diz respeito ao casal e ninguém mais.

Essa interpretação equivocada de que cada pessoa dentro do relacionamento homossexual possui um papel pode ser entendida pela forma como essas pessoas são vistas. “Vocês não parecem lésbicas”, conta um casal de garotas que já ouviram isso de alguém. “Eles presumem que uma de nós precisa parecer como um homem e uma precisa parecer uma mulher”, continua. “Eu pareço mais masculina, quando comparada à minha esposa. Acho que eu pareço com um homem, mas isso não quer dizer que eu seja a ‘figura paterna’ para a nossa filha”, afirma outro casal de lésbicas.

perguntas ofensivas a casais homossexuais

“A sociedade acredita nessa coisa de heteronormatividade e isso me deixa maluca”, diz uma das mulheres. E acredito que isso deixa todos nós malucos, porque parece que ainda é preciso explicar que essas regrinhas inventadas sobre como homens e mulheres devem parecer, não se aplicam a casais homossexuais. Aliás, não deveriam se aplicar a qualquer casal, porque limitam a experiência de ambos dentro da relação.

Percebe como as três perguntas apresentadas estão inter-relacionadas? Perguntas sobre posições sexuais e a forma como cada parte se comporta dentro de um relacionamento são muito similares, porque a sociedade tenta encaixar todo mundo nesses padrões engessados de gênero, quando casais homoafetivos, muitas vezes, fogem a esses padrões construídos.

Então, se você estiver curioso e quiser tirar dúvidas, já tem as respostas. Ou então, faça o seguinte: procure no Google.