Assim como muitas vítimas de estupro, Abigail Breslin também nunca denunciou seu agressor. Eis os motivos

Assim como muitas vítimas de estupro, Abigail Breslin também nunca denunciou seu agressor. Eis os motivos

Denunciar um estupro não é uma decisão fácil. Por várias razões, que vão desde o sentimento de culpa da vítima pelo que aconteceu até a dificuldade de formalizar uma acusação, muitas mulheres acabam desistindo de fazê-lo e tentam seguir suas vidas com esse trauma em suas sombras.

É o que fez Abigail Breslin, a Chanel #5 do seriado “Scream Queens”, que revelou ter sido estuprada enquanto estava em um relacionamento. Por meio de uma imagem postada no Instagram, a atriz confirmou que conhecia seu agressor.

“Consentimento II: você não é obrigada a fazer sexo com quem você se relaciona. Namoro não é consentimento. Casamento não é consentimento”, dizia a foto de um bloco de texto.

i knew my assailant. #SexualAssaultAwarenessMonth #breakthesilence

A post shared by Abigail Breslin (@abbienormal9) on

Quando se trata de estupro, muitas pessoas ainda têm uma visão estereotipada de que os agressores são homens escondidos em becos escuros, quando na verdade, 70% das vítimas os conhecem. São pais, irmãos, tios e amigos. Isso torna ainda mais difícil para que uma denúncia seja feita, já que, por serem pessoas próximas a elas, cria-se um medo de que ninguém acreditaria nelas ou de que ‘arruinariam’ a vida daqueles homens. Pior ainda, muitas vítimas sequer reconhecem o abuso que sofreram como estupro, justamente por conta da relação que possuem com a pessoa em questão.

Esse cenário entristecedor leva a outro dado alarmante: apenas 10% das denúncias são feitas. Porém, desse percentual, poucos casos chegam a ser resolvidos com punição. Com a falta de justiça, a maioria das mulheres desiste de fazer uma acusação formal. Ainda assim, mesmo que os estupros não sejam denunciados, eles ainda contam como estupros.

“Eu não denunciei meu estupro. E eu fiz isso por vários motivos”, afirmou Abigail Breslin em outra imagem compartilhada no Instagram, como uma resposta a alguém que disse que apenas estupros reportados à polícia poderiam ser validados. “Primeiro, eu estava em choque total e em negação. Eu não queria ser vista como a ‘vítima’, então eu reprimi isso e fiz de conta de que nada aconteceu. Em segundo lugar, eu estava em um relacionamento com meu estuprador e tinha medo de que ninguém acreditaria em mim. E eu também temia que, se meu caso não levasse a lugar algum, ele poderia descobrir e me machucar ainda mais. E em terceiro, eu sabia o quão doloroso seria para minha família e amigos e eu não queria fazê-los passar por isso.

Dizer que estupros denunciados são os únicos que contam contribui para a ideia de que sobreviventes de estupros não denunciados não importam. É injusto, falso e contraproducente. É como se você tivesse um olho roxo por apanhar de alguém, mas porque você não procurou a polícia, você não tem um olho roxo de verdade. Estupros não denunciados contam. Estupros denunciados contam. Fim de história”.

Ou seja, a vítima nunca deveria ser julgada por denunciar ou não a violência que sofreu.

*trigger warning⚠️*

A post shared by Abigail Breslin (@abbienormal9) on

E embora a artista, que fez muito sucesso com o filme “Pequena Miss Sunshine”, esteja livre de seu abusador, as marcas do trauma permanecem com ela.

“Fui diagnosticada com TEPT [Transtorno de Estresse Pós-Traumático] há um ano. Fiz muitos progressos desde que aquilo aconteceu, mas não vou fingir que isso não é algo que mexe comigo”, continuou Abigail. “Eu ainda tenho flashbacks, pesadelos e pulo toda vez que alguém me toca de surpresa, mesmo que seja minha melhor amiga colocando a mão sobre meu ombro”.

É importante que mulheres em posições de destaque como a atriz venham a público para falar sobre o que viveram, pois possibilitam que outras mulheres entendam o que estão passando e possam procurar ajuda. Vivemos em uma sociedade com uma péssima cultura de culpar as vítimas pelas agressões que sofreram, o que torna  muito difícil para que elas possam continuar suas vidas de maneira segura.

No caso de Breslin, ela conseguiu seguir em frente e tem feito vários trabalhos. O próximo é o remake de “Dirty Dancing”, que conta com a atriz no papel de Baby Houseman e Colt Pratter como Johnny Castelo. O filme foi feito para a televisão americana e será exibido no dia 24 de maio.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *