Abuso sexual será o centro da narrativa da segunda temporada de “13 Reasons Why”

Abuso sexual será o centro da narrativa da segunda temporada de “13 Reasons Why”

No dia 18 de maio, “13 Reasons Why” estreará sua segunda temporada na Netflix, depois do sucesso estrondoso que alcançou em 2017 (além da coleção de controvérsias). A série, uma adaptação do livro de mesmo nome de Jay Asher, acompanha o jovem Clay (Dylan Minnette) em sua tentativa de descobrir o que levou sua colega e crush Hannah (Katherine Langford) a tirar sua própria vida. A menina deixa 13 fitas cassete, destinadas a cada pessoa a quem ela atribuiu responsabilidade por seu suicídio.

A produção gerou debates sobre bullying, abuso sexual e saúde mental, ainda que, nesse último quesito, tenha dividido o público e especialistas. Para organizações que trabalham pela conscientização do suicídio, o seriado poderia ter sido mais cuidadoso na forma como abordou o tema. E ainda que ninguém esperasse uma segunda temporada, a Netflix a encomendou e liberou o trailer oficial hoje (8). Não haverá cenas de suicídio nesse ano, pois o centro da narrativa será o abuso sexual.

O tema se alinha com o que vem acontecendo em Hollywood e no mundo, depois das denúncias de assédio e estupro envolvendo o ex-produtor Harvey Weinstein, e dá continuidade à história de Jessica (Alisha Boe), que foi estuprada por Bryce (Justin Prentice). Isso fica claro com a prévia divulgada, além de ser possível perceber que todos que estiveram ligados à morte de Hannah estão sendo perseguidos, por alguém que não quer que a história da menina venha à tona.

Ao mesmo tempo, vemos que os pais de Hannah vão adiante no processo contra a escola, a qual eles julgam ter sido negligente com a vida da filha. Para tal, os alunos são chamados para depor e, ao que parece, segredos vão surgir e as tensões devem ser elevadas.

Brian Yorkey, criador de “13 Reasons Why” confirmou que o abuso sexual será o foco da segunda temporada, acrescentando que a equipe de esportes da escola ocultou muitos desses crimes. Ele disse ainda que a história foi escrita antes dos acontecimentos envolvendo Weinsten surgirem, e que ela se tornou cada vez mais real assim que as denúncias contra o ex-produtor foram aparecendo.

“Nós veremos as formas como o assédio sexual foi perpetuado por anos e foi documentado. Também veremos as maneiras como as instituições – o departamento de esportes e a própria escola – foram cúmplices em permitir que isso acontecesse”, disse Yorkey à revista The Hollywood Reporter. “Quando nós estávamos desenvolvendo o roteiro, discutimos se seria real achar que uma série de abusos sexuais poderiam ser mantidos em segredo por tanto tempo. Ao longo do verão, nós vimos eventos se desdobrar na nossa cultura, o que confirmou que sim, infelizmente, é possível que muitos casos, a níveis altos e consistentes, possam ser ocultados por muitas pessoas e instituições. Essa é boa parte da segunda temporada, a qual esperamos que possa começar uma conversa, especialmente porque é algo que meninas muito novas sofrem em nossa cultura. E é preciso que isso mude”.

Com as muitas pontas soltas deixadas ao final da primeira temporada, é possível que o seriado se aprofunde em outros temas, como o porte de armas e saúde mental. “13 Reasons Why” está próxima de sua estreia: 18 de maio. E você: vai assistir?