5 filmes para conhecer Sofia Coppola, a aniversariante do dia

5 filmes para conhecer Sofia Coppola, a aniversariante do dia

Sofia Coppola completa 46 anos hoje. E pra comemorar, o Prosa Livre preparou um post especial com os filmes dela que é uma das cineastas mais importantes e cultuadas da sua geração.

A verdade é que cada um de seus filmes renderia sozinho mais que um único post. Mas, por hora, vamos aproveitar a data para fazer um resumão da filmografia da cineasta, e já aquecer os motores para seu novo longa, “O Estranho que Nós Amamos”, que estreia ainda em 2017.

Nascida em Nova York em 1971, Sofia Coppola é filha do também cineasta Francis Ford Coppola. E apesar de seu pai ter dirigido alguns dos filmes mais importantes do cinema americano – como “Apocalypse Now” e a trilogia “O Poderoso Chefão” –, Sofia demorou a se aventurar atrás das câmeras. Antes disso, ela realizou alguns trabalhos como atriz, embora nenhum deles tenha sido memorável, e alguns foram inclusive bastante criticados.

Seu primeiro trabalho como roteirista e diretora foi o curta-metragem “Lick The Star”, de 1998, onde ela já apresentava alguns traços que fariam parte de sua obra, como o interesse pela temática da incomunicabilidade e alienação, o foco nas personagens femininas e suas questões, as referências à música e cultura pop, etc. Seu primeiro longa veio no ano seguinte, iniciando uma filmografia que transformaria Sofia Coppola em uma referência do cinema e da cultura pop atuais.

“As Virgens Suicidas” (1999)

Inspirado no livro de Jeffrey Eugenides sobre as irmãs que se suicidam num subúrbio de Michigan nos anos 1970, a estreia de Sofia Coppola na direção de longas-metragens é um grande discurso sobre a beleza e as dores da adolescência. A atmosfera nostálgica e melancólica, boa parte construída pela trilha sonora composta pela dupla francesa AIR, é um dos pontos fortes do filme. Um clássico imediato, “As Virgens Suicidas” foi o primeiro trabalho de Sofia com a atriz Kirsten Dunst, com quem ela repetiria a parceria em “Maria Antonieta” e no ainda não lançado “O Estranho que Nós Amamos”.

“Encontros e Desencontros” (2003)

Talvez ainda hoje seu melhor e mais relevante trabalho, “Encontros e Desencontros” foi todo filmado no Japão, num esquema de produção longe dos padrões hollywoodianos. O roteiro, que caminha entre situações cômicas e dramáticas, fala sobre a solidão e o sentimento de alienação através de dois americanos – um ator de meia idade e uma jovem recém-casada mas sem perspectivas de futuro – que se encontram numa Tóquio intraduzível, onde ambos se sentem apáticos e perdidos. Dentre tantos momentos memoráveis, vale destacar uma das melhores sequências finais já feitas, ao som de “Just Like Honey”, do The Jesus and Mary Chain. O filme recebeu quatro indicações ao Oscar, e rendeu a Sofia o prêmio de Melhor Roteiro Original.

“Maria Antonieta” (2006)

Nessa biografia não-convencional da última rainha da França, Sofia Coppola deixa de lado a perspectiva histórica para focar na personagem da princesa austríaca como se retratasse uma jovem contemporânea, que aos 14 anos é lançada à hostil corte francesa, cheia de exageros e vaidades, e que acaba se tornando uma espécie de estrela pop da sua época, vivendo em meio a festas e fofocas. Elementos como um tênis All Star em uma das cenas, e a ótima trilha sonora (com bandas como New Order, The Radio Dept. e The Strokes), estabelecem uma aproximação entre a figura histórica e os dias de hoje. Não por acaso, o filme se tornou uma grande referência visual e para a moda.

“Um Lugar Qualquer” (2010)

Vencedor do Leão de Ouro no Festival de Veneza em 2010, “Um Lugar Qualquer” é o mais intimista e despretensioso filme de Sofia Coppola, e talvez por isso o menos lembrado. A história do astro de Hollywood que, com a aproximação forçada com a filha adolescente, encontra a possibilidade de dar um sentido à sua vida, tem muito de autobiográfico, uma vez que a própria Sofia cresceu nesse mundo de viagens, entrevistas e hotéis de luxo. Outra vez, o tema do vazio existencial e da incomunicabilidade, e as referências à cultura pop no roteiro e na trilha sonora.

“The Bling Ring” (2013)

Hollywood também é cenário desse filme, lançado em 2013. “The Bling Ring” narra a história real do grupo de adolescentes de Los Angeles que roubam mansões das celebridades por diversão. Com ares de documentário, o longa recria esses assaltos nas reais residências de famosos como Paris Hilton e Lindsay Lohan. No elenco está Emma Watson, em um de seus primeiros trabalhos após os filmes da serie Harry Potter.

Amiga de celebridades como Kim Gordon, ex-integrante do Sonic Youth, e o estilista Marc Jacobs, Sofia Coppola já dirigiu também videoclipes de bandas como Flaming Lips e The White Stripes, e comerciais e editorais de moda para marcas como Dior e Louis Vuitton.

Seu mais recente filme, “O Estranho que Nós Amamos”, será exibido nas próximas semanas no Festival de Cannes, e já é um dos lançamentos mais aguardados desse ano. Então, se você ainda não conhece o trabalho de Sofia Coppola, está mais do que na hora de começar.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *