Alanis Morissette não teve vergonha em pedir ajuda para tratar a depressão pós-parto; e nem você deveria

09. outubro 2017 Famosos 0
Alanis Morissette não teve vergonha em pedir ajuda para tratar a depressão pós-parto; e nem você deveria

Infelizmente, para muitas mulheres, a maternidade não é o período de maior alegria de suas vidas. Foi o caso, por exemplo, da cantora Alanis Morissette, que sofreu com a depressão pós-parto depois do nascimento de seu primeiro filho, Ever Imre, há 6 anos e meio, e voltou a enfrentar a doença depois de dar à luz à sua filha Onyx Solace, há 14 meses.

“Tem dias que eu estou tão debilitada que mal consigo me mexer”, contou a canadense à revista People. “Quando eu era criança, eu me imaginava tendo filhos com um parceiro incrível.  Essa é uma dor completamente diferente e que eu não previ”. Ela disse ainda que, logo após o nascimento de Ever, começou a sentir “dores físicas intensas, insônia, letargia e ‘visões assustadoras’ de sua família sendo machucada. Ela só foi diagnosticada 16 meses depois.

Esses foram alguns dos sintomas sentidos por Alanis, que ainda podem incluir tristeza, fadiga, falta de apetite e de afeto pelo bebê, irritabilidade e baixa autoestima. A depressão pós-parto é muito mais comum do que se imagina: 25% das mulheres, ou 1 a cada 4, podem vir a desenvolvê-la, segundo aponta uma pesquisa feita pela Fundação Oswaldo Cruz, a Fiocruz. Porém, mulheres que já tiveram ou que possuem pessoas com depressão na família, têm mais chances de ter a doença.

“É muito isolador. Estou acostumada a ser a Rocha de Gibraltar, a prover, proteger e a guiar”, completou a cantora, que ainda sofre com o distúrbio meses depois do nascimento da filha. “Isso me fez questionar tudo. Eu sempre fui ótima em tomar decisões e ser uma líder que as pessoas podiam confiar. Agora, eu mal consigo decidir o que comer no jantar”.

Atualmente, Alanis faz tratamento com terapia, medicação, exercícios diários, homeopatia e escreve músicas. Aliás, muitas músicas.

“Eu escrevi várias canções nos últimos três meses”, revelou. “Era uma música por dia. Eu tinha que compor ou iria implodir”.

Por se tratar da segunda vez que a artista é acometida pela doença, que atinge até 15% das mulheres no puerpério, Morissette não teve vergonha de pedir ajuda para se tratar. E nem você deveria. Caso esteja passando pelo mesmo, é importante procurar um especialista, pois há tratamento disponível.

E por se tratar de uma condição ainda cercada por estigmas e pouco discutida, Alanis Morissette se recusa a ficar quieta sobre a doença.

“O estigma permanece firme. Há esse contato visual que eu tenho com outras mulheres que passaram por depressão pós-parto e há esse silencioso pensamento: ‘meu Deus, eu amo você. Eu sinto muito'”, disse a cantora à revista People, acrescentando que sabe que vai superar essa fase. “Há pessoas que me perguntam: ‘onde está a antiga Alanis’? E eu penso: ‘bem, ela está aqui. Ela só está tendo um minuto’. Eu sei que há uma luz no fim do túnel e tento não me abater”.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *