Apresentado por mulheres, o SAG Awards 2018 celebrou a força feminina

Apresentado por mulheres, o SAG Awards 2018 celebrou a força feminina

Antes mesmo de começar, o SAG Awards já prometia celebrar as mulheres do cinema e da televisão. Isso porque a premiação teria como anfitriã a atriz Kristen Bell (“Frozen” e “Good Place”), a primeira mulher a comandar o evento, desde que ele começou em 1995. Não só isso, as entregas das estatuetas seriam todas feitas por mulheres também, sendo esse um belo gesto, depois de várias de acusações de assédio sexual contra os homens poderosos de Hollywood.

E na noite de domingo (21), o SAG Awards, prêmio dado pelo sindicato dos atores da indústria cinematográfica, reconheceu o trabalho de Morgan Freeman, bem como celebrou a força feminina. Em cima do palco, houve ainda uma sobrevivente: Rosanna Arquette, uma das mulheres que denunciou o ex-produtor Harvey Weinstein, chegou a chorar ao lado de Marisa Tomei.

“Temos a honra de ser parte dessa criativa e acolhedora comunidade, e estamos inspiradas pelas tantas vozes poderosas que não são mais silenciadas pelo medo da retaliação”, ela disse antes de apresentar o prêmio de Melhor Atriz em Filme para TV ou Minissérie. “Rosanna, você é uma dessas vozes”, completou Marisa. “Você é uma das que quebraram o silêncio e nós todos temos um débito de gratidão com você”.

No monólogo de abertura de Kristen Bell brincou com o fato de ser a “primeira-dama” a apresentar a premiação, e fez referência à atual primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump, dizendo que iria combater o cyberbullying. Para quem não sabe, Melania disse que atuaria contra o bullying no país. Bom, é uma causa justa e que poderia ser iniciada dentro da Casa Branca, logo com seu marido Donald Trump. “Eu ainda quero ver algum processo nessa área”, disse a anfitriã da noite.

Em seguida, ela fez um singelo gesto de apoio às mulheres que estão denunciando o assédio sexual.

“As histórias de todos merecem ser contadas, especialmente agora. Estamos vivendo um momento decisivo e enquanto marchamos em frente com impulso ativo e ouvidos abertos, vamos garantir que estamos liderando a carga com empatia e diligência, pois o medo e a raiva nunca venceram uma corrida”.

Em seguida, foi a vez do SAG Awards premiar as mulheres: Frances McDormand foi corada a Melhor Atriz em Filme, por seu papel em “Três Anúncios para um Crime”; e Allison Janney foi a Melhor Atriz Coadjuvante, por seu trabalho em “Eu, Tonya”.

Nas categorias televisivas, Julia Louis-Dreyfus, que está em tratamento contra um tumor no seio e não foi ao evento, foi eleita a Melhor Atriz em Série de Comédia, por seu papel em “Veep”. Com a vitória, ela se tornou a primeira mulher a vencer 5 vezes o mesmo prêmio. A Melhor Atriz em Série Dramática foi Claire Foy, de “The Crown”, a qual também não esteve presente na premiação.

A Melhor Atriz em Minissérie ou Filme para TV foi Nicole Kidman, que viveu a advogada Celeste em “Big Little Lies”. No palco, ela elogiou suas colegas de elenco e as mulheres com quem disputava o prêmio, chamando a atenção para o fato de que todas elas têm mais de 40 anos, e suas carreiras ainda estão ativas.

“Eu queria dizer para a Susan Sarandon e Jessica Lange que eu venero vocês. Eu assisti vocês e aprendi com vocês”, disse Nicole. “E há outras: Meryl Streep, Jane Fonda, Judy Davis, Isabelle Huppert, Shirley MacLaine, Judy Dench. A lista é enorme e eu adoraria dizer mais nomes, mas eu não posso agora. Mas eu queria agradecer vocês pelos trabalhos pioneiros que vocês fizeram e que maravilha que nossas carreiras possam ir além dos 40 anos. Há 20 anos, nós éramos apagadas nessa etapa de nossas vidas. Esse não é o caso agora. Nós provamos, essas atrizes e tantas outras estão provando, que nós somos potentes, poderosas e viáveis. Eu peço apenas que a indústria continue conosco, pois nossas histórias estão finalmente sendo contadas. É apenas o começo”.

Artistas negros também tiveram seus momentos no SAG Awards. Sterling K. Brown levou o prêmio de Melhor Ator em Série Dramática, tornando-se o primeiro negro a vencer na categoria. Seu nome foi anunciado por Niecy Nash, que fez questão de anunciá-lo como vencedor, caso ele ganhasse. “Porque ele é negro”, disse a atriz no microfone.

Morgan Freeman foi homenageado por sua carreira, sendo considerado um “tesouro nacional” por sua amiga Rita Moreno, a qual o chamou para receber sua estatueta. O ator fez um discurso divertido, mas fez uma pequena reclamação sobre o prêmio que havia acabado de ganhar.

“Eu não ia fazer isso, mas vou dizer a vocês o que há de errado com essa estatueta: ela funciona de costas, mas na parte da frente, o gênero fica bem específico. Talvez eu tenha começado algo”, alfinetou Freeman.

Em mais uma noite de discussão sobre assédio sexual, foi notória a presença do ator James Franco, que concorria a Melhor Ator em Filme, e que possui 5 acusações de abuso contra ele. O artista, contudo, evitou o tapete vermelho para não receber perguntas da imprensa. Aziz Ansari, que foi acusado de má-conduta sexual, optou por não comparecer ao evento.

Ficou a cargo de William H. Macy, eleito o Melhor Ator em Série de Comédia, falar sobre a participação dos homens para acabar com a violência de gênero.

“É difícil ser homem hoje em dia”, contou William depois de sua vitória no SAG Awards. “Acho que muitos de nós sentem como se estivessem sendo atacados e que precisassem pedir desculpas. E, talvez, nós tenhamos. Nós nos reunimos: um monte de homens se reuniu sob o olhar da Time’s Up. Isso é bom para os homens, [pois] não conversamos o bastante. E nós conversamos”.

E por falar na iniciativa Time’s Up, o coletivo, em parceria com o sindicato dos atores de Hollywood, foi anunciado que haverá um novo código de conduta dentro dos sets de filmagem, para garantir que as mulheres sejam respeitadas enquanto trabalham. A novidade foi divulgada por Lupita Nyong’o e Brie Larson, no palco da premiação.

“Nos dá alegria celebrar representações que mostram a natureza humana com todas as suas imperfeições – e fazer isso com o sindicato, cujo trabalho é proteger os atores que trabalham assim”, disse Lupita. “É por isso que estamos animadas em dizer que, em colaboração com a Time’s Up e os membros do sindicato que aqui estão, haverá um novo código de conduta, para garantir que há segurança nos sets”, continuou Brie. “Para que possamos continuar sendo vulneráveis, empáticas e fazer as atuações fortes e ótimas que vimos rapidamente na noite de hoje”.

Assim como o Globo de Ouro, o SAG Awards também deu espaço para que as mulheres falassem e se manifestassem. Isso deixa uma dúvida sobre como o Oscar vai lidar com um tema que demanda muita sensibilidade e, principalmente, das vozes femininas para acontecer. Vamos ver o que virá por aí.