6 mulheres negras concorrem ao Miss Brasil 2016

26. setembro 2016 Estilo 1
6 mulheres negras concorrem ao Miss Brasil 2016

Muita gente não gosta de concurso de Miss Brasil por ser problemático por diversos motivos. Outros tantos não dão a mínima para ele. E existem aqueles que sempre o acompanham. Contudo, não importa qual tipo de pessoa você seja, é preciso concordar em uma coisa: a competição não é um exemplo de diversidade racial.

Em seus mais de 60 anos, o Miss Brasil coroou apenas uma mulher negra: a gaúcha Deise Nunes, em 1986. “Passou da hora de termos outra miss representando o país miscigenado que é. Ainda aguardo uma sucessora”, ela disse ao jornal Extra. E não foi por falta de candidatas, obviamente, mas elas sempre concorreram em menor número.

Porém, isso deve mudar em 2016: seis candidatas negras estão disputando o posto de mulher mais bonita do Brasil. Embora o número também seja pequeno (são 27 mulheres no total), é a primeira vez que o concurso registra essa quantidade de negras em uma única edição.

São elas: Raíssa Santana (Paraná), Victoria Esteves (Bahia), Beatriz Leite Nalli (Espírito Santo), Deise D’Anne (Maranhão), Mariana Theol (Rondônia) e Sabrina Paiva (São Paulo).

Por mais superficial que o tema soe para você, é preciso destacar porque essa questão importa. Mais da metade da população brasileira é composta por negros. Para ser mais exato, de acordo com os dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 53,6% dos brasileiros se identificam como negros. E apesar de serem maioria, é o grupo que mais sofre com a violência, pobreza, salários menores e falta de representação política e na mídia.

E se a realidade já é difícil para os negros, em geral, a situação é ainda mais complicada para as mulheres negras, que enfrentam o combo do racismo e machismo. Por exemplo, enquanto o assassinato de mulheres brancas diminuiu nos últimos 10 anos, mesmo não pode ser dito para as negras brasileiras, que viram o índice subir 54% no mesmo período.

Não só isso, essas mulheres enfrentam um padrão de beleza que é ainda mais cruel com elas, o que não é difícil de notar, já que elas raramente estampam capas de revista ou protagonizam novelas, filmes e séries. E antes que alguém argumente sobre talento, elas têm tanto quanto as brancas, mas como Viola Davis bem disse certa vez, a elas são dadas muito menos oportunidades para brilhar.

Ou seja, num país historicamente racista e machista, não é exatamente uma surpresa que as negras não ganhem competições de beleza. É só realmente muito triste e revoltante.

Mas talvez a edição deste ano do Miss Brasil seja o início de uma mudança tão atrasada no nosso país. E não apenas no concurso, mas na forma como enxergamos as mulheres negras. “Até hoje sou a única negra a vencer o concurso”, disse Deise Nunes ao Extra. “Sinto que desta vez elas vieram mostrar que a beleza é mais diversa do que pensam, dando um tapa no preconceito”.

O Miss Brasil acontece no dia 1º de outubro e será transmitido pela Band.